Consultor Jurídico

Notícias

Você leu 1 de 5 notícias liberadas no mês.
Faça seu CADASTRO GRATUITO e tenha acesso ilimitado.

Honra ao mérito

Mundo jurídico vai escolher advogado que mais defende prerrogativas da classe

O Movimento de Defesa da Advocacia, com sede em São Paulo, começou a questionar profissionais do Direito de vários estados do país para premiar o advogado que mais se destacou em 2016 como defensor das prerrogativas da classe.

A consulta deve ser encaminhada a 6 mil pessoas, entre advogados, professores, membros do Ministério Público e representantes dos três poderes, e o resultado será divulgado em novembro, com entrega de medalha em um evento comemorativo. O objetivo é que o prêmio seja anual.

Os indicados serão julgados por uma comissão formada por sete membros: o presidente do MDA, Rodrigo Monteiro de Castro; o presidente do conselho da entidade, Marcelo Knopfelmacher; dois ex-presidentes do MDA — Sérgio Rosenthal e Carlos Suplicy de Figueiredo Forbes —; e três conselheiros que comandam entidades que representam a advocacia: Marcos da Costa, presidente da seccional paulista da Ordem dos Advogados do Brasil; José Horácio Halfeld Rezende Ribeiro, do Instituto dos Advogados de São Paulo; e Leonardo Sica, da Associação dos Advogados de São Paulo.

Segundo Castro, a iniciativa é necessária para valorizar quem defende o exercício profissional, hoje “desprezado” em vários momentos. “Sem a defesa de prerrogativas não existe Estado Democrático de Direito”, afirma o presidente da entidade. As regras da premiação foram elaboradas em março deste ano.

Revista Consultor Jurídico, 12 de setembro de 2016, 7h43

Comentários de leitores

5 comentários

Inutilidade

LunaLuchetta (Advogado Sócio de Escritório - Empresarial)

O Presidente da Ordem (eleito pela minoria) realmente não tem o que fazer; ou não sabe o que deve fazer na Direção da Ordem: então... às inutilidades

Marketing abusivo

Marcos Alves Pintar (Advogado Autônomo - Previdenciária)

O Brasil precisa compreender que o mundo do direito (envolvendo juízes, promotores e advogados) não pode se valer de marketing de massa para tentar enganar os cidadãos comuns. Hoje parcela considerável de advogados usam de toda espécie de meios de propaganda para criar uma aparência de trabalho e realização, fazendo com que se forme uma imagem distorcida da realidade. Vejam um exemplo. Há alguns anos eu ingressei sozinho, sem nenhuma ajuda da OAB, junto ao Conselho Nacional de Justiça a respeito da utilização de detectores de metais na Justiça Federal, na qual apenas os advogados privados eram submetidos. Cheguei a ingressar com um mandado de segurança contra o Presidente do Conselho Federal da OAB e contra a Presidenta da Subseção a fim de que ingressassem no pedido como assistentes. Nada. Arrumaram toda espécie de desculpa para se omitirem, mas não disseram uma palavra. Após um imenso esforço e muita "pancadaria" finalmente o pedido foi julgado procedente. O Conselho Federal interrompeu a sessão em andamento naquele dia para "comemorar" a vitória, mas não mencionou que quem atuava naquele caso era eu, sozinho. Chegaram a dizer que o pedido era da OAB. Já na OAB/SP Marcos da Costa também comemorou a "vitória", mas também não disse em nenhum momento quem havia ingressado com o pedido e lutado para a vitória. É assim em tudo o que envolve a defesa das prerrogativas da classe. O que se divulga publicamente são apenas trabalho dos marqueteiros, notícias na sua maioria distorcidas, omitindo questões importantes e não raro falseando-se a verdade. Em relação a esse MDA, que se diz defensor da advocacia, nunca vi uma defesa efetiva, mas apenas e tão somente muita pirotecnia, e muita exposição de alguns advogados muito bem articulados.

Piada do ano

Marcos Alves Pintar (Advogado Autônomo - Previdenciária)

Vai ser certamente a piada do ano, até mesmo porque a maior parte dos que irão julgar não possuem qualquer compromisso com as prerrogativas da advocacia. Vencerá quem trabalhará melhor nos bastidores, como ocorre em quase todos os temas que envolvem a advocacia e o funcionamento do sistema de Justiça no Brasil.

Ver todos comentários

Comentários encerrados em 20/09/2016.
A seção de comentários de cada texto é encerrada 7 dias após a data da sua publicação.