Consultor Jurídico

Notícias

Você leu 1 de 5 notícias liberadas no mês.
Faça seu CADASTRO GRATUITO e tenha acesso ilimitado.

Falta de acessibilidade

Juiz nomeia defensor público porque advogado não podia subir escadas

Por 

Um advogado com deficiência foi substituído de última hora por um defensor público porque não conseguia subir as escadas para audiência no segundo andar de um prédio forense, na Vara de Penas e Medidas Alternativas de Vitória. O cliente — que cumpre pena em regime aberto — era representado pelo mesmo escritório desde o início do processo, em 2013.

Cristian Ricardo Ferreira Júnior tem artrite idiopática juvenil e, por isso, usa próteses no quadril. Ele afirmou à ConJur que chegou 30 minutos antes do horário marcado e, como o local não tem elevador, pediu a uma servidora que o juiz o atendesse e fizesse a audiência no térreo. A solicitação acabou rejeitada, com a troca de defensor, mesmo depois de o advogado alegar cerceamento de defesa.

O caso chegou à Corregedoria-Geral de Justiça do Espírito Santo, a pedido da seccional capixaba da Ordem dos Advogados do Brasil. Para a entidade, o episódio é um desrespeito às prerrogativas da classe, viola interesses do acusado — “que confia no advogado uma relação profissional personalíssima” — e mostra a falta de acessibilidade em local com grande circulação de pessoas.

Já o Tribunal de Justiça do Espírito Santo declarou por e-mail que o cliente de Ferreira Júnior foi “devidamente atendido”. Segundo a corte, o juízo da Vara de Penas e Medidas Alternativas já atendeu partes e advogados em andar inferior, mas nesse caso determinou a substituição porque se tratava de audiência coletiva e só foi avisado quando a sala já contava com a presença de 17 apenados, uma promotora e um defensor público.

O TJ-ES afirmou que o advogado “não teria apresentado a procuração necessária para atuar no processo”. Ferreira Júnior nega, afirmando que a servidora responsável nem sequer leu o documento. Depois do incidente, o tribunal anunciou que a Presidência começou a vistoriar várias unidades judiciárias da capital nesta terça-feira (6/3), para verificar a falta de acessibilidade e analisar o andamento de obras.

O advogado afirma que a falta de elevador é um de vários obstáculos para chegar ao prédio, localizado em área de ladeiras no centro antigo da capital do estado. Ele e o escritório onde trabalha pretendem agora cobrar do estado ressarcimento pelo dinheiro que o cliente deixou de pagar no ato judicial.

 é editor da revista Consultor Jurídico.

Revista Consultor Jurídico, 7 de março de 2018, 11h11

Comentários de leitores

5 comentários

Elite Branca

Francisco Lobo da Costa Ruiz - advocacia criminal (Advogado Autônomo - Criminal)

Se fosse advogado da Lava Jato a posição da OAB seria de forma contundente, mas como não é ...!

Prepotencia

magnaldo (Advogado Autônomo)

O advogado nomeado para o ato, não conhece o processo nem manteve prévio entendimento com o acusado sobre os fatos. A decisão judicial é causa de nulidade ou a defesa deve ser admitida como mera formalidade. Sugere situação de pré-julgamento.

Pois é, Eduardo Oliveira...

Marcel Joffily (Defensor Público Estadual)

Concordo que a Defensoria Pública poderia (e pode), nesse caso, ajuizar a ACP pertinente. E não falo da boca para a fora. Em uma das comarcas na qual atuei, a DPE, através de um grande colega, ajuizou ação justamente para que o Estado fosse compelido a instalar um elevador no fórum, pois as audiências só eram realizadas no primeiro andar e, inúmeras vezes, as partes sequer podiam subir para acompanhar tais atos...

http://www.saoraimundo.com/index.php/dpe-pi-e-vitoriosa-em-acao-para-garantir-acessibilidade-no-forum-de-sao-raimundo-nonato/

Já para o Marcos Alves Pintar, ilustre comentarista desse espaço, uma correção: não somos advogados remunerados pelo Estado. =)

Ver todos comentários

Comentários encerrados em 15/03/2018.
A seção de comentários de cada texto é encerrada 7 dias após a data da sua publicação.