Consultor Jurídico

Intimidade violada

CPI não pode usar fundamentos genéricos para quebrar sigilo de associação

Comissões parlamentares de inquérito só podem determinar a quebra de sigilos bancários e fiscais com fundação idônea, quando há elementos concretos de práticas delituosas envolvendo pessoas físicas e jurídicas. Assim entendeu o presidente do Supremo Tribunal Federal, ministro Ricardo Lewandowski, ao conceder liminar para suspender a quebra de sigilos da Associação Brasileira de Antropologia (ABA).

Os atos foram assinados pela CPI criada na Câmara dos Deputados para investigar demarcação de terras indígenas e quilombolas, com base nos trabalhos da Fundação Nacional do Índio (Funai) e do Instituto Nacional de Colonização e Reforma Agrária (Incra).

A ABA pediu que o Supremo revisse as decisões da CPI, com base nos direitos à intimidade e à privacidade da associação e do presidente da entidade, também alvo da quebra de sigilos. Lewandowski avaliou que a comissão não fundamentou motivos, pois não citou o nome do presidente da associação e usou apenas um depoimento para justificar as medidas.

Segundo o ministro, em uma análise preliminar, é possível concluir que as justificações apresentadas para a quebra dos sigilos parecem genéricas e insuficientes. Assim, entendeu ser necessária a liminar para evitar dano iminente e irreparável aos impetrantes.

A decisão deve valer até que o relator original do caso no STF, ministro Luiz Fux, possa analisar o caso. Lewandowski atua neste mês no plantão da corte. Com informações da Assessoria de Imprensa do STF.

MS 34.299

Topo da página

Revista Consultor Jurídico, 19 de julho de 2016, 14h54

Comentários de leitores

0 comentários

Comentários encerrados em 27/07/2016.
A seção de comentários de cada texto é encerrada 7 dias após a data da sua publicação.