Consultor Jurídico

participação de Fux

Amaerj premiará defensores dos direitos humanos nesta segunda

Na próxima segunda-feira (9/10), serão anunciados os vencedores do 9º Prêmio Amaerj Patrícia Acioli de Direitos Humanos. A cerimônia de premiação terá a participação do ministro Luiz Fux, presidente do Supremo Tribunal Federal (STF) e do Conselho Nacional de Justiça (CNJ).

Divulgação

O prêmio, organizado pela Associação dos Magistrados do Estado do Rio de Janeiro (Amaerj), busca identificar, disseminar, estimular e homenagear as ações em defesa dos direitos humanos e dar visibilidade a práticas e trabalhos na área.

Devido à crise da Covid-19, a premiação será transmitida on-line pelo canal da Amaerj no YouTube, a partir das 18h. "Desta vez optamos pela cerimônia não presencial, como forma de proteção à saúde de todos os envolvidos. Será uma solenidade diferente, mas com o mesmo esmero na organização e a mesma emoção. Vamos manter o modelo de sucesso nestes anos todos. Os vencedores só serão conhecidos na hora", afirmou o presidente da Amaerj, Felipe Gonçalves.

Funcionamento
A premiação conta com quatro categorias: Trabalhos dos Magistrados, Trabalhos Acadêmicos, Práticas Humanísticas e Reportagens Jornalísticas. Os vencedores de cada uma recebem R$ 15 mil e um troféu. Os segundos colocados recebem R$ 10 mil, e os terceiros R$ 5 mil. Na categoria Trabalhos dos Magistrados, os três primeiros colocados receberão troféus. Os finalistas foram definidos no último mês.

Além disso, haverá também a entrega do Troféu Hors Concours para a cientista brasileira Jaqueline Goes de Jesus, coordenadora da equipe da Universidade de São Paulo (USP) responsável pelo sequenciamento genético da Covid-19. Ela foi escolhida pelos magistrados da Amaerj por meio de votação on-line, que tinha o intuito de premiar uma personalidade de destaque no combate à Covid-19.

O Prêmio Amaerj Patrícia Acioli de Direitos Humanos foi criado em 2012 para celebrar a memória da juíza Patrícia Acioli, titular da 4ª Vara Criminal de São Gonçalo (RJ), morta em 2011, em Niterói, por policiais militares. Desde então, já gratificou 77 defensores da dignidade humana.

A premiação tem o apoio do Tribunal de Justiça do Rio de Janeiro (TJ-RJ), da Escola da Magistratura do Estado do Rio de Janeiro (Emerj) e da Assembleia Legislativa do Estado do Rio de Janeiro (Alerj). Conta com o patrocínio da Associação dos Notários e Registradores do Brasil-RJ (Anoreg), da Federação das Indústrias do Estado do Rio de Janeiro (Firjan), da empresa de shoppings Multiplan, do Grupo Carrefour, do banco Bradesco e da instituição de investimentos Harpia Funding.




Topo da página

Revista Consultor Jurídico, 5 de novembro de 2020, 8h36

Comentários de leitores

0 comentários

Comentários encerrados em 13/11/2020.
A seção de comentários de cada texto é encerrada 7 dias após a data da sua publicação.