Consultor Jurídico

Queda de 27%

Projeto Juízo de Admissibilidade impulsiona redução do acervo processual do STF

O projeto estratégico "Juízo de Admissibilidade # 100% AREs", implantado pelo presidente do Supremo Tribunal Federal, ministro Dias Toffoli, no início de sua gestão, resultou, ao lado de outras medidas, com a redução de 27% do acervo total da Corte em relação a 2018, o menor em 24 anos.

STFProjeto Juízo de Admissibilidade impulsiona redução do acervo processual do STF

A iniciativa é fruto de força-tarefa da Secretaria-Geral da Presidência com a Secretaria Judiciária (SEJ), que tem por objetivo diminuir o volume de processos distribuídos aos gabinetes dos ministros e evitar recursos manifestamente inadmissíveis, conforme previsão do Regimento Interno do STF. Assim, os magistrados podem concentrar esforços na apreciação de casos complexos e de maior relevância, preservando a vocação constitucional da Corte.

Segundo o levantamento apresentado nesta segunda-feira (17/8) pela secretária-geral da Presidência, Daiane Lira, em setembro de 2018, os recursos correspondiam a 62% de todos os processos recebidos no STF. Ao serem analisados, 99,47% tiveram seguimento negado. "Portanto, trabalhávamos para simplesmente confirmar a decisão do tribunal de origem. Assim, surgiu o projeto", explicou.

O trâmite foi objeto de alteração regimental em julho deste ano. Atualmente, 99,13% dos agravos já estão registrados na Presidência. O restante (0,87%) se enquadra nas exceções previstas no Regimento Interno: ações oriundas do Tribunal Superior Eleitoral e matérias criminais em que haja prevenção, que são encaminhadas à distribuição dos gabinetes.

Em razão dos bons resultados com os AREs, o modelo passou a abarcar também os recursos extraordinários. Neste mês, somadas as duas classes recursais, 76,55% passaram pela Presidência, enquanto 23,45% foram distribuídas aos demais ministros. Segundo a secretária-geral, há uma “inversão histórica de recebimento de recursos ano a ano”. Atualmente, a taxa de provimento dos AREs está em 1,19%.

Interlocução
Além das adequações internas, o STF aperfeiçoou o diálogo com tribunais de todo o País para reduzir a entrada de processos que deveriam ter findado na origem. "São casos que poderiam ter sido decididos por meio da aplicabilidade da repercussão geral", disse a secretária-geral. As visitas institucionais do ministro Dias Toffoli e sua equipe, iniciadas antes da pandemia, tiveram continuidade por meio de videoconferências, assim como os treinamentos das equipes, com capacitação baseada nas premissas estabelecidas pelo STF.

Inovação tecnológica
A agilidade da apreciação dos processos se deve também à implementação de mecanismos tecnológicos. Raulino Palha de Miranda, assessor da presidência, apresentou brevemente o caminho percorrido pelas equipes que se debruçam na análise dos recursos. O trabalho é guiado por questionários inseridos na plataforma STF Digital, que culminam no retorno à origem ou na distribuição aos gabinetes.

Análise recursal
No âmbito da Secretaria Judiciária, a criação da Coordenadoria de Análise Recursal, em março deste ano, solidificou o projeto. Ali, três processos de trabalho analisam os recursos em busca de óbices que impliquem o retorno à origem. Em seguida, são encaminhados aos núcleos da Presidência (Nare e Nurg). Para se ter uma ideia do volume do acervo, no mês passado, apenas um dos três processos de trabalho, o de Análise de pressupostos objetivos (APROB), analisou 4.156 recursos. Com informações da assessoria de imprensa do STF.

Topo da página

Revista Consultor Jurídico, 18 de agosto de 2020, 17h15

Comentários de leitores

0 comentários

Comentários encerrados em 26/08/2020.
A seção de comentários de cada texto é encerrada 7 dias após a data da sua publicação.