Consultor Jurídico

Notícias

Você leu 1 de 5 notícias liberadas no mês.
Faça seu CADASTRO GRATUITO e tenha acesso ilimitado.

R$ 33,9 milhões

Governador questiona no STF sequestro de verbas para pagar precatórios atrasados

O governador da Paraíba, Ricardo Vieira Coutinho (PSB), ajuizou pedido no Supremo Tribunal Federal para suspender ordem de sequestro de R$ 33,9 milhões feito pelo presidente do Tribunal de Justiça estadual para pagar precatórios em atraso.

Na ação, o governador afirma que os valores são referentes a parcelas de precatórios não pagos nos meses de fevereiro, março e abril de 2016. Os pagamentos das parcelas foram suspensos com amparo em mandado de segurança impetrado no TJ-PB, vigente até o mês de junho, que impedia os sequestros, tendo em vista alegação de crise financeira no estado. Os pagamentos foram retomados em maio de 2016. Em seguida, houve a determinação do sequestro dos valores pelo presidente do TJ-PB, a fim de quitar as parcelas em atraso.

Na ação, o governador defende a impossibilidade de sequestro de verbas públicas pelo ato questionado. Sustenta que a medida fere princípios e regras do orçamento público, a independência e harmonia entre os poderes e alega ausência de razoabilidade do ato, dado o prejuízo à execução de serviços e investimentos públicos.

“Os preceitos fundamentais violados, a toda evidência, impedem a expropriação de recursos públicos, inexistindo amparo para a prática de ato que, como demonstrado, afetam a continuidade de serviços públicos, impedem a execução de políticas públicas e sociais”, conclui.

A transferência dos recursos bloqueados pelo TJ-PB havia sido suspensa por liminar concedida pelo relator da Reclamação 27.619, ministro Ricardo Lewandowski, proferida em agosto, em “caráter precário e em juízo de mera delibação”. Em 26 de outubro, a liminar foi revogada pelo ministro pela falta de identidade entre o ato reclamado e os precedentes invocados. Com informações da Assessoria de Imprensa do STF.

ADPF 494

Revista Consultor Jurídico, 9 de novembro de 2017, 8h57

Comentários de leitores

2 comentários

tais brincando?

frank_rj (Outro)

a farra dos precatórios continua, especialmente nos estados. não pagam, conseguem parcelamento inconstitucional e não pagam de novo. e ilegal é o sequestro? crise? será que deixaram de pagar o salário do governador e seus asseclas? cortaram as mordomias?

iludido advogado autônomo

Iludido (Advogado Autônomo - Civil)

Você já conhece os famigerados pecatórios dos governos do seu Brasil. É como você vê o seu pUlítico. Esse governador reforçando, quis dizer: Para que pagar! ESQUEÇA! Pagar o quê! Deixa como está. Tá tão bom! Agora, analise e compare o seguinte: Pablo Escobar o senhor do tráfico, pela sua história, pagava suas dívidas e era como o holocausto de Hitler. Qual a diferença, dado a claridade compartilhada das ações.

Comentários encerrados em 17/11/2017.
A seção de comentários de cada texto é encerrada 7 dias após a data da sua publicação.