Consultor Jurídico

Falsidade ideológica

STF absolve deputado Marco Antônio Tebaldi em ação sobre desvio de verbas

Por não encontrar nos autos o dolo específico para a configurar os crimes de falsidade ideológica e de desvio de verba pública, a 2ª Turma do Supremo Tribunal Federal absolveu o deputado federal Marco Antônio Tebaldi (PSDB-SC). A decisão, unânime, foi tomada nesta terça-feira (21/6) no julgamento da Ação Penal 569, que teve a ministra Cármen Lúcia como relatora.

Reprodução

Os crimes denunciados contra Tebaldi (foto) teriam sido praticados quando o parlamentar era prefeito de Joinville (SC). Ele e mais dois corréus foram condenados pelo juízo da 2ª Vara Criminal de Joinville por fatos envolvendo prestação de contas de um convênio com a Companhia Catarinense de Águas e Saneamento (Casan).

Contra essa decisão foram interpostos recursos de apelação, remetidos ao STF depois que Tebaldi foi diplomado deputado federal. Em seu voto, a ministra Cármen Lúcia afirmou que não encontrou nos autos dolo específico para a configuração dos crimes imputados aos réus.

Ela destacou que o juiz de primeiro grau, ao condenar os réus, afirmou que “no mínimo” teria havido omissão por não ter sido prestada a atenção devida por parte do prefeito, mas não fez nenhuma demonstração do dolo específico, exigido para o tipo penal. O revisor da ação penal, ministro Dias Toffoli, também seguiu o voto da relatora, no sentido da absolvição dos acusados. Com informações da Assessoria de Imprensa do STF.

Topo da página

Revista Consultor Jurídico, 21 de junho de 2016, 21h41

Comentários de leitores

1 comentário

Presunção de inocência

MURILO SOUZA ADVOCACIA (Advogado Sócio de Escritório - Criminal)

Agora lhe pergunto Grande STF: E se fosse aplicado seu novo entendimento sobre a presunção de inocência pelo instâncias inferiores, enviando a pessoa para o cárcere, e agora há julgamento pelo STF declarando inocente, e que seja por falta de provas ? E agora ?

Comentários encerrados em 29/06/2016.
A seção de comentários de cada texto é encerrada 7 dias após a data da sua publicação.