Consultor Jurídico

Aniversário no Tribunal

Três magistrados completam quatro décadas na ativa no TJ-MG em 2021

Três desembargadores do Tribunal de Justiça de Minas Gerais, que estão na ativa, completam neste mês de junho 40 anos de magistratura. Eles são os desembargadores Dárcio Lopardi Mendes, Armando Freire, e Fabiano Rubinger de Queiroz.

Os desembargadores Armando Freire, Fabiano Rubinger de Queiroz e Dárcio Lopardi Mendes do TJ-MG
Divulgação/TJMG

O presidente do TJ-MG, desembargador Gilson Soares Lemes, disse que as atuações desses magistrados nestas quatro décadas são imprescindíveis e qualificadas. Ressaltou que eles contribuíram para que o TJ mineiro se consolidasse como um dos tribunais mais reconhecidos do país.

O desembargador Armando Freire ingressou na magistratura na comarca de Conceição do Rio Verde, em 1981. Em seguida atuou em Conceição do Mato Dentro e Diamantina. A partir de 1988, na capital mineira, esteve na 1ª Vara de Família e 22ª Vara Cível da comarca de Belo Horizonte. Em 1998, foi para o Tribunal de Alçada. Em 2005, no TJ-MG, assumiu a Presidência da 1ª Câmara Criminal.

O desembargador Dárcio Lopardi Mendes, ingressou na magistratura, também em 1981, na Comarca de Rio Preto. Em seguida, atuou nas comarcas de Serro, Pitangui, Juiz de Fora. Em 1991, assumiu como juiz titular da 2ª Vara Cível de Belo Horizonte. Em 1999, foi promovido ao extinto Tribunal de Alçada, onde foi vice-presidente no biênio 2004/2005. Assumiu como desembargador do TJ-MG em 2005.

O desembargador Fabiano Rubinger de Queiroz, iniciou a carreira de magistrado, em 1981. Exerceu atividades como Juiz de Direito das comarcas de Coromandel, Ibiá, Araxá, Patrocínio e Uberaba. Em todas elas, ocupou o cargo de diretor do foro. Atualmente exerce a função na 11ª Câmara Cível do TJ-MG, tendo assumido em agosto de 2020.

História antiga
Outros magistrados da ativa, oito desembargadores e um juiz, com mais de quatro décadas na magistratura, também possuem atuação expressiva no judiciário. São os seguintes: Antônio Carlos Cruvinel, Geraldo Augusto de Almeida, Valdez Leite Machado, Wander Paulo Marotta Moreira, Belizário Antônio de Lacerda, José Aluísio Neves da Silva, Caetano Levi Lopes e José Geraldo Saldanha da Fonseca.

O desembargador Geraldo Augusto iniciou suas atividades em 1977, na Comarca de Ibiraci, tendo atuado ainda em Passa Quatro, Santa Rita do Sapucaí e Três Corações. Em 2002, chegou ao cargo de desembargador e assumiu a Presidência do TJ-MG, em 2018.

Também em 1977 entrou para a magistratura o desembargador Antônio Carlos Cruvinel, hoje superintendente de Relações com os Tribunais Superiores e Conselho Nacional de Justiça, iniciou a carreira como juiz da comarca de Prata, passando por Itabirito e Divinópolis até chegar a capital em 1984, onde assumiu o cargo de diretor do foro. Tornou-se desembargador em 2001 e foi vice-presidente em 2018.

Em 1979 ingressaram na magistratura Valdez Leite Machado, Wander Marotta, Belizário de Lacerda, José Aluízio Nunes da Silva e Caetano Levi.

O desembargador Valdez Leite Machado iniciou as atividades na Comarca de Guapé e atuou também em Cláudio, Santa Bárbara e Carangola. Já na capital, em 1988, foi juiz da 4ª Vara da Fazenda Pública e Autarquias. Três anos depois foi promovido a juiz do Tribunal de Alçada de Minas Gerais e, em 2005, como desembargador do TJ-MG.

O desembargador Wander Marotta, com carreira em diversas comarcas do interior de Minas Gerais, foi para capital mineira onde passou a ser juiz do Tribunal Regional Eleitoral em 1991. Foi promovido ao Tribunal de Alçada em 1994, onde permaneceu até 2020, sendo novamente promovido mas, desta vez, para uma cadeira de desembargador no TJ-MG.

Formado pela Universidade Federal de Minas Gerais em 1994, o desembargador Belizário de Lacerda, iniciou sua carreira na magistratura na comarca de Ferros, depois de ter sido aprovado em primeiro lugar no concurso de juiz. Chegou a Belo Horizonte em 1987, para assumir a 3ª Vara da Fazenda Pública e Autarquias e, em 2005 foi promovido a desembargador.

O desembargador Caetano Levi iniciou na magistratura mineira na comarca de Rio Pardo de Minas, e em seguida em Januária e Teófilo Otoni, até chegar a Belo Horizonte em 1984. Foi promovido a desembargador em 2002.

O juiz José Aluísio Neves da Silva, que também é da ativa, está há mais de quatro décadas na magistratura. Começou em 1979 como juiz. Em 1998 passou a ocupar o cargo de titular da Vara Criminal, Infância e Juventude na Comarca de Conselheiro Lafaiete.

O desembargador Saldanha da Fonseca iniciou sua carreira na magistratura em 1980 na comarca de Jaboticatubas, depois foi para Pium-í, Campo Belo, e chegou à capital em 1989, quando assumiu a 19ª Vara Cível de Belo Horizonte.

Atuou como juiz da Corregedoria Geral de Justiça de 1999 até setembro de 2001, quando foi promovido ao Tribunal de Alçada de Minas Gerais. Quatro anos depois foi promovido a desembargador. Com informações da assessoria de comunicação do TJ-MG.




Topo da página

Revista Consultor Jurídico, 25 de junho de 2021, 12h54

Comentários de leitores

0 comentários

Comentários encerrados em 03/07/2021.
A seção de comentários de cada texto é encerrada 7 dias após a data da sua publicação.