Consultor Jurídico

Emparedando Ministros

"Todo mundo quer pegar" Toffoli e Gilmar, diz Deltan em conversa

Procuradores do Ministério Público Federal no Paraná buscaram atacar os ministros Gilmar Mendes e Dias Toffoli, do Supremo Tribunal Federal, e enfraquecer Ribeiro Dantas, do Superior Tribunal de Justiça, para retirá-lo da relatoria da "lava jato". 

"Todo mundo quer pegar" Toffoli e Gilmar, disse Dallagnol
José Cruz/Agência Brasil

É o que indica a defesa do ex-presidente Lula nos novos diálogos enviados ao STF. As mensagens entre procuradores foram apreendidas no curso da chamada "operação spoofing". A ConJur manteve eventuais erros de digitação e ortografia presentes nas mensagens. 

"Toffoli e Gilmar todo mundo quer pegar. Mas é difícil fazer algo", afirmou Deltan Dallagnol, então coordenador da "lava jato", em 13 de julho de 2016. O ministro Alexandre de Moraes também era alvo do MPF. 

"Acho que podemos alimentar os movimentos para direcionarem atenção para Alexandre de Moraes. Se pegar sem a nossa cara, melhor, pq fico penando [pensando] em possível efeito contrário em nós querermos colcoar [colocar] o STF contra a parede. Até postei hj sobre o Alexandre de Moraes, e se quiser postar o que quiser manda ver, mas acho que a estratégia de usarmos os movimentos será melhor, se funcionar", prossegue o procurador.

Segundo indica Dallagnol na própria conversa, os "movimentos" parceiros do MPF eram jornais. "Aquela informação do Andrey eu passei pro Antagonista, anonimizada", diz. 

Para a defesa de Lula, a "'lava jato de Curitiba' engendrou iniciativas contra ministros dos tribunais superiores para colocar o STJ e o STF 'contra a parede'. Os procuradores da 'lava jato' atuavam, deliberadamente, para constranger magistrados — inclusive por meio de vazamentos planejados de delações premiadas que eles próprios sabiam que não tinham materialidade", dizem os advogados do petista. 

A defesa de Lula é feita por Cristiano Zanin, Valeska Martins, Maria de Lourdes Lopes e Eliakin Tatsuo

Delações
Outro trecho destaca um diálogo mantido em 28 de novembro de 2016 pelo procurador Deltan Dallagnol e o ex-procurador da República Carlos Fernando dos Santos Lima.

Segundo os advogados do ex-presidente, os dois planejaram o vazamento de um trecho da delação premiada do ex-senador Delcídio do Amaral, mesmo que os membros da "lava jato" achassem o conteúdo vazio. 

"Na mesma linha, os procuradores planejaram focar em algumas delações premiadas com o objetivo de atingir indevidamente ministros desse Supremo Tribunal Federal", apontam os advogados.

"O caráter ilegítimo e reprovável dessa atuação advém não apenas da cristalina vedação do texto constitucional para que os procuradores da República promovam qualquer ato de persecução penal contra ministros dos tribunais superiores, mas, ainda, da intenção deliberada e reconhecida de usar de meios espúrios para constranger e tentar impedir que tais autoridades pudessem efetivamente rever as decisões tomadas pelo ex-juiz Sergio Moro", conclui a defesa de Lula. 

Rcl 43.007




Topo da página

Revista Consultor Jurídico, 17 de fevereiro de 2021, 13h38

Comentários de leitores

6 comentários

Ilegalidades sem fim!

Artur lei é p todos (Advogado Autônomo - Administrativa)

Cada vez que vejo essas mensagens de procuradores e juiz (cuja autenticidade foi confirmada, ainda que indiretamente, por procuradores e pelo próprio juiz), fico perplexo.
A cumplicidade entre eles era não apenas ilegal, mas sobretudo, imoral. Seus atos, oficiais e oficiosos, não visavam combater a corrupção, haja vista, que buscavam sempre a espetacularização da grande mídia, seja pra humilhar e intimidar réus, ou para constranger e ameaçar autoridades judiciárias, do STJ e até do STF.
Por enquanto, a repercussão das autoridades e da grande mídia, guardam um estrondoso silêncio.
Até quando?

Discordo

Afonso de Souza (Outros)

Pois eu fico perplexo com as pessoas que se apegam a qualquer coisa para tentar abafar a Lava Jato e, assim, salvar os grandes corruptos que ela - inédito no Brasil! - alcançou!

A ilegalidade está em hackear as comunicações entre as pessoas. Um amontoado de supostos diálogos não periciados, portanto não se pode saber se são autênticos ou se não foram editados e descontextualizados.

O que lula disse não se comenta

ielrednav (Outros)

O próprio Lula da Silva disse muitas vezes que todos do STf eram acovardados , não se cogita isso Porque querem tampar o sol com a peneira ofendeu o ex juiz e ex ministro Sergio Moro diversas vezes em uma delas o ex juiz avisou que poderia ser preso . O que existiu na verdade foi muito tempero nessa salada da justiça o Lula indicou Toffoli com a certeza de que poderia convencer o STF a dar liberdade pra ele isso não se fala fica oculto no tempo , tem que se avivar essas questões .O Luiz Inácio Lula da Silva teve culpa no cartório sim . Foi condenado por gastar dinheiro do povo fazendo um instituto que não serve pra nada nem para ajudar na Covid-19 só se cogita ideia dos defensores que estão sendo bem pagos para dar ênfase investigatório enquanto ele da risada do próprio STF. Enfim todos erraram e devem pagar por isso .hoje.

Outra interpretação

Afonso de Souza (Outros)

Os procuradores da Lava Jato atuariam, inclusive junto à opinião pública, para tentar evitar que o sistema corrupto, que se protege numa série de formalismos judiciais, conseguisse abafar a operação.
Aliás, parece ser essa a interpretação do ministro Barroso: "“Não é esse o ponto, alguém ter dito uma frase inconveniente ou não. É que estão usando esse fundamento pra tentar destruir tudo que foi feito, como se não tivesse havido corrupção".

A Lava Jato é um divisor de águas no combate à corrupção no Brasil. Viva a Lava Jato!

Ver todos comentários

Comentários encerrados em 25/02/2021.
A seção de comentários de cada texto é encerrada 7 dias após a data da sua publicação.