Consultor Jurídico

dias de tristeza

Toffoli decreta luto oficial no STF pelos cem mil mortos pela Covid-19 no país

O presidente do Supremo Tribunal Federal, ministro Dias Toffoli, decretou neste sábado (8/8) luto oficial por três dias por causa da marca de cem mil mortos no Brasil em decorrência da pandemia da Covid-19. Nesse período, a bandeira nacional da sede da corte será hasteada a meio-mastro.

O presidente do STF prestou solidariedade às famílias das vítimas da Covid-19
G.Dettmar/Agência CNJ

Segundo o presidente do STF, o país vive uma tragédia jamais vista em sua história e precisa de solidariedade e espírito fraternal para superar essa situação muito complicada.

"São cem mil pessoas que tinham um nome, uma profissão, projetos e sonhos. Cem mil vidas que certamente deixaram sua marca no mundo e na vida de outras pessoas. São filhas e filhos que não mais estarão com seus pais no dia especial de amanhã. São pais que não terão o que festejar neste domingo", afirmou Dias Toffoli em uma nota oficial.

O luto oficial no STF terminará na segunda-feira (10/8). No dia seguinte, não haverá expediente na corte por causa do feriado da Justiça em comemoração à criação dos cursos de Direito no Brasil.

Leia a íntegra da nota assinada pelo presidente do STF:

"Na data de hoje, o Brasil chora pelas cem mil mortes em razão da Covid-19. Somos uma nação enlutada, que sofre pela perda de familiares, amigos e pessoas do nosso convívio social.

Jamais vivemos uma tragédia dessa dimensão em nosso país. São cem mil pessoas que tinham um nome, uma profissão, projetos e sonhos. cem mil vidas que certamente deixaram sua marca no mundo e na vida de outras pessoas. São filhas e filhos que não mais estarão com seus pais no dia especial de amanhã. São pais que não terão o que festejar neste domingo.

Em nome do Poder Judiciário e do Supremo Tribunal Federal, manifesto nossos sentimentos de profunda tristeza e solidariedade aos familiares e aos amigos de cada uma das cem mil vítimas. Em solidariedade à dor de inúmeros brasileiros e em homenagem a cada uma das cem mil vítimas, o Supremo Tribunal Federal decreta luto oficial de três dias.

A maior pandemia da humanidade tem assolado a vida dos brasileiros. Passamos a conviver com a incerteza quanto ao futuro, a temer por nossa própria vida e saúde e pelas daqueles que amamos. Os reflexos e as dores oriundas da pandemia são inúmeros e imensuráveis. Mas a maior de todas as dores é, sem dúvida, a perda de alguém que amamos. Isso é algo que jamais pode ser restituído ou compensado.  

Nesses tempos de tantos temores e perdas, humanas e materiais, somos instados a exercer a solidariedade e o espírito fraternal; a olharmos uns aos outros como irmãos, como companheiros de jornada. Cada um de nós tem 'apenas duas mãos, e o sentimento do mundo', para usar a expressão de Carlos Drummond de Andrade. Que esse 'sentimento do mundo' continue nos mobilizando a apoiar uns aos outros como irmãos e a lutar por dias melhores. Que a esperança, o espírito de fé e a Ciência sejam nossos guias para que possamos encontrar meios de superação.

O Poder Judiciário Nacional e o Supremo Tribunal Federal seguirão a postos para servir os brasileiros em suas demandas por justiça, ainda mais essencial nesse momento de fragilidade social. Seguiremos incansáveis na proteção dos mais vulneráveis e desassistidos e em assegurar os direitos fundamentais do cidadão, promovendo a justiça e a paz social".

Clique aqui para ler a decisão de Dias Toffoli.

Topo da página

Revista Consultor Jurídico, 8 de agosto de 2020, 15h51

Comentários de leitores

1 comentário

“Patere quam ipse fecisti legem”

VASCO VASCONCELOS -ANALISTA,ESCRITOR E JURISTA (Administrador)

Por Vasco Vasconcelos,escritor, jurista e abolicionista contemporâneo. Lembro a todos que foi a decisão do Egrégio STF, que determinou aos Estados e Municípios brasileiros administrar a pandemia da COVID- 19, ficando a União responsável apenas por repassar os recursos financeiros para atender a assistência e o tratamento dessa pandemia. O que se viu foi uma roubalheira geral dos recursos da União, com aquisição de equipamentos de EPI superfaturados.(A CRISE DA ABSTINÊNCIA) Isso levou a PF entrar em cena para dar um basta na malversação dos recursos do erário. Não obstante, políticos inescrupulosos, mais preocupados com as próximas eleições, do que com a COVID-19, subindo em caixões e/ou fazendo o marketing das sepulturas, ao invés de dedicar realmente em salvar vidas, ou pelo menos debelar a pandemia. Talvez se tivesse cancelado o carnaval, a situação no Brasil seria outra. Foi infeliz a decisão do Egrégio STF, que de forma equivocada , ter restringido as prerrogativas do Presidente da República, os poderes do executivo, em face do advento da pandemia da COVID-19, enfim que retirou de forma acintosa ,quase todo o poder do nosso Presidente Bolsonaro, e repassando para os governadores e prefeitos. Isso ficou patente a interferência dos Poderes. Então nobres articulista, se alguém não teve o tratamento humanizado, e/ou viu seus parentes partindo para outra esfera, em face a omissão/imperícia, tudo isso, é de responsabilidade dos respectivos dos governadores e prefeitos, excluindo assim
Sua Excia. o Presidente da República Jair ,eleito democraticamente com quase 58 milhões de votos.Isso é democracia respeitar o sufrágio das urnas e a independência dos poderes e as prerrogativas constitucionais do comandante das Forças Armadas.

Comentários encerrados em 16/08/2020.
A seção de comentários de cada texto é encerrada 7 dias após a data da sua publicação.