Consultor Jurídico

Notícias

Você leu 1 de 5 notícias liberadas no mês.
Faça seu CADASTRO GRATUITO e tenha acesso ilimitado.

Solução caseira

União não paga por cirurgia nos EUA se procedimento existe no Brasil

A Justiça não pode determinar que o Estado custeie um tratamento médico em outro país sem a avaliação de uma equipe médica e se hospitais brasileiros podem cuidar do caso. Com este entendimento, o Tribunal Regional Federal da 5ª Região cassou decisão que havia determinado que o SUS gastasse R$ 10 milhões para um homem fazer transplante nos Estados Unidos.

O caso ocorreu em Recife, onde o paciente, após complicações de uma cirurgia de redução de estômago, acionou a Justiça pleiteando que o Sistema Único de Saúde fosse obrigado a custear a realização de um transplante em um hospital em Miami.

Decisão de primeira instância chegou a aceitar o pedido, condenando a União a arcar com todos os custos do tratamento, incluindo despesas com passagens, passaportes, vistos, alimentação e moradia para o paciente e sua família (esposa e filha) em Miami, totalizando cerca de R$ 10 milhões.

Mas a Procuradoria-Regional da União (PRU-5), unidade da Advocacia-Geral da União, recorreu ao Tribunal Regional da 5ª Região, defendendo a necessidade de perícia médica por uma equipe credenciada pelo Ministério da Saúde para analisar a viabilidade do transplante.

Cirurgia no Brasil
No recurso, a unidade da AGU também questionou a necessidade de o transplante ser feito nos EUA, uma vez que o Brasil possui três instituições de excelência autorizadas e aptas a realizar o mesmo procedimento.

De acordo com a AGU, a decisão judicial “acarreta grave lesão aos cofres públicos, bem como à ordem administrativa, posto que obriga o Sistema Único de Saúde (SUS) a deixar de promover políticas públicas de saúde extremamente relevantes à população brasileira”.

No recurso, a AGU reconheceu que a saúde é um direito social garantido pela Constituição Federal, de acesso universal e igualitário, mas que exige do Judiciário “um juízo de proporcionalidade e ponderação”.

“O princípio da integralidade do sistema público de saúde não importa em concessão irrestrita de todo e qualquer tratamento médico, uma vez que é impossível ao Estado prover toda e qualquer demanda apresentada pelos particulares”, defendeu.

Ao acolher os argumentos da AGU e cassar a liminar, o TRF5 destacou a ausência de prévia avaliação do paciente por uma equipe médica especializada em transplante para verificar as condições de saúde e também as possibilidades de rejeição ao tratamento.

“Não se desconhece, aqui, a condição gravíssima do autor, mas é necessária uma prévia avaliação por equipe médica especialista em transplante no Brasil, diante das sérias consequências de uma cirurgia desse porte, que guarda alto índice de mortalidade”, entendeu o TRF-5. Com informações da Assessoria de Imprensa do TRF-5.

Agravo de Instrumento 0808080-45.2017.4.05.0000 – TRF5

Revista Consultor Jurídico, 17 de setembro de 2017, 8h38

Comentários de leitores

1 comentário

Juízes?

FAB OLIVER (Consultor)

Primeiro, um faz censura em nome de Deus; agora o outro quer retirar 10 milhões dos cofres públicos para que uma pessoa faça sua despedida da vida ou uma aventura nos EUA, MIAMI. Nesses 10 milhões tá incluso ingressos à Disney?

Onde vamos parar. Esse Judiciário tem um custo de 60 bilhões/ano pra isso? Sinceramente, na única coisa que esses juízes são bons é isso, sair dilapidando o dinheiro do trabalhador. Quer nos onerando com R$ 60 BILHÕES POR ANO; quer colocando o Estado para bancar a inutilidade dos improdutivos (creche para quem colocou filho no mundo e acha que o problema é do Estado; tratamentos caríssimos que mais sucateia a saúde pública do que a eleva - aliás, 70% dos trabalhadores tem planos de saúde). Enfim, o judiciário não serve para quase nada.

Comentários encerrados em 25/09/2017.
A seção de comentários de cada texto é encerrada 7 dias após a data da sua publicação.