Consultor Jurídico

Noticiário Jurídico

A Justiça e o Direito nos jornais desta quarta-feira

Os advogados da campanha de Dilma Rousseff à presidência apresentaram recurso ao Tribunal Superior Eleitoral questionando a decisão do vice-presidente da corte, ministro Gilmar Mendes, de reabrir a análise das contas da campanha de 2014. O ministro solicitou a PGR a investigação de supostas práticas criminosas em um contrato entre o PT e a gráfica VTPB. Para os representantes da campanha da presidente, a reabertura da análise se deu em “evidente abuso no uso das competências conferidas ao julgador, com evidente desvio de finalidade”. As informações são do jornal O Estado de S. Paulo.


Benefício eleitoral
O procurador do Ministério Público no Tribunal de Contas da União, Julio Marcelo de Oliveira, afirmou, durante depoimento nessa terça-feira (1º/9) à Comissão de Assuntos Econômicos do Senado, que a presidente Dilma Rousseff se beneficiou eleitoralmente das pedaladas fiscais promovidas em 2014. Oliveira disse também que o governo sabia da insuficiência de recursos, mas só promoveu cortes depois da eleição. As informações são da Folha de S.Paulo.


Pedido de afastamento
A Polícia Federal solicitou o afastamento do deputado Arthur Lira (PP-AL) e seu pai, o senador Benedito de Lira (PP-AL). Segundo a PF, os dois parlamentares estão envolvidos com o suposto esquema de propinas que ocorria na Petrobras. A denúncia contra os dois políticos deverá ser encaminhada pela Procuradoria-Geral da República nesta quarta-feira (2/9). As informações são do jornal O Estado de S. Paulo.


14 indiciados
O ex-ministro José Dirceu, o ex-tesoureiro do PT João Vaccari Neto e mais 12 pessoas foram indiciadas pela PF por suposta ligação ao esquema de propinas que ocorria na Petrobras. O advogado de Vaccari, Luiz Flávio Borges D’Urso, afirmou que seu cliente “nunca arrecadou propinas”. Os representantes de Dirceu informaram que ainda estão analisando o indiciamento feito pela PF e se manifestarão quando for oportuno. As informações são do jornal O Estado de S. Paulo.


Sem delação
O empreiteiro Marcelo Odebrecht afirmou, durante depoimento à CPI que apura suposto esquema de propinas na Petrobras, que não fará acordo de delação premiada e que não tem nada para “dedurar” às autoridades. Segundo o presidente da Odebrecht, ele não é dedo-duro por princípios morais. As informações são do jornal O Estado de S. Paulo.


Modo de pagamento
O ministro do STF Teori Zavascki determinou que bancos informem como ocorreram os pagamentos da Ferrari, do Porsche e do Lamborghini que foram encontradas na Casa da Dinda, residência do senador Fernando Collor em Brasília. Para a Justiça há suspeita de lavagem de dinheiro na compra dos automóveis. As informações são do jornal O Globo.


Depoimento na PF
O presidente do Senado, Renan Calheiros, prestou depoimento na PF nessa terça-feira (1º/9). O parlamentar é investigado por suspeita de corrupção, lavagem de dinheiro e formação de quadrilha no suposto esquema de propinas que ocorria na Petrobras. A defesa do senador afirmou que o depoimento durou 1h30 e que Calheiros respondeu todas as perguntas que lhe foram feitas. As informações são do jornal O Globo.


Seletividade contratual
A Raízen foi condenada a pagar R$ 3 milhões por danos morais coletivos em favor do Fundo de Amparo ao Trabalhador (FAT) por discriminar funcionários no processo de contratação. A empresa estaria deixando de contratar trabalhadores que, no passado, já tenham processado a companhia, tiveram problemas de saúde ou baixa produtividade em safras anteriores. A decisão foi tomada pela Vara do Trabalho de Jaú (SP). Ainda cabe recurso ao Tribunal Regional do Trabalho da 15ª Região. As informações são do Valor Econômico.




Topo da página

Revista Consultor Jurídico, 2 de setembro de 2015, 11h04

Comentários de leitores

0 comentários

Comentários encerrados em 10/09/2015.
A seção de comentários de cada texto é encerrada 7 dias após a data da sua publicação.