Consultor Jurídico

Pelo em ovo

Para procurador, compra de caças pela qual Lula é réu não tinha "nada de anormal"

A "lava jato" em Curitiba não via "nada de anormal" na compra de caças suecos pela qual o ex-presidente Lula acabou virando réu. Dois meses antes da apresentação da denúncia formal pelo Ministério Público Federal do Distrito Federal, o assunto foi abordado pelo procurador identificado como "Orlando SP", provavelmente Orlando Martello, que atuava no Paraná.

José Cruz / Agência BrasilPara procurador, investigações não mostraram "nada de anormal" na compra

É o que mostra uma nova leva de diálogos apresentados pela defesa do ex-presidente Lula ao ministro Ricardo Lewandowski, do Supremo Tribunal Federal, em processo sobre as mensagens hackeadas de autoridades.

Orlando comenta que as investigações apontaram não haver "nada de anormal" na opção pelos caças suecos, mostrando que "a questão foi vista mais como uma opção política justificável".

21 Sep 16
• "12:56:41 Orlando SP Sobre os caças. Nada de anormal na escolha. Tinha escolha normal, mas dentro da aeronáutica a questão foi vista mais como uma opção política, justificável em razão de transferência de tecnologia. Não correu boato sobre a escolha. Houve um upgrade no equipamento, depois de fechado o contrato, no valor aproximado de 1 bi. O detalhe é que uma empresa brasileira do RS foi constratada para auxiliar na implementação dos programas, transferência de tecnologia etc., mas o boato aí é que tinha favorecimento para filho de brigadeiro. A questão, entretanto, foi investigada pelo MP(F) e arquivaram a questão".

A acusação
Segundo a defesa de Lula, o assunto tratado na conversa é a Ação Penal nº 1016027-94.2019.4.01.3400, que tramita no Distrito Federal, no bojo das investigações que ficaram conhecidas como operação "zelotes". A denúncia foi apresentada em 9 dezembro de 2016 e aceita no dia 16, apenas sete dias mais tarde, mas o processo ainda não foi julgado.

Na ação, Lula é réu por tráfico de influência, lavagem de dinheiro e organização criminosa na compra de caças Gripen, da Suécia, pelo Brasil durante seu governo, entre 2003 e 2010.

Ele é acusado de negociar vantagens indevidas em troca da assinatura do contrato que resultou na compra de 36 aviões militares. Luís Cláudio Lula da Silva, filho do ex-presidente, e o casal de lobistas Mauro Marcondes e Cristina Mautoni também são réus.

Rcl 43.007
Ação penal 1016027-94.2019.4.01.3400




Topo da página

Revista Consultor Jurídico, 1 de março de 2021, 16h07

Comentários de leitores

6 comentários

Comentário

Afonso de Souza (Outros)

O que só demonstraria, se os diálogos são verdadeiros, que os procuradores de Curitiba não "perseguiam" Lula, como alega sua defesa (não apenas jurídica)!

Viva a cloroquina

Marcelo Cezar Duarte Cavinato (Administrador)

É verdade ele perseguiram o FHC e o BoLsonaro mas protegeram o Lula o quanto puderam só o prenderam por que conseguiram provar tudo que o acusaram. Graças a eles nos livramos do PT e o Brasil está bem melhor

Basta

Marcelo Cezar Duarte Cavinato (Administrador)

Quadrilha de toga

Sempre repetindo

JCCM (Outros)

Suas manifestações são tão vazias que eu não mais me darei ao trabalho de respondê-las.

Aliás, sequer lê-las, pois, notório que não haverá evolução na pobreza de argumentos, SEMPRE REPETINDO a exaustão os mantras da direita golpista e seus mauricinhos de gravatas...

É blá, blá, blá.

Ao JCCM (Outros)

Afonso de Souza (Outros)

Ora, ora, o sujeito surtou e se entregou de vez. Ele é um militante inconformado com o fato de o candidato dele não ter sido eleito.

Disse ele: "direita golpista", "mauricinho de gravata" (parece ressentido isso)... aqueles clichês de militante... Que blá, blá, blá, hein!

Ao Marcelo Cezar Duarte Cavinato (Administrador)

Afonso de Souza (Outros)

Não, a quadrilha, ao menos aquela que liderava um esquema que desviou 4,5 bilhões dos bolsos dos brasileiros, não usava toga. Até onde se sabe.

Ver todos comentários

Comentários encerrados em 09/03/2021.
A seção de comentários de cada texto é encerrada 7 dias após a data da sua publicação.