Consultor Jurídico

Notícias

Você leu 1 de 5 notícias liberadas no mês.
Faça seu CADASTRO GRATUITO e tenha acesso ilimitado.

Salários na prefeitura

Liminar garante aumento de salário concedido por Marta Suplicy

A prefeitura de São Paulo pode aumentar o salário dos funcionários de primeiro escalão, incluindo secretários municipais, administradores regionais e chefes de gabinete. Mas o aumento não será concedido aos funcionários da Câmara. A decisão é do Tribunal de Justiça de São Paulo, que concedeu liminar apenas parcial ao PSDB até que a Ação Direta de Inconstitucionalidade contra a prefeita Marta Suplicy e à Câmara Municipal seja julgada.

O PSDB quer a suspensão do aumento de até 40%, aprovado pelo Legislativo no mês passado. Na ação, o PSDB alega que a prefeita não tem poderes legais para conceder o reajuste. Mas o Tribunal de Justiça de São Paulo decidiu manter o aumento dos funcionários da prefeitura e cortar o benefício concedido aos empregados da Câmara.

Leia, na íntegra, a decisão do TJ-SP.

Natureza: AÇÃO DIRETA DE INCONSTITUCIONALIDADE

Processo: 81.520.0/6

Reqte: Partido da Social Democracia Brasileira (PSDB)

Reqdo: Presidente da Câmara Municipal de São Paulo e Prefeito do Município de São Paulo.

Visto, etc.

1. Cuida-se de Ação Direta de Inconstitucionalidade ajuizada pelo Partido da Social Democracia Brasileira (PSDB), na qual se postula medida liminar de suspensão imediata da eficácia dos artigos 2º e 7º, incisos I e II, da Lei Municipal nº 13.117, de 09 de abril de 2001.

Sustenta o autor, em síntese, que os atos normativos de iniciativa da Chefe do Poder Executivo, ao instituírem o beneficio do pagamento da verba de representação a servidores inativos, ou demais agentes públicos de órgãos diversos, colocados à disposição da prefeitura de São Paulo quando no exercício de cargo em comissão, bem como estenderem o benefício a servidores da Câmara Municipal e Tribunal de Contas do Município de São Paulo, ofenderam o principio da independência e autonomia dos Poderes, consagrado no artigo 5º da Constituição do Estado de São Paulo, além de preceitos diversos da Lei Orgânica do Município e da Constituição Federal.

2. Para que o titulo de medida cautelar sejam suspensas à eficácia e a vigência de norma objeto de Ação Direta de Inconstitucionalidade, é indispensável que o promovente demonstre, de forma clara, a plausibilidade da tese defendida. Como também é indispensável que comprove que a manutenção da norma hostilizada no ordenamento jurídico acarretará perigo de lesão irreparável ou de difícil reparação. E isso porque a providência, nesses casos, vai de encontro ao princípio segundo o qual os atos administrativos são presumidamente constitucionais.

3. No que se refere ao artigo 2 da Lei nº 13.117/01, que concede o benefício da verba de representação aos servidores inativos, ou agentes de outros órgãos públicos diversos colocados à disposição da Prefeitura de São Paulo, quando no exercício de cargo de comissão, não se vislumbra, com a indispensável clareza, qualquer ofensa ao princípio da independência e autonomia dos Poderes.

Isso porque beneficia a lei - ao contrário do que afirma a inicial - não secretários municipais, mas sim todo um conjunto de servidores que exercem cargos em comissão. Diga-se, aliás, que a norma é rigorosamente silente no tocante ao termo "secretários municipais".

Como é sabido, a Ação Direta de Inconstitucionalidade inaugura um processo objetivo, no qual se busca a defesa da Constituição e não a tutela de um interesse subjetivo determinado. Não se examina, assim, uma relação jurídica concreta, mas sim a validade de uma lei em tese à Constituição (RTJ 95/999, Rel. Min. Moreira Alves; ver, também, Clemérson Merlin Cleve, A Fiscalização abstrata da Constitucionalidade no Direito Brasileiro, 2º Edição RT, os. 151 e seguintes; Gilmar Ferreira Mendes, Jurisdição Constitucional, Saraiva, os. 157/159).

Em termos diversos, a norma abstrata, ao beneficiar toda uma gama de servidores que exercem cargos em comissão, não ostenta inconstitucionalidade aparente. Não teria sentido, portanto, retirar a norma do ordenamento jurídico, sob a alegação de que eventualmente secretários municipais podem indevidamente dela beneficiar-se. A Ação Direta de Inconstitucionalidade não presta para fazer cessar eventual aplicação indevida de norma hígida a casos concretos.

O fato concreto e eventual de se fazer pagamentos a secretários é que poderia em tese, ferir o disposto no artigo 29, V, da Constituição Federal, matéria, todavia, a ser tratada na via própria. Não custa lembra, ademais, que o nosso sistema constitucional não admite o controle concentrado de constitucionalidade de lei ou ato normativo municipal em face da Constituição Federal. Nem mesmo a Suprema Corte tem essa competência, cabendo, nesse caso, apenas o controle difuso, exercido "incidenter tantum" por todos os órgãos do Poder Judiciário, quando do julgamento de cada caso concreto ( ADIn 347-0, Rel. Min. Paulo Brossard; RTJ 124/266, RTJ 124/612, RTJ 104/724, RTJ 102/749, RTJ 97/438, Rclm. 734-CE, Rel. Min. Celso de Mello, j. 26.02.1998, DJU 04.03.1998).

4. No que se refere ao artigo 7º, incisos I e II, da Lei nº 13.177/01, que estendeu o benefício da gratificação aos servidores da Câmara Municipal de São Paulo, a situação é outra.

É regra expressa do artigo 24, parágrafo 1º da Constituição do Estado de São Paulo que compete exclusivamente à Assembléia Legislativa à iniciativa de leis que disponham sobre a criação de cargos ou funções em sua Secretaria, bem como fixação da respectiva remuneração. Cuida-se de norma sensível - reprodução dos artigos 51m IV e 52, XII da CF - e de observância compulsória aos Municípios. Tal restrição se estende, por critério lógico e sistemático, aos órgãos auxiliares do Poder Legislativo, como Tribunais de Contas.

O preceito constitucional acima referido diz de perto com o princípio essencial da autonomia e independência dos poderes, consagrado nos artigos 2º da Carta Federal e 5º da Carta Estadual, aparentemente vulnerada pela lei municipal.

5. Presente se encontra, também, o pressuposto do "periculum in mora", consistente no risco de se efetuar pagamentos indevidos a centenas de servidores, em detrimento dos cofres públicos e da prestação de serviços essenciais à comunidade.

Diante do exposto, concedo em parte a liminar e suspensão, com efeito "ex nunc", apenas e tão somente a eficácia e a vigência dos incisos I e II dos artigos 7º da Lei nº 13.177.001 do Município de São Paulo, até o julgamento desta Ação Direta de Inconstitucionalidade. Comunique-se.

I. e, em seguida, a Egrégia Vice-Presidência, para distribuição ao C. Órgão Especial.

Int.

São Paulo, 08 de maio de 2.001.

MÁRCIO BONILHA

Presidente do Tribunal de Justiça

Revista Consultor Jurídico, 10 de maio de 2001, 0h00

Comentários de leitores

0 comentários

Comentários encerrados em 18/05/2001.
A seção de comentários de cada texto é encerrada 7 dias após a data da sua publicação.