Consultor Jurídico

Recuperação Judicial

Bancos acusam Oi de tentar manipular assembleia; empresa nega

Na mesma semana em que propostas de possíveis compradores da operação móvel da Oi animaram investidores da operadora, novas acusações feitas pelos credores da companhia embolam ainda mais a briga na Justiça.

Reprodução

Segundo publica o Monitor do Mercado, a tele, que está em recuperação judicial, é acusada por dois dos seus maiores credores, Itaú e Banco do Brasil, de tentar manipular a assembleia geral de credores para aprovar o aditamento ao plano de recuperação proposto pela operadora.

A Oi nega qualquer manobra. Afirma que as regras para votar as mudanças já foram aprovadas, junto com o plano de recuperação original. E diz que os bancos estão tentando mudar a regra do jogo durante a tentativa de acordo de um plano de recuperação.

A estratégia utilizada pela tele, acusam BB e Itaú, é listar acionistas da empresa como se fossem credores (bondholders) com direito a voto na assembleia.

Os bancos acusam a Oi de usar a pandemia de Covid-19 como um pretexto para aprovar um novo plano de recuperação, totalmente diferente do que foi aprovado em assembleia, penalizando alguns credores.

A tele, por outro lado, diz que os bancos pretendem mesmo é rediscutir os termos do plano que eles já haviam aprovado.

Topo da página

Revista Consultor Jurídico, 31 de julho de 2020, 15h30

Comentários de leitores

1 comentário

Mega leilão

Patricia Ribeiro Imóveis (Corretor de Imóveis)

Instaurou-se mega leilão a envolver ativos da OI. De um lado, o consórcio formado por VIVO, TIM e CLARO oferecendo 16,5 bi de reais; de outro, uma empresa americana, Highline, buscando cobrir a proposta das brasileiras.
Nesse cenário, o que parece é que a razão está com a OI; Itaú e BB, que haviam aprovado o aditamento, parecem ter se arrependido, diante do novo cenário de disputa pelos ativos da OI. Cabe litigância de má-fé aos bancos... e o valor da multa, por mais módico que possa ser em percentual, será alto...

Comentários encerrados em 08/08/2020.
A seção de comentários de cada texto é encerrada 7 dias após a data da sua publicação.