Consultor Jurídico

Artigos

Você leu 1 de 5 notícias liberadas no mês.
Faça seu CADASTRO GRATUITO e tenha acesso ilimitado.

Orçamento 2013

Congelamento de salários não é solução para a crise

Por 

Nas discussões para elaboração do orçamento de 2013, o governo federal, por meio da presidência da República, sinaliza que mais uma vez não pretende conceder qualquer reajuste aos servidores públicos dos Três Poderes da União. Desde o início do governo Dilma, assim como no último ano do governo Lula, salários e pensões da esmagadora maioria dos servidores públicos estão congelados, e assim entende o governo federal que devem continuar, prognosticando uma redução real de poder aquisitivo dos salários no serviço público nunca antes vista na história deste país.

A ministra chefe da Casa Civil, Miriam Belchior, cita exemplo de países europeus, que estão cortando benefícios de funcionários públicos, para se dizer surpresa com as reivindicações de sindicatos de servidores no Brasil. Repentinamente, descobrimos que estamos na mesma situação de Espanha, Portugal e Grécia, países que se veem na contingência de adotar medidas drásticas de corte de benefícios de servidores públicos, para atender as exigências de credores internacionais. De país impulsionador do crescimento mundial, nos tornamos reféns da mesma lógica que empurra cada dia mais países europeus endividados para a beira do precipício.

Ao reduzir drasticamente o poder de compra de parcela significativa da classe média, composta por assalariados do serviço público, assim como tem sido feito pelos mencionados países europeus, o governo federal dá sua contribuição para a redução do consumo, o enfraquecimento do mercado interno e a ausência de perspectiva de crescimento. As lições de Keynes, sobre a importância de se adotar medidas anticíclicas, por meio do aumento do gasto público em momentos de falta de crescimento da economia, são desprezadas.

Isso tudo poderia ser considerado apenas uma opção equivocada da área econômica, fundada na ideologia imposta por tanto anos pelo FMI ao Brasil, pois, como diz a sabedoria popular, o uso do cachimbo faz a boca torta.

No entanto, os problemas causados por essa opção infeliz do governo federal, de reduzir gastos por meio da redução de salários no serviço público, não se limitam ao campo econômico. Encontra óbice intransponível no texto da Constituição da República, que estabelece a irredutibilidade de vencimentos de funcionários públicos e a revisão geral anual dos salários. Nesse contexto, a falta de reposição inflacionária representa descarada afronta ao texto constitucional.

O governo brasileiro, tão preocupado em seguir as medidas adotadas pelos europeus, deveria informar ao povo brasileiro também sobre os conflitos de rua e manifestações que tem ocorrido diariamente em Madri e Atenas, em decorrência das medidas que agora se pretende repetir em nosso país.

Os instrumentos de repressão às legítimas reivindicações dos servidores públicos já começam a ser brandidos pelo governo federal, como corte de ponto, punição a grevistas, entre outras medidas. Ninguém se iluda. A presidente da República, com um caráter forjado em um passado de lutas contra o regime militar, sabe bem que os instrumentos estatais de repressão pouco podem fazer contra a mobilização de pessoas convencidas da justiça de sua causa.

Desse modo, as opções que se colocam ao governo federal na elaboração da lei orçamentária anual são: a prevalência do bom senso, com a reposição inflacionária de salários corroídos por longo período de congelamento, ou o enfrentamento dos legítimos movimentos reivindicatórios, numa batalha inglória, que deixará graves prejuízos para todos, em especial para a população destinatária dos serviços públicos prestados pelos servidores em luta por reposição inflacionária dos seus salários.

 é juiz federal em São Paulo e mestre em Direito pela Universidade de Valladolid, Espanha.

Revista Consultor Jurídico, 19 de julho de 2012, 17h07

Comentários de leitores

10 comentários

Serviço público

Wellington Sérgio Sousa da Silva (Servidor)

O executivo age erroneamente ao não conceder reajuste aos servidores públicos e acabar com direitos. Ao final estará com pessoas desqualificadas e desmotivadas, pois os profissionais gabaritados migrarão para iniciativa privada. Todos perdem, governo e povo.

Também acho, dr. Pintar

Fernando José Gonçalves (Advogado Sócio de Escritório)

Pactuo do mesmo raciocínio do colega,Dr.Pintar,e isso não é apenas uma concordância com a coerência dos argumentos por ele expendidos,mas, antes,uma constatação pela confrontação. No Brasil se pagam os maiores vencimentos do mundo ao setor público (basta pesquisar com os demais países)e,o que é mais grave,aqui também se oferece ao cidadão os piores serviços por parte do Estado,em quaisquer dos seus segmentos. Via de regra são funcionários incompetentes preguiçosos e desmotivados (não pelos salários,mas pque. não há necessidade de aprimoramento).Não é sem razão que o colega (que muito bem comentou a notícia)trouxe à baila a lembrança da enorme quantidade de cidadãos que buscam um cargo público tão somente fincados em duas premissas: estabilidade e vencimentos. A crítica não é contra os servidores(que fique claro)mas dirigida a um 'sistema antigo'de engajamento nesse setor apenas como forma de garantia de emprego;de uma boa aposentadoria e de certas mordomias enquanto na ativa. E isso sempre foi assim. Compare-se o salário de um trabalhador na área privada com o de um ocupante de cargo semelhante no setor público e se terá essa comprovação.Nossas instituições estão 'inchadas'com muitos serventuários que pouco trabalham e com bons soldos mensais,com uma agravante:a estabilidade no emprego,que os tornam inertes a qquer.mudança,pois imunes que estão do cumprimento de metas,de produtividade,de competitividade e do desemprego.Portanto,não se trata de deixar de ajustar os vencimentos desses trabalhadores, mas de adequá-los aquilo que se recebe no setor privado,que exige,estimula o crescimento individual através da competitividade;impõe responsabilidades; cobra resultados e, acima de tudo, demite quem não se enquadra nos padrões esperados.

Só rindo mesmo

Marcos Alves Pintar (Advogado Autônomo - Previdenciária)

A questão da compra do avião não deixar de ser muito engraçada. Enquanto as classe média e alta compram carros de luxo para se exibirem, a classe presidencial compra aviões aos custo de milhões.

Ver todos comentários

Comentários encerrados em 27/07/2012.
A seção de comentários de cada texto é encerrada 7 dias após a data da sua publicação.