Consultor Jurídico

Notícias

Você leu 1 de 5 notícias liberadas no mês.
Faça seu CADASTRO GRATUITO e tenha acesso ilimitado.

Sem festa

Posse de Cármen Lúcia altera expediente no Supremo nesta segunda

O expediente na Secretaria do Supremo Tribunal Federal e o atendimento ao público será das 8h às 13h nesta segunda-feira (12/9). O motivo da alteração é a solenidade de posse da ministra Cármen Lúcia na Presidência do Supremo Tribunal Federal, marcada para as 15h.

Na posse, a ministra quebrará o protocolo do Supremo e não haverá a tradicional festa de recepção aos convidados, bancada por associações de magistrados em todas as posses de ministros da corte. A ministra terá como vice-presidente o ministro Dias Toffoli.

Cármen Lúcia chega com experiência em administração judicial. Já presidiu a 1ª Turma do STF e o Tribunal Superior Eleitoral, chefiando as eleições municipais de 2012. Ela será a segunda mulher na história a presidir o Supremo. A primeira foi a ministra Ellen Gracie, que comandou o tribunal de 2006 a 2008, quando se aposentou.

Gosto por processos
Ao ser homenageada por seus colegas durante sua última sessão na 2ª Turma do STF, a ministra disse que não gosta de festa, mas de processo. “Eu não tenho a mesma tranquilidade para algumas funções do cargo de ministro do Supremo, porque eu não gosto muito de festa, nada disso. Eu gosto de processo. Hoje, eu sei porque fui advogada de audiência. Eu gosto mesmo disso aqui”, afirmou.

Ao agradecer a seus pares pela homenagem, a ministra também disse fará o possível para honrar o cargo de presidente e defendeu a união do Poder Judiciário. “O Supremo é um só. O Poder Judiciário no Brasil tem que voltar a ser um só, hoje são vários. Acho que, juntos, somos muito mais”, concluiu.

Biografia
Nomeada para o Supremo em 2006 pelo então presidente Luiz Inácio Lula da Silva, Cármen Lúcia Antunes Rocha é natural de Montes Claros (MG). É bacharel em Direito pela PUC Minas (1977), mestre em Direito Constitucional pela UFMG e especialista em Direito da Empresa pela Fundação Dom Cabral.

Oriunda da advocacia, foi procuradora do estado de Minas e ministra e presidente do Tribunal Superior Eleitoral. Desde 2014 ocupa a vice-presidência do Supremo, além de ser professora de Direito Constitucional da PUC Minas. Com informações da Assessoria de Imprensa do STF e Agência Brasil.

Revista Consultor Jurídico, 11 de setembro de 2016, 11h21

Comentários de leitores

5 comentários

Analise Perfeita

Luiz Fernando Vieira Caldas (Contabilista)

Permita-me, Dr Juarez Araujo, fazer minhas suas palavras. Entretanto, acredito que deixara de existir, ou ira diminuir muito as "nebulosidades" citadas, quando houver concurso público para Juiz do STF. Do atual quadro do STF, quantos foram indicados pelos dois últimos Presidentes?

Quebrando protocolo enviesado.

Pinheiru (Procurador da Fazenda Nacional)

"Na posse, a ministra quebrará o protocolo do Supremo e não haverá a tradicional festa de recepção aos convidados, bancada por associações de magistrados em todas as posses de ministros da corte".
Parabéns Ministra. Começando dando sinais claros de austeridade e independência. Bons ventos para nossa República.
Que a Corte doravante inclua no orçamento verba (módica, de preferência) para as futuras cerimônias de posse.

Torcida

Marcos Alves Pintar (Advogado Autônomo - Previdenciária)

A Ministra Carmem Lúcia tem sinalizado nos últimos anos apego aos valores republicanos, o que deixou de existir na gestão do atual Presidente do STF. A Presidência do Supremo não possui a dimensão que o povo pensa que tem, já que o Presidente não pode mandar nos demais nem impor suas ideias, mas o ambiente criado com os inúmeros cargos de livre nomeação faz de fato alguma diferença, lembrando que o Presidente do STF é também o Presidente do CNJ. No cenário atual, sem uma luz no fim do túnel quanto ao funcionamento dos órgãos estatais, devemos se apegar a qualquer coisa em nome da esperança, e assim torcer para que a nova Presidente faça alguma diferença.

Ver todos comentários

Comentários encerrados em 19/09/2016.
A seção de comentários de cada texto é encerrada 7 dias após a data da sua publicação.