Consultor Jurídico

Notícias

Você leu 1 de 5 notícias liberadas no mês.
Faça seu CADASTRO GRATUITO e tenha acesso ilimitado.

Em pauta

Audiência debate PEC que autoriza STJ a recusar recursos

O presidente do Superior Tribunal de Justiça participa de audiência pública, nesta terça-feira, na comissão especial da Câmara que analisa a Proposta de Emenda à Constituição 209/12. A proposta, de autoria dos deputados Luiz Pitiman (PMDB-DF) e Rose de Freitas (PMDB-ES), dá ao tribunal a prerrogativa de admitir ou recusar o recebimento de recursos especiais impetrados contra decisões dos tribunais regionais federais ou dos tribunais de justiça dos estados e do Distrito Federal. A recusa terá que contar com o voto de dois terços do órgão competente para o julgamento (uma das turmas de ministros).

O autor do pedido de audiência, deputado Sandro Alex (PPS-PR), justificou que a PEC 209/12 “tem por objetivo a celeridade da Justiça, considerando que são recebidos pelo Superior Tribunal de Justiça, em média, mais de 300 mil processos ao ano, distribuídos entre 33 ministros”.

Ele lembra que uma proposta semelhante foi adotada em 2007 pelo STF para admissão do recurso extraordinário: “No ano anterior, haviam sido distribuídos 54,5 mil recursos. Após a adoção do instituto da repercussão geral, o número de processos caiu significativamente. Já em 2008, a distribuição foi de 21,5 mil recursos e no ano passado, apenas 6,3 mil”, contabiliza. Com informações da Agência Câmara.

PEC 209/2012

Revista Consultor Jurídico, 20 de agosto de 2013, 14h54

Comentários de leitores

1 comentário

Sem muito trabalho, o que farão depois os ministros?

Paulo Jorge Andrade Trinchão (Advogado Autônomo)

Definitivamente este país NÃO é sério. Eis que exsurge uma famaliá PEC com o indisfarçável propósito de "endeusar" mais ainda os tais ministros para fazerem muito pouco, e que não têm um tostão de legitimidade popular. Por essa e tantas outras é que tenho motivos de sobra para NÃO ser patriota nesta republiqueta de bananas! O Congresso Nacional induvidosamente se mantém vassalo e atende todos os interesse - nem sempre morais! - do hermético Poder Judiciário, Poder este sem qualquer legitimidade popular.

Comentários encerrados em 28/08/2013.
A seção de comentários de cada texto é encerrada 7 dias após a data da sua publicação.