Consultor Jurídico

Notícias

Você leu 1 de 5 notícias liberadas no mês.
Faça seu CADASTRO GRATUITO e tenha acesso ilimitado.

Nova direção

Toffoli é eleito presidente do Supremo para o biênio 2018-2020

Toffoli será o presidente do Supremo no biênio 2018-2020.
Nelson Jr./SCO/STF

O Plenário do Supremo Tribunal Federal elegeu, nesta quarta-feira (8/8), o ministro Dias Toffoli para presidente da corte. Ele toma posse em setembro e fica até 2020 no cargo. O ministro Luiz Fux será o vice.

Ambos foram eleitos por 10 votos a 1. Pela tradição, nenhum ministro vota em si mesmo.

Os presidentes do Supremo são escolhidos sempre por antiguidade: é sempre o mais antigo que nunca exerceu o cargo. E o vice, o segundo na lista. Seguida a tradição, portanto, em 2020 Fux será o presidente do STF, tendo a ministra Rosa Weber como vice.

Toffoli assumirá no lugar da ministra Cármen Lúcia, no cargo desde setembro de 2016. Ela agora vai para o lugar de Toffoli na 2ª Turma.

Revista Consultor Jurídico, 8 de agosto de 2018, 14h58

Comentários de leitores

9 comentários

JustoAdvocacia, não é só um "viés"

Rejane Guimarães Amarante (Advogado Autônomo - Criminal)

Desde 2016, foram paulatinamente sendo tomadas medidas pelo governo da Venezuela que claramente rompiam com os direitos humanos e as liberdades civis. Ainda no início dessa empreitada sórdida, muitos venezuelanos acreditavam nas vias democráticas, nas instituições. Como exemplo, pode ver o vídeo, disponível no youtube, sobre a mulher que se entregou a Maduro "democraticamente"
"Alerta aos brasileiros Mensagem de venezuelana antes de se entregar ao ditador Maduro" (publ. em 03MAR17)
https://www.youtube;com/watch?v=qDQaR_anf_Q
Em 05AGO17, foi promulgada uma lei, na calada da noite, que instituiu o comunismo radical, conforme pode ser verificado no seguinte vídeo
https://www.youtube.com/watch?v=eolK2_ff81A
"Comunismo instaurado na Venezuela um povo com direito de não ter direito (matéria completa)
Neste vídeo, que, na verdade, é um áudio de um programa de rádio da Venezuela, onde se traziam a público as novas determinações governamentais, dentre as quais
- expropriação da propriedade privada
- estatização de todas as escolas e meios de comunicação
-proibição do uso de internet e celulares. O uso de internet somente será permitido em hotéis e residências oficiais. O uso de celulares é restrito a pessoas autorizadas
- as pessoas ficam obrigadas a entregar seus passaportes
- os opositores do governo não terão documentos de identidade, a menos que façam cursos de "reabilitação cidadã" e sejam considerados satisfatórios pelo Estado
- os menores de 21 anos serão metade responsabilidade do Estado e metade responsabilidade dos pais
- a milícia popular irá abranger todas as áreas, inclusive as forças armadas, sendo que os 250 mil reservistas terão que voltar a trabalhar com a revolução. Todas as polícias estaduais terão que reportar-se a um só comando

Aberrações jurídicas a vista !

Silva Cidadão (Outros)

A soltura do Maluf pelo Toffoli, diga-se de passagem, incompetente para tal, pois a competência seria do ministro Fachin, relator do caso, aliada a soltura vergonhosa, por ele arquitetada, para soltar seu ex-chefe criminoso Zé Dirceu, e, MAIS, a origem obscura da mensalidade de R$ 100.000,00 (cem mil reais) que é repassada a ele pelo ESCRITÓRIO DE ADVOCACIA DE SUA ESPOSA, como noticiado, nos revelam que o Biênio que ficará sob seu comando no STF será marcado por DECISÕES TERATOLÓGICAS E MUITA INSEGURANÇA JURÍDICA, provocadas por sua escancarada relação de compadrio com condenados. O povo brasileiro não merece alguém como ele e os demais integrantes da TRÍADE DEMONÍACA DO STF.

Muita Calma

JustoAdvocacia (Advogado Autônomo - Previdenciária)

Caros comentaristas, muita calma nessa hora. O STF é composto por Ministros oriundos de várias classes sociais. taxar o ministro Toffoli é precipitado. Ou vocês preferem um que tenha viés político diferente. Essas opiniões refletem o ranço odioso que alguns juristas tem sobre o partido político que não lhes agradam.

Ver todos comentários

Comentários encerrados em 16/08/2018.
A seção de comentários de cada texto é encerrada 7 dias após a data da sua publicação.