Consultor Jurídico

Defesa da Democracia

Não devemos ter nenhuma saudade do regime militar, diz Gilmar Mendes

O ministro do Supremo Tribunal Federal Gilmar Mendes classificou o período de ditadura militar no Brasil como "lamentável" e disse que "não devemos ter nenhuma saudade do regime militar". "Não há saída fora da democracia. As reformas têm que ser feitas dentro desse ambiente", completou.

As declarações foram dadas em entrevista ao jornal Correio Braziliense. Gilmar Mendes defendeu a democracia e a Constituição de 88, apesar de reconhecer que a Carta precisa ser aperfeiçoada. Ele também defendeu a atuação do STF e disse que a Corte tem discutido temas relevantes para o país. O ministro evitou entrar em temas polêmicos relacionados ao presidente Jair Bolsonaro, como a convocação de protestos contrários ao Congresso e ao STF.

Porém, fez duras críticas ao motim de policiais no Ceará, o que é proibido pela Constituição. "A politização das polícias é um problema, e temos que olhar para isso. O Supremo já se manifestou mais de uma vez sobre a proibição das greves. Como também não se pode aceitar qualquer politização das Forças Armadas. As Forças Armadas são instituições do Estado, não podem estar a serviço de partido político", afirmou.

O ministro afirmou que o Brasil não pode mais perder oportunidades e defendeu a conciliação entre os Poderes. "Também não podemos acender o isqueiro ou fósforo para saber se tem gasolina no tanque, porque a gente já sabe a resposta. Então, acho que, se alguém apostar em disrupção, ruptura, certamente haverá resistência das instituições. Obviamente, temos um compromisso com a democracia", disse.

Para Gilmar Mendes, há uma espécie de "parlamentarização do impeachment" no país, isto é, quando o presidente perde apoio no Congresso, passa a ser suscetível a um processo de impeachment. "De exceção, tornou-se quase uma regra", disse o ministro, que completou: "O impeachment, nós sabemos, é uma bomba atômica em termos institucionais. No presidencialismo, existe para não ser usado".

Sobre a intenção de Bolsonaro de indicar um ministro "terrivelmente evangélico" para a cadeira de Celso de Mello, que se aposenta em novembro deste ano, Gilmar foi claro: "O importante é que seja um terrível constitucionalista".

Topo da página

Revista Consultor Jurídico, 1 de março de 2020, 16h22

Comentários de leitores

3 comentários

Para alguns, o melhor sistema é o corrupto pós 1985

Borkowski, Marcos (Administrador)

Para alguns, o melhor sistema é o provadamente corrupto pós 1985, exaustivamente provado aliás, nunca visto igual no mundo. Para estes ditadores comunistas genocidas como Maduro são verdadeiros ídolos, enquanto os militares que atuaram para salvar o país das guerrilhas comunistas é que foram ruins. Estes mereciam mesmo viver sobre a dominação de uma ditadura comunista, uma vez que lhes aprazem tanto. Particularmente, agradeço aos militares por lutarem por mim e pelos meus, caso não o tivessem feito, dificilmente estaria expressando minha opinião em parte, ainda livre, e isso graças aos militares, não a ministros que os brasileiros em sua imensa maioria odeiam e tanto clamam pela retirada.

Infelizmente temos...

Anselmo Souza (Auditor Fiscal)

Também penso que não devemos ter saudade do regime militar, mas, infelizmente, temos... Por que será?

Impensável

Servidor estadual (Delegado de Polícia Estadual)

Não me concerne que alguém acredite que a volta de um regime militar seria a solução para os problemas do país. O pior que essas são as pessoas que votam em políticos tradicionais, impedem a renovação e mantém o atual sistema de corrupção. Precisamos renovar, mas através do voto. O Ministro acerta ao rebater os anseios tresloucados de uma minoria que defende a violência como solução, mas ele, perdeu a grande chance de se alinhar aos ventos renovadores, se aliou a antiga política, direito dele, mas como ministrou jogou água fria nas esperanças brasileiras e fez arrefecer as esperanças de um país melhor.

Comentários encerrados em 09/03/2020.
A seção de comentários de cada texto é encerrada 7 dias após a data da sua publicação.