Consultor Jurídico

Ao vivo

Editora Mackenzie lança livros sobre reinclusão social no sistema prisional

Nesta terça-feira (13/4), às 17h, serão lançados dois livros pela editora Mackenzie: Reinclusão social de residentes do sistema prisional brasileiro: uma proposta pedagógica de formação integral, das organizadoras Ana Lúcia Fontes de Souza Vasconcelos, Berenice Carpigiani e Patrícia Tuma Martins Bertolin; e Modelo de indicadores para programas de reinclusão social por meio da educação superior: residentes do sistema prisional brasileiro, organizado pelas professoras Ana Lúcia Fontes de Souza Vasconcelos, Patrícia Tuma Martins Bertolin e Bruna Angotti. O evento, que faz parte das comemorações do aniversário da Universidade Presbiteriana Mackenzie, será transmitido aqui pela plataforma Zoom,.

Reprodução
Livros serão lançados em evento ao vivo

As obras são resultado de projetos de extensão desenvolvidos conjuntamente por cursos da Universidade Presbiteriana Mackenzie (UPM), entre eles os de Ciências Contábeis, Psicologia e Direito. "A importância da iniciativa reside no seu caráter inovador e transparente, possibilitando que outras instituições repliquem a metodologia utilizada pela UPM em projetos similares. É necessário e urgente que a universidade sirva à sociedade", diz a professora Patrícia..

Reinclusão social de residentes do sistema prisional brasileiro: uma proposta pedagógica de formação integral
O livro se propõe a oferecer educação superior, em um ambiente de fé cristã reformada, às detentas em regime semiaberto ou egressas do sistema prisional do Estado de São Paulo. Trata-se de um projeto construído e desenvolvido coletivamente, em que se compartilharam, de forma transdisciplinar, os conteúdos científicos, articulados e integrados com as trajetórias daqueles que dele participaram, trazendo seu histórico para o cotidiano de pessoas vulneráveis, principalmente no aspecto psicológico emocional. O que se apresenta aqui é um processo de formação integral em sentido pleno, com um olhar para além do sistema de ensino-aprendizagem.

Esse processo visa a incentivar os cidadãos encarcerados a perseverar na luta pelas escolhas de oportunidades e aconselhar-lhes que conquistem novos valores e invistam na superação do que parece ter um "destino marcado", para que possam romper o ciclo.

Modelo de indicadores para programas de reinclusão social por meio da educação superior: residentes do sistema prisional brasileiro
Já esta obra apresenta a metodologia de avaliação do projeto-piloto — desenvolvido em parceria entre a Universidade Presbiteriana Mackenzie, a Secretaria de Administração Penitenciária (SAP) do Governo do Estado de São Paulo e a Fundação Prof. Dr. Manoel Pedro Pimentel (Funap) — de inclusão social de residentes do sistema carcerário no ensino superior.

Trata-se de um projeto inovador e de maior importância, tendo em vista o seu grande potencial transformador. Por meio de aulas em regime a distância, presas em regime semiaberto tiveram a possibilidade de cursar diferentes cursos que contribuíram para sua capacitação profissional e, principalmente, para a reinclusão social. Assim, o projeto garante a qualificação das participantes e amplia a possibilidade de empregabilidade delas.

Ana Lúcia Fontes de Souza Vasconcelos, também organizadora dos livros, comenta que "o conceito de (re)inclusão social, discutido aqui em forma de metodologia de educação integral transformadora com medição de indicadores de impacto social, tem uma relação direta com o resgate da cidadania, nas dimensões do sujeito de deveres e a busca pelos seus direitos".

Data: 13 de abril
Horário: 17h
Onde assistir a live: http://zoom.us/j/97577893064#success

Para obter informações sobre o Projeto "Responsabilidade Social: Proposta De Reinclusão Social De Residentes Do Sistema Prisional Brasileiro Por Meio Da Educação Superior" ou de como obter os dois livros, envie um e-mail ou entre em contato por telefone:
ccsa.projetofunap@mackenzie.br
(11) 2114-8934




Topo da página

Revista Consultor Jurídico, 13 de abril de 2021, 9h26

Comentários de leitores

1 comentário

Universidade mackenzie

O ESCUDEIRO JURÍDICO (Cartorário)

Surpreendentemente a Editora da Universidade Mackenize não joga no mercado livros sobre o Neoliberalismo, diante de sua atitude, "levemente" reacionária.
Em 1968 conflito entre estudantes da USP e do Mack.
"De um lado estavam os alunos da USP, que lutavam por uma reforma universitária e pela criação de uma assembleia paritária, formada por estudantes, funcionários e professores, como órgão máximo e soberano da instituição, para traçar suas diretrizes.
Do outro, universitários do Mackenzie alinhados à extrema direita, alguns militantes do chamado CCC (Comando de Caça aos Comunistas). O estopim foi aceso quando os uspianos resolveram montar pedágios na rua com o objetivo de angariar recursos para o congresso da UNE (União Nacional dos Estudantes), que aconteceria naquele mês.
Por volta das 10h do dia 2 de outubro, um grupo que pedia pedágio foi atacado por uma “chuva de pedras”, conforme depoimentos depois prestados por alguns desses participantes. Houve reação e os ânimos se acirraram.
Segundo relatos, o armamento inicialmente usado, de paus e pedras, foi acrescido por parte dos mackenzistas de panos embebidos em ácido, que teriam causado queimaduras em alguns alunos da USP. Ao fim do dia, o prédio da Faculdade de Filosofia tinha Ao fim do dia, o prédio da Faculdade de Filosofia tinha vidros quebrados por todos os lados ("https://www1.folha.uol.com.br/ilustrissima/2018/09/com-usp-a-esquerda-e-mackenzie-a-direita-batalha-da-maria-antonia-faz-50-anos.shtml?origin=folha).

Comentários encerrados em 21/04/2021.
A seção de comentários de cada texto é encerrada 7 dias após a data da sua publicação.