Consultor Jurídico

Notícias

Você leu 1 de 5 notícias liberadas no mês.
Faça seu CADASTRO GRATUITO e tenha acesso ilimitado.

Áudios de Machado

Fachin arquiva inquérito contra Renan, Jucá e Sarney

A investigação contra os senadores Romero Jucá (RR) e Renan Calheiros (AL) e o ex-presidente José Sarney, todos do PMDB, foi arquivada pelo ministro Edson Fachin, do Supremo Tribunal Federal. Os três foram acusados de tentar atrapalhar apurações da operação “lava jato”.

Ex-presidente José Sarney (foto) e os senadores Romero Jucá e Renan Calheiros eram acusados de tentar atrapalhar as investigações da operação "lava jato".
Fabio Rodrigues Pozzebom/Agência Brasil

A investigação foi motivada por gravações entregues por Sergio Machado, ex-presidente da Transpetro, subsidiária da Petrobras.

O arquivamento havia sido pedido em setembro pelo então procurador-geral da República, Rodrigo Janot, após solicitação da Polícia Federal, que alegou insuficiência de provas.

A PF disse ainda que as conversas gravadas entre os três políticos e Machado não configuraram crime. Nos áudios, o executivo, que fez um acordo de delação premiada com o Ministério Público Federal, discute a “lava jato” com os políticos. Em uma das conversas, Romero Jucá cita um suposto “acordo nacional” para “estancar a sangria”.

As gravações foram divulgadas no ano passado, após o fim do sigilo do conteúdo gravado pelo ex-diretor da Petrobras. Ao conceder o arquivamento, no entanto, Fachin destacou a "gravidade dos fatos", ressalvando que "o arquivamento deferido com fundamento na ausência de provas suficientes de prática delitiva não impede a retomada das investigações caso futuramente surjam novas evidências". Com informações da Agência Brasil.

Revista Consultor Jurídico, 10 de outubro de 2017, 16h45

Comentários de leitores

1 comentário

Quem imaginava?

Péricles (Bacharel)

Quem imaginava que ia dar em alguma coisa? Serviço mal feito, coisa de compadrio!!!
Deveria-se apurar a qualidade do trabalho do órgão acusador e da leniência e complacência do órgão julgador.
Considerando que tudo está nas mãos dos donos da República (e não da representatividade legítima do povo, por que depois de eleitos ou empossados nos mais altos cargos da República, esquecem-se de quem ali está a ser representado, e tomam o poder para si) então tá certo, continuemos assim e veremos onde a carruagem vai parar. Depois não reclamem que venha a intervenção militar ou que ainda haja defensores dessa causa!!!

Comentários encerrados em 18/10/2017.
A seção de comentários de cada texto é encerrada 7 dias após a data da sua publicação.