Consultor Jurídico

Notícias

Você leu 1 de 5 notícias liberadas no mês.
Faça seu CADASTRO GRATUITO e tenha acesso ilimitado.

Organização do judiciário

Assembleia de Minas aprova férias para advogado e benefícios para juiz

O Plenário da Assembleia Legislativa de Minas Gerais aprovou em 2º turno o Projeto de Lei Complementar 59/14, que trata da organização e da divisão judiciárias do Estado, institui uma série de benefícios aos juízes e garante uma espécie de férias para os advogados no início do ano. 

De acordo com uma das emendas aprovadas, o prazo processual será suspenso de 7 a 20 da janeiro. O projeto, de autoria do Tribunal de Justiça estadual, agora segue para sanção do governador Alberto Pinto Coelho (PP).

A aprovação do projeto com a suspensão dos prazos no início de janeiro foi comemorada pela seccional da Ordem dos Advogados do Brasil de Minas Gerais. "Agora todos os advogados poderão desfrutar do descanso entre 20 de dezembro a 20 de janeiro, eis que também está mantido o recesso de 20 de dezembro a 6 de janeiro”, observou o presidenta da OAB-MG, Luís Cláudio.

Auxílio-livro
Com 118 artigos, o projeto altera a estrutura do Poder Judiciário, na remuneração e no regime disciplinar de magistrados e em cartórios. O projeto prevê ainda uma série de benefícios para desembargadores e juízes do TJ-MG, como auxílio-livro, no valor anual de R$ 13 mil, e ajuda de transporte para o magistrado que for transferido de comarca. 

O presidente da Associação dos Magistrados Mineiros (Amagis), Herbert Carneiro, afirmou que os benefícios terão caráter indenizatório, ou seja, “só serão depositados mediante apresentação de nota fiscal comprovando os gastos”. Segundo ele, o texto trata de questões importantes que resultarão no aperfeiçoamento da prestação de serviços para a sociedade.

De acordo com o jornal O Tempo, os benefícios serão custeados com recursos do Fundo Especial do Poder Judiciário. A utilização desse dinheiro está amparada pela Lei 20.208, promulgada pelo ex-governador Antonio Anastasia, em 27 de julho de 2013.

De acordo com o artigo 2° da lei, “o Fundo tem como objetivo assegurar recursos necessários ao desenvolvimento das atividades específicas do Poder Judiciário, a serem aplicados, em especial, nas seguintes ações: realização de despesas de caráter indenizatório, classificadas em outras despesas correntes”.

Quando o Fundo foi criado, o governo justificou dizendo que ele seria utilizado na necessidades da gestão judiciária, entre elas a manutenção e aparelhamento das comarcas do Tribunal de Justiça.

Revista Consultor Jurídico, 15 de junho de 2014, 16h15

Comentários de leitores

15 comentários

Alhos com bugalhos

Prætor (Outros)

As férias dos juízes (garantia constitucional) nada têm a ver com as inconstitucionalidades da lei mineira.

Auxílio-livro

JUNIOR - CONSULTOR NEGÓCIOS (Professor)

Muita desfaçatez o tal de auxílio-livro para quem ganha mais de 23 mil reais. Sob o ponto de vista da necessidade, o professor da rede pública teria que ter o mesmo direito.
E pior, essa gente do auxílio-livro que impor regras sociais, ética e moral em suas sentenças para aquele que mal sabe ler.

Em nome do interesse do jurisdicionado?

Marcos Alves Pintar (Advogado Autônomo - Previdenciária)

Os clientes são penalizados na verdade, sr. Prætor (Outros), pelos 60 dias de férias dos magistrados, que trancam seus gabinetes e vão dar a volta ao mundo enquanto processos de réus presos, de crianças postulando alimentos, de idosos requerendo aposentadoria, ficam parados. Aliás, os magistrados são a única categoria que no Brasil goza de dois meses de férias, e o resultado disso são processo se estendendo por 20 ou 25 anos porque em boa parte do tempo os juízes estão "curtindo férias" sem nenhuma preocupação com os processos em curso mesmo quando o feito há está na "prateleira" há 4, 5, ou 7 anos, cumulativas aos "emendões", "feriadões", etc. Veja-se, por exemplo, que no mês de abril de 2014 a Justiça Federal funcionou por apenas 14 dias no mês todo, sob pretexto de feriados que os próprios juízes criaram para eles mesmos, deixando de julgarem milhares de processos. Então, não acha melhor que, em nome do direito do jurisdicionado, as férias dos juízes sejam reduzidas para 15 dias, e seja decretado o fim dos "emendões", "feriadões" e todos esses outros pretextos que se usa para vadiar recebendo dinheiro público.

Ver todos comentários

Comentários encerrados em 23/06/2014.
A seção de comentários de cada texto é encerrada 7 dias após a data da sua publicação.