Consultor Jurídico

Notícias

Você leu 1 de 5 notícias liberadas no mês.
Faça seu CADASTRO GRATUITO e tenha acesso ilimitado.

Valorização da Carreira

Entidades de MS querem piso da advocacia em R$ 1,8 mil

Entidades que representam os advogados de Mato Grosso do Sul fixaram, nesta sexta-feira (10/8), em audiência pública no plenário da OAB-MS, o piso de R$ 1.866 para os profissionais particulares. Já a remuneração mínima para os concursados ainda será proposta.

Além do salário, os presentes sugeriram proposta para a criação de piso para os honorários sucumbenciais e de valor para advocacia de correspondência. Todas  proposições foram encaminhadas à Comissão de Fiscalização de Honorários Advocatícios da Ordem (COHA), que vai elaborar parecer técnico.

Com a aprovação do valor de R$ 1.866 como piso salarial do novo advogado e criação de piso para os advogados públicos, o Conselho da OAB-MS aguarda o parecer técnico da COHA para votar as propostas na próxima reunião.

Estiveram presentes na audiência pública a diretoria da OAB-MS, bem como os conselheiros estaduais e federais e operadores do Direito de todo o estado. A secretária-geral da seccional, Rachel de Paula Magrini Sanches, falou sobre reclamações que chegam a COHA de advogados que recebem salário de R$ 700. “Eu e o presidente da comissão [Coraldino Sanches Filho] participamos da mesma discussão na Conferência Nacional dos Advogados em Curitiba no ano passado. O problema é nacional e não pode ser ignorado, a ideia da audiência é trazer o ponto de vista de cada advogado, comissão e associação”, disse.

O advogado Yves Drosghi, presidente da Associação do Novo Advogado (ANA), discursou afirmando que prefeituras do interior e escritórios de advocacia em massa pagam salários indignos aos advogados e alguns nem recebem honorários sucumbenciais. “Chegamos ao valor de três salários mínimos (R$ 1.866) para o piso, mas também é necessário rever a contratação dos advogados, se ela será por prestação de serviço ou pela CLT”, afirmou Drosghi.

Os conselheiros estaduais Bento Adriano Monteiro Duailibi e Laudelino Balbueno Medeiros concordam com o valor fixado, mas afirmam que há necessidade de incluir no debate a criação de piso para os honorários sucumbenciais, já que “vários advogados do interior fazem audiência por R$ 50 para grandes escritórios da capital ou de outros estados”, comentou Laudelino. No caso dos advogados correspondentes, a audiência definiu que os valores devem seguir a tabela de honorários, que segue o Estatuto da Advocacia e da OAB.

O presidente da Associação dos Procuradores do Estado de Mato Grosso do Sul, Fábio Jun Capucho, elogiou a iniciativa da OAB-MS e informou que a advocacia pública tem uma peculiaridade, pois recebe uma remuneração fixa estipulada em lei, “mas também sofre com a fixação dos honorários sucumbenciais irrisórios”. Com informações da Assessoria de Imprensa da OAB-MS.

Revista Consultor Jurídico, 15 de agosto de 2012, 22h09

Comentários de leitores

3 comentários

Piso para a advocacia no ms - alternativa

Azimute (Consultor)

Penso que a grita mais evidente seja relacionada aos serviços prestados a entidades/autarquias públicas e correspondentes de escritórios de outras localidades.
Assim, talvez o petitório pudesse ser direcionado (com os números propostos) diante dos órgãos públicos (prefeituras, etc.). E pari passu, se estabelecesse SIM uma taxa digna para advogados locais representarem os escritórios, e em adição, participação deles na sucumbência e/ou nos honorários dos processos em que fossem chamados para trabalhar. Afinal, se o escritório tem proveito material em algo que postule, porque não compartilhar isso com quem o serve, à distância?

Tiro no pé

Marcos Alves Pintar (Advogado Autônomo - Previdenciária)

A aprovação dessa proposta vai excluir da advocacia 95% dos novos advogados. Um salário de R$ 1.866,00 gera uma despesa mensal de pelo menos R$3.500,00 para o empregador, considerando FGTS, INSS, férias, 13.º, etc., etc., sendo certo que a grande maioria dos jovens advogados não estão em condições de gerar esse valor a um escritório dada a fraca qualificação técnica. Vai ser mais um tiro no pé.

Basta a OAB considerar infração ética contratar abaixo deste

analucia (Bacharel - Família)

Basta a OAB considerar infração ética contratar abaixo deste piso salarial, quando o patrão for escritório de advocacia. Será que vão querer, afinal os donos da OAB são os que mais exploram os jovens advogados.

Comentários encerrados em 23/08/2012.
A seção de comentários de cada texto é encerrada 7 dias após a data da sua publicação.