Consultor Jurídico

Notas Curtas

Da Redação

Blogs

Você leu 1 de 5 notícias liberadas no mês.
Faça seu CADASTRO GRATUITO e tenha acesso ilimitado.

Pequeno reajuste

Salário mínimo será de R$ 954 a partir de segunda-feira (1°/1)

O salário mínimo em 2018, que passa a valer na segunda-feira (1º/1), será de R$ 954, conforme decreto assinado nesta sexta-feira (29/12) pelo presidente Michel Temer. A norma será publicada em edição extra do Diário Oficial da União ainda nesta sexta. O valor previsto inicialmente no orçamento de 2018 e aprovado no Congresso era de R$ 965 — R$ 11 a mais.

O salário mínimo atual é de R$ 937. O reajuste de 1,81% segue a previsão do Índice de Preços ao Consumidor (INPC). Com informações da Agência Brasil.

Topo da página

Revista Consultor Jurídico, 29 de dezembro de 2017, 16h57

Comentários de leitores

2 comentários

Iludido Advogado autônomo

Iludido (Advogado Autônomo - Civil)

SÓ EXISTE UMA SITUAÇÃO QUE PODE RESOLVER O PROBLEMA DO SALÁRIO MORTE PRA UM SER HUMANO AINDA VIVO.
preste muita atenção e veja a saída:
Se você vive exatamente com um salário morte ( SM)você para sobreviver deve operar do seguinte modo. Sua vida não é fácil e não vai melhorar senão, só piorar com a idade. Primeiramente, você não deverá receber ajuda de ninguém para que a formula dê certo.
Se você praticar um crime que não seja pelo menos de assassinato, então, você pode traficar maconha e se pego pegar uns 10 anos de cadeia em regime fechado. Lá na cadeira você terá sem preocupação alguma: cama, comida e roupa lavada e algum lazer sem qualquer preocupação. Isto você não terá solto ou em liberdade. Durante o período da prisão, o SMorte será depositado em sua conta de poupança que vai render alguma miséria, mas ficará lá guardado. Se daqui 10 anos o montante não foi o bastante, sua vida vai estar pior de qualquer jeito. Então, você poderá cometer o mesmo crime e pegar mais 10 anos que terão que ser em regime fechado. Outro não serve. E, sua poupança vai crescendo. Não sendo assim, aqui fora, você vai ter como amiga fiel a miséria total e consequentemente a doença. O sofrimento e a rejeição da sociedade como mala sem alça será sua sina. Não adianta você pensar diferente pois, a idade vai chegando e a coisa só por sua conta tende a piorar, mas muito mesmo. Você tendo o estado para cuidar de você pelo menos o sofrimento será menor. PENSE NISSO que está no meu blog. como ajuda a este tipo de gente.

A dignidade humana

Rejane Guimarães Amarante (Advogado Autônomo - Criminal)

O salário mínimo deveria garantir um mínimo indispensável para uma pessoa ou um chefe de família prover às necessidades de alimentação, habitação, saúde, vestuário e transporte. A mesma fonte que paga supersalários (o Estado), concede um reajuste irrisório para o salário mínimo que não paga nem as despesas mensais da condução de um trabalhador. No entanto, paga altos salários para indivíduos cuja produtividade não é nem fiscalizada nem exigida. Como se não bastasse, além de impor uma carga tributária absurda aos pequenos e médios empresários, concede isenções e incentivos fiscais para empresas gigantes de setores específicos onde só há empresas gigantes como o setor petrolífero, por exemplo. É uma mentalidade de senhor feudal que considera apenas uma classe pouco numerosa de "nobres ou notáveis" e uma grande massa de "servos ou escravos". E isso vem ocorrendo pela crescente "privatização" do Poder Político, para usar um eufemismo. Para 2018, o Estado Democrático de Direito, através de seu governante soberano, o povo brasileiro, deve promover a "democratização" das empresas privadas. Deve pressionar os parlamentares para aprovar leis que regulamentem minuciosamente a participação nos lucros pelo trabalhador. Leis que imponham um conselho de empregados com direito a voto nas assembleias e, principalmente, nas questões de demissão de empregados e redução de jornada de trabalho.E, sobretudo, que imponham o dever e rigorosa fiscalização das atividades das empresas em consonância com o respeito aos direitos humanos, sobretudo a saúde e o meio ambiente saudável.

Comentários encerrados em 06/01/2018.
A seção de comentários de cada texto é encerrada 7 dias após a data da sua publicação.