Consultor Jurídico

Notícias

Você leu 1 de 5 notícias liberadas no mês.
Faça seu CADASTRO GRATUITO e tenha acesso ilimitado.

Propaganda vs. realidade

Discrepância entre discurso e trabalho de Dallagnol é analisada por jornalista

"Quem veio de Portugal para o Brasil foram degredados, criminosos. Quem foi para os Estados Unidos foram pessoas religiosas, cristãs, que buscavam realizar seus sonhos, era um outro perfil de colono." A frase é do procurador Deltan Dallagnol, coordenador da autodenominada força-tarefa da operação "lava jato", dita em uma palestra em uma igreja batista em fevereiro e agora relembrada pela colunista Maria Cristina Fernanda no jornal Valor Econômico, em um perfil do membro do Ministério Público Federal.

Dallagnol usa diversos adjetivos para Lula na entrevista, mas na denúncia opta por descrição bem mais amena.MP-RJ

O procurador, diz o texto, tem uma interpretação culturalista da história e acha que foi a colonização portuguesa quem deu origem a corrupção no Brasil. “O espírito cristão dos colonizadores americanos não os impediu de dizimar a população nativa, colecionar genocídios em sua política externa e conviver com o pesadelo de uma Casa Branca ocupada por Donald Trump. Mas o ex-estudante de Harvard [Dallagnol] só trouxe admiração pelas instituições americanas”, alfineta a jornalista.

Maria Cristina deu especial ênfase à análise da retórica de Dallagnol em comparação com as denúncias que produz como procurador. Ao apresentar as denúncias contra o ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva em uma coletiva de imprensa, o coordenador da “lava jato” citou 12 vezes o termo propinocracia, que seria o governo gerido pela propina. Porém, na acusação levada ao juiz Sergio Moro, a palavra não aparece uma única vez.

“A retórica de Dallagnol ainda lança mão de figuras de linguagem para nominar o ex-presidente que não foram incorporadas ao texto impresso. O procurador referiu-se a Lula dez vezes como comandante de esquema criminoso, sempre acompanhado dos adjetivos "máximo", "real", "supremo". A ocorrência do termo "comandante" no documento, além de reduzida à metade, nunca é adjetivada”, analisa a colunista.

A discrepância não parou aí. Na coletiva, Dallagnol chamou Lula de maestro e general, mas as denominações não aparecem na denúncia. No documento, o ex-presidente é chamado de "chefe do Poder Executivo" ou "ocupante do cargo público mais elevado".

Até a roupa e a dicção do procurador passaram pelo escrutínio da jornalista: “O terno azul-escuro, os óculos de aros pretos, a dicção que não deixa escapar uma única sílaba e o uso preciso do subjuntivo não sugerem disfunção psíquica”. 

Revista Consultor Jurídico, 23 de setembro de 2016, 17h53

Comentários de leitores

5 comentários

Resta atacar o acusador

João Corrêa (Estagiário - Previdenciária)

ad hominem, um velho conhecido da suja política.

Excelente procurador....

Pek Cop (Outros)

Enfrentar o crime organizado instalado no país é uma tarefa árdua e corajosa. A maioria das pessoas querem que ele continue a nos fazer acreditar na justiça. E que leis que protegem os bandidos, foram criadas para encobrir políticos sejam enfraquecidas!!!!

Diagnóstico

O IDEÓLOGO (Outros)

Merece aplausos o diagnóstico antropológico do ilustre Promotor.

Ver todos comentários

Comentários encerrados em 01/10/2016.
A seção de comentários de cada texto é encerrada 7 dias após a data da sua publicação.