Consultor Jurídico

Medida excepcional

TJ-SP anula interdição de idoso determinada sem perícia judicial

A curatela e a interdição são medidas protetivas extraordinárias, que só devem ser determinadas quando houver extrema necessidade. Com esse entendimento, a 5ª Câmara de Direito Privado do Tribunal de Justiça de São Paulo anulou sentença que determinava a interdição de um idoso sem submetê-lo a perícia judicial ou interrogatório.

Curatela e interdição de idoso são medidas protetivas extraordinárias, que só devem ser determinadas quando houver extrema necessidade
Dollar Photo Club

De acordo com o processo, o pedido de interdição foi ajuizado pela irmã do idoso, diagnosticado com alzheimer. No processo de interdição, o homem não passou por interrogatório do juiz ou perícia do Instituto de Medicina Social e de Criminologia de São Paulo (Imesc).

Para os desembargadores, processos dessa natureza dependem de dilação probatória, "sendo, então, de rigor, a concessão de oportunidade ao interditando para comprovar que possui condições de gerir a sua vida e administrar seus bens”.

Ao anular a sentença, os magistrados afirmaram que é "de suma importância o contato pessoal com o magistrado, através do interrogatório", o que não houve no caso.

A Defensora Pública atuou no caso em curadoria especial e apontou que a falta de interrogatório ou de perícia do Imesc configura nulidade processual, que viola o Estatuto da Pessoa com Deficiência. Com informações da Assessoria de Imprensa da Defensoria Pública de SP. 

Topo da página

Revista Consultor Jurídico, 15 de julho de 2019, 9h09

Comentários de leitores

2 comentários

Teoria e realidade

Fernando Henrique Pinto (Juiz Estadual de 1ª. Instância)

Realmente não há como se dispensar a entrevista e também a perícia em processo de interdição. Se na Capital de SP fica difícil entrevistar quando é impossível o interditando se deslocar, deve ser feita perícia pelo Imesc, que fica na mesma Capital. Se no interior é difícil achar peritos (principalmente na atualidade, em que a Secretária de Justiça não está pagando os honorários nos processos de justiça gratuita), o juiz deve entrevistar o interditando, se necessário indo a residência dele. Agora, havendo atestado médico, entrevistado o interditando, e constatada EVIDENTE incapacidade, a perícia virá uma burocracia inútil, que só encarece e atrasa o processo - senão atualmente inviabiliza se fim, dada a situação atual (e grave) de inadimplência Estatal dos honorários médicos.

interdição sem pericia

Daniel (Outros)

o Juiz não sabia que tinha que fazer perícia ??????

Comentários encerrados em 23/07/2019.
A seção de comentários de cada texto é encerrada 7 dias após a data da sua publicação.