Consultor Jurídico

Notícias

Você leu 1 de 5 notícias liberadas no mês.
Faça seu CADASTRO GRATUITO e tenha acesso ilimitado.

Interpretação equivocada

PGR usa ação para tentar legitimar investigação pelo MP, dizem advogados

O Movimento de Defesa da Advocacia (MDA) apresentou pedido ao Supremo Tribunal Federal para ingressar como amicus curiae na Ação Direta de Inconstitucionalidade que questiona dispositivo da Lei 12.830/2013 — que confere ao delegado de polícia a atribuição de conduzir investigação criminal por inquérito ou outro procedimento legal.

A ADI 5.043 foi ajuizada pela Procuradoria Geral da República, tendo por alvo principal o parágrafo 1º do artigo 2º da lei, que, segundo a PGR, induz à interpretação de que a condução de qualquer procedimento investigatório de natureza criminal é atribuição exclusiva do delegado de polícia. A PGR alega que se a Constituição Federal não atribui exclusivamente à polícia o poder de investigação, não seria compatível com seus preceitos norma que permita interpretação restritiva.

Para o MDA, porém, a interpretação da Procuradoria Geral da República está equivocada e tem como objetivo defender os poderes de investigação pelo Ministério Público na esfera penal. “A pretexto de defender a Constituição Federal, hostiliza-se a Lei 12.830/2013, buscando extirpá-la do ordenamento jurídico pátrio, mas para satisfação de interesse institucional. Para tanto, utiliza-se de uma interpretação equivocada e fora dos contornos da razoabilidade”, diz a entidade.

A petição, entregue na última quinta-feira (23/10), é assinada pelo presidente do MDA, Marcelo Knopflemacher (foto); pelo diretor adjunto, José Romeu Garcia do Amaral; pelo diretor financeiro, Humberto Gouveia; e pelo presidente da comissão de assuntos penais, Felipe Vergiano Magliarelli.

“A Lei 12.830/2013, como se demonstra evidente, não se dedica a restringir as autoridades passíveis de conduzir uma investigação criminal e não conota, ao contrário do que leva a crer o Exmo. Procurador-Geral da República, vedação a eventuais poderes investigatórios do Ministério Público”, afirma o MDA. De acordo com a entidade, a Lei 12.830/2013 disciplina tão somente as atividades da Polícia Judiciária no exercício de sua atribuição constitucional de presidir inquéritos policiais, sem limitar outros órgãos de deflagrar e presidir investigações criminais.

Participação da OAB
No dia 5 de agosto, o ministro do STF Luiz Fux, relador da ADI, aceitou o pedido da Ordem dos Advogados do Brasil para ingressar nos ação como amicus curiae. Para o presidente do Conselho Federal da OAB, Marcus Vinicius Furtado Coêlho, a ADI 5.043 ignora o contexto normativo da questão. “Nem a interpretação gramatical da disposição legal nos permite encontrar qualquer referência à atribuição exclusiva ao delegado de polícia. Esta é uma questão já bastante debatida pela OAB, o que realça a relevância do tema e o nosso compromisso pela defesa da legalidade constitucionalmente estabelecida”, diz.

No pedido, a OAB afirma que “em momento algum a norma em questão exclui a competência investigatória atribuída a outras autoridades em sua respectiva esfera de atuação, nem atribui superpoderes à autoridade policial, de modo a reconhecer-lhe como único legitimado a presidir a investigação”.

Para a OAB, a intenção da PGR com a ação é “através da interpretação exuberante do texto impugnado, conferir-lhe sentido que não possui e extrair indiretamente pronunciamento que lhe legitime a presidir investigação criminal, concorrentemente com a autoridade policial”.

Tramite em conjunto
Por determinação do ministro Luiz Fux (foto), as duas Ações Diretas de Inconstitucionalidade que questionam a Lei 12.830/2013 terão tramitação conjunta e serão examinadas diretamente pelo Plenário do Supremo Tribunal Federal, sem apreciação dos pedidos de liminar pelo relator.

Além da ADI 5.043, a lei também é contestada na ADI 5.059, ajuizada pela Associação Nacional das Operadoras Celulares (Acel). A associação questiona o parágrafo 2º do artigo 2ª da Lei 12.830/2013. A entidade alega que, ao possibilitar ao delegado requisitar, durante a investigação criminal, perícia, informações, documentos e dados que interesse à apuração dos fatos, sem fazer qualquer referência à necessidade de autorização judicial, a lei promove “nítido esvaziamento da proteção constitucional à privacidade e ao sigilo das comunicações”, prevista nos incisos X e XII do artigo 5º da Constituição Federal.

A Acel sustenta ainda que, além de afrontar o direito fundamental à privacidade e à intimidade, a Lei 12.830/2013 dá à autoridade investigadora “acesso indiscriminado aos dados dos cidadãos, sem atentar para as peculiaridades que cercam cada tipologia”. Por isso, a Acel, que representa as empresas de Serviço Móvel Pessoal (SMP) em todo o país, pede que o STF declare a inconstitucionalidade parcial da Lei 12.830/2013.

Clique aqui para ler a petição do MDA.
Clique aqui para ler a petição da OAB.

ADI 5.043 e ADI 5.059

Revista Consultor Jurídico, 28 de outubro de 2014, 14h14

Comentários de leitores

5 comentários

Ou seja

Esperidião (Advogado da União)

Nós pagamos nossos impostos para que o Supremo decida uma ADI em que tanto seus autores quanto seus opositores concordam que o Ministério Público tem poderes investigatórios.

Ótimo, STF discutindo um dispositivo que, na prática, não faz qualquer diferença. Ora, como afirma o pragmatista: o que não faz diferença na prática não deve ser discutido na teoria.

Ops, esqueci, o pragmatismo é uma doutrina americana que não tem nada a acrescentar ao Brasil, né isso?

E assim nosso dinheiro e a eficiência do judiciário vai para o ralo.

Ministério público - poderes implícitos

Gelson de Oliveira (Servidor)

Data máxima vênia, a atuação independente do Ministério Público é essencial para a elucidação de certos tipos de crimes, especialmente aqueles que envolvem altas autoridades e agentes do crime organizado infiltrados nas organizações do Estado. Cito como exemplo o caso do assassinato do prefeito Celso Daniel, de Santo André. A polícia adotou uma tese desvirtuada da realidade dos fatos. Foi necessária a intervenção do Ministério Público para que a investigação tomasse a direção dos verdadeiros culpados. Além disso, o Judiciário, pela excessiva morosidade, deixou de cumprir o seu papel, permitindo que várias testemunhas chave fossem eliminadas antes de prestar depoimento à justiça. Portanto, está coberto de razão o Procurador Geral da República. O Ministério Público tem sim o dever de investigar qualquer tipo de crime, especialmente os que envolvem o crime organizado atuando nas mais altas esferas do Estado.

OAB - obrigada!

Tania Prado (Delegado de Polícia Estadual)

A Ordem dos Advogados do Brasil tem por função defender a Constituição Federal, a ordem jurídica do Estado Democrático de Direito, os direitos humanos, a justiça social, bem como pugnar pela boa aplicação das leis, pela rápida administração da justiça e pelo aperfeiçoamento da cultura e das instituições jurídicas. A sociedade agradece à OAB!

Ver todos comentários

Comentários encerrados em 05/11/2014.
A seção de comentários de cada texto é encerrada 7 dias após a data da sua publicação.