Consultor Jurídico

Notícias

Feitiço contra o feiticeiro

PL apoiado por Moro o impede de ocupar vaga de ministro do Supremo

Se aprovado, o pacote "anticrime" apresentado pelo Ministério da Justiça, e defendido pelo chefe da pasta, Sergio Moro, impedirá um desejo manifestado pelo presidente Jair Bolsonaro neste domingo (12/5): indicar o ex-juiz para a próxima vaga no Supremo Tribunal Federal. 

A 29ª medida do projeto de lei, como lembrou o jornalista Bernado Mello Franco em sua coluna no jornal O Globo, proíbe a indicação ao STF de quem tenha, nos quatro anos anteriores, "ocupado mandato eletivo federal ou cargo de procurador-geral da República, advogado-geral da União ou ministro de Estado".

A próxima vaga no Supremo deve abrir com a aposentadoria do decano da corte, ministro Celso de Mello, em novembro de 2020.

Revista Consultor Jurídico, 13 de maio de 2019, 11h15

Comentários de leitores

7 comentários

Nota da Redação - comentário ofensivo Comentário editado

Advogado José Walterler (Advogado Autônomo - Administrativa)

Comentário ofensivo removido por violar a política do site.

Cinismo e hipocrisia

Adir Campos (Advogado Autônomo - Administrativa)

Aqueles que defendem Moro mesmo diante dessa flagrante incoerência, ou se calam, são os mesmos que também silenciaram suas panelas contra as bandalheiras de Cunha, Aécio, Temer e, agora, Bolsonaro, este, também em flagrante incoerência comprando deputados com emendas orçamentárias de R$ 1 bilhão, entre outras práticas que condenava antes de ser eleito.
O nome dessa moral seletiva é muito conhecida: cinismo e hipocrisia. Só bocós não se deram conta de quem são esses falsos moralistas, e por que, realmente, apoiaram o golpe parlamentar de 31/8/16, e por que elegeram o ultraliberalismo da dupla Bolsonaro/Paulo Guedes.

É inacreditável...

Eneida Schiavon (Advogado Assalariado - Civil)

... como ainda há gente que defende ladrão e odeia quem prende ladrão

Ver todos comentários

Comentários encerrados em 21/05/2019.
A seção de comentários de cada texto é encerrada 7 dias após a data da sua publicação.