Consultor Jurídico

Notícias

Você leu 1 de 5 notícias liberadas no mês.
Faça seu CADASTRO GRATUITO e tenha acesso ilimitado.

Relógio alterado

TST valida redução de carga horária de professor sem diferença

A redução da carga horária do professor em função da diminuição do número de alunos de um ano para o outro não constitui alteração contratual ilícita. O que a lei veda é a redução do valor da hora-aula, ou seja, a base da remuneração do professor, e não a redução do número de horas-aula.

O entendimento unânime é da Terceira Turma do Tribunal Superior do Trabalho, que acolheu recurso da Fundação Instituto de Ensino para Osasco (Unifieo).

A fundação foi condenada pelo Tribunal Regional do Trabalho da 2ª Região, em de São Paulo, a pagar diferenças salariais ao professor por ter reduzido o seu número de horas-aula. A decisão do TRT-SP que condenou a Fundação se baseou no artigo da Constituição que trata da irredutibilidade do salário (artigo 7º, inciso VI). O tribunal rejeitou a justificativa patronal de que a redução do número de horas-aula foi necessária porque houve queda no número de alunos matriculados.

O advogado da fundação, Domingos Sávio Zainaghi, argumentou que ao contrariar a decisão do TRT, o Tribunal Superior do Trabalho evitou uma situação grave, pois engessaria as instituições de ensino, se elas tivessem que manter o mesmo pagamento com um número menor de aulas. O advogado afirmou que a jurisprudência do TST aponta que a redução da carga horária decorrente de queda no número de alunos é contratualmente lícita, e por isso o Tribunal Superior do Trabalho decidiu por unanimidade a favor da escola.

A ministra Maria Cristina Peduzzi, relatora do recurso no TST, explicou que o artigo 320 da CLT dispõe que a remuneração dos professores é fixada pelo número de aulas semanais, na conformidade dos horários. A jurisprudência do TST aponta que a redução da carga horária decorrente de queda no número de alunos é contratualmente lícita, desde que não haja redução no valor da hora-aula.

Ao reformar a decisão de segunda instância e restabelecer a sentença que rejeitou a ação trabalhista do professor, a ministra Maria Cristina Peduzzi afirmou que a variação da carga horária é da própria essência da remuneração dos professores.

A relatora lembrou que não existe no ordenamento jurídico brasileiro qualquer norma legal que assegure aos professores o direito à manutenção da mesma carga horária trabalhada no ano anterior.

RR 785.300/2001.7

Revista Consultor Jurídico, 13 de setembro de 2004, 12h38

Comentários de leitores

11 comentários

.

Fred Ram ()

.

Concordo até certo ponto com a Sra. Sandra Mart...

Fred Ram ()

Concordo até certo ponto com a Sra. Sandra Martinez, mas vale lembrar que caso fosse necessário aumentar uma turma, duvido que os professores não iriam querer um aumento devido o acréscimo de aulas, sendo assim eu indago, porque a maioria dos professores preferem receber por hora de aula dada do que uma remuneração fixa????? é minha cara colega, temos que ultilizar dois pesos e duas medidas não concorda????

Não podemos nos esquecer do princípio básico do...

Sandra Martinez Nunez ()

Não podemos nos esquecer do princípio básico do direito do trabalho de que o empregado não pode assumir os riscos do negócio, no lugar de seu empregador. Se o professor ganha R$ 100,00 e conta com esse dinheiro, não pode, de uma hora para outra, ver reduzida sua remuneração pela metada, em razão de uma eventual má-administração do empregador. Acho que a decisão é para se pensar.

Ver todos comentários

Comentários encerrados em 21/09/2004.
A seção de comentários de cada texto é encerrada 7 dias após a data da sua publicação.