Consultor Jurídico

Membro do governo

Publicada exoneração de Sergio Moro no Diário Oficial da União

A exoneração do juiz federal Sergio Moro foi publicada nesta segunda-feira (19/11), no Diário Oficial da União. Ele assumirá o chamado super Ministério da Justiça, que agregará a Segurança Pública e parte do Conselho de Controle de Atividades Financeiras. Também deve participar da equipe de transição do governo.

Sergio Moro irá assumir o Ministério da Justiça no governo Bolsonaro. Reprodução

O ato de número 428 é assinado pelo presidente do Tribunal Regional Federal da 4ª região, Carlos Eduardo Thompson Flores, informando que a exoneração ocorre a pedido do próprio Moro. Na sexta-feira (16/11) ele enviou ofício formalizando o pedido.

No pedido de exoneração, Moro argumentou que pretende “organizar a transição e as futuras ações do Ministério da Justiça”. “Houve quem reclamasse que eu, mesmo em férias, afastado da jurisdição e sem assumir cargo executivo, não poderia sequer participar do planejamento de ações do futuro governo.”

Em substituição a Moro no comando dos processos da operação "lava-jato" ficará temporariamente a juíza Gabriela Hardt. Como substituta, ela não pode assumir de forma definitiva a vaga de Moro.

Após a publicação do ato de exoneração, deve ser expedido o edital para concurso de remoção. A remoção é um concurso interno entre magistrados da Justiça Federal da 4ª Região para preenchimento de vagas. Com informações da Agência Brasil. 




Topo da página

Revista Consultor Jurídico, 19 de novembro de 2018, 11h20

Comentários de leitores

3 comentários

Privilégio de assistir a mudança

Resec (Advogado Autônomo)

Para quem é contrário, bom mesmo deve ter sido a época da gangue que comandou o país e conseguiu bater o record do maior rombo de todo o planeta...

A falta de eticidade.

wilhmann (Advogado Assalariado - Criminal)

Á modA petista Temer deu um golpe em Dilma, segundo o lulismo, defenestrando-a da presidência, agora moro, a sua vez, promove um golpe geral ( no judiciário, no povo paranaense, no Brasil) roubando a cenas ao se demitir da justiça, fato que estava, minimamente, em seu subconsciente ( a vontade de potência de Schopenhauer e Nietzche), e dos seus íntimos e chegados; e de outros como eu, já sabiam que seu desideratum era cair de para quedas no STF, como de fato ocorrerá no governo fascista de Bolsonaro. O Br investe em jogadores, aeronautas, como o primeiro brasileiro que foi ao espaço, e depois..? Depois eles jogam a toalha como verdadeiros mercenários que são, como aquele que foi ao espaço e tb se demitiu para palestrar.... esquecendo dos investimentos que neles se depositaram....É o Brasil...." Farinha pouca meu pilão primeiro"

Rápida e lenta

Marcos Alves Pintar (Advogado Autônomo - Previdenciária)

Situação bem singular, que mostra mais uma vez a dura realidade do Poder Judiciário, rápido quando lhe convém, extremamente lento quando lhe convém. Dentro de poucos dias eu completo 16 anos de advocacia e, conjuntamente, um dos primeiros processos que patrocino também completa esta idade, ainda muito longe de um desfecho. A exoneração do ex-juiz citado, pelo que consta, não gastou nem 16 horas para que fosse deferida após o pedido.

Comentários encerrados em 27/11/2018.
A seção de comentários de cada texto é encerrada 7 dias após a data da sua publicação.