Consultor Jurídico

De volta ao trabalho

MP-DF pede ao Supremo fim da greve de policiais civis

O Ministério Público do Distrito Federal pede que Supremo Tribunal Federal decrete a ilegalidade da greve dos policiais civis. Para isso, entrou com Ação Cautelar pedindo a cassação de liminar concedida pelo Tribunal de Justiça do DF ao Sindicato dos Policiais Civis (Sinpol), que assegurou o direito de greve da categoria. A ação pede, ainda, o restabelecimento integral de decisão da 8ª Vara Cível de Brasília que determinou a suspensão do movimento e o retorno imediato dos policiais civis ao trabalho.

A liminar para suspender a greve foi concedida pelo juiz de primeiro grau no âmbito de ação civil ajuizada em 24 de outubro na Justiça de Brasília. Nela, o MP-DF pedia a declaração de ilegalidade da greve, deflagrada no dia 18 daquele mês, com pedido de tutela antecipada. A 8ª Vara Civil de Brasília, entendendo que as atividades desempenhadas pelos policiais civis estão relacionadas com a manutenção da ordem pública e com a segurança pública, deferiu a tutela e determinou a suspensão da greve, fixando multa diária de R$ 100 mil em caso de descumprimento.

Esta decisão, porém, foi reformada pelo TJ-DF, que deferiu em parte liminar pedida em Agravo de Instrumento apresentada pelo Sinpol e determinou a manutenção de contingente mínimo de 70% para atendimento da população, fixando multa de R$ 50 mil, até o limite máximo de R$ 500 mil, caso a determinação fosse descumprida.

Na Ação Cautelar, o MP-DF sustenta a inconstitucionalidade e a ilegalidade da greve por policiais civis ou militares, "sob qualquer motivação, a mais relevante que seja", e afirma que a decisão do TJ de ordenar a manutenção de 70% do contingente "mitigou" a ilegalidade. O MP alega que a medida é inviável devido à dificuldade de controle de seu cumprimento, e afirma que o percentual de 70% da força policial, "mesmo quando estritamente cumprido, estaria absolutamente aquém das necessidades da sociedade brasiliense".

Observa que o próprio Sindipol considera a totalidade do efetivo insuficiente e, portanto, "dois terços dos policiais, sem contar as licenças, férias, folgas de plantões, jamais poderiam suprir os serviços essenciais atribuídos à Polícia Civil do DF".

O MP-DF chama atenção para os transtornos causados pela greve — que "continua ativíssima" — aos habitantes do DF, e cita diversos fatos noticiados na imprensa local e nacional, entre eles o caso do estudante da Universidade de Brasília (UnB) atingido por arma de choque no Senado Federal, ao protestar contra a aprovação do Código Florestal, que não pode lavrar ocorrência policial nem ser submetido a exame de corpo de delito.

Relata ainda que a juíza de Direito da 3ª Vara de Entorpecentes do DF teve, ela própria, de lavrar um auto de prisão em flagrante e em seguida conceder liberdade provisória ao detido. Também em decorrência da greve, uma audiência marcada para o dia 9 de novembro com presos processados por tráfico não pode ser realizada, obrigando o juiz à soltura dos réus.

Tais fatos, sustenta o Ministério Público distrital, "refletem a franca, inquestionável e gravíssima afronta à ordem jurídico-constitucional, à ordem administrativa, ao bem estar social e, em casos não raros, à dignidade da pessoa humana e aos interesses difusos da população do DF". Por fim, defende que a cassação da liminar e a decretação da inconstitucionalidade da greve "são formal e materialmente indispensáveis para a concreção do princípio da proteção judiciária". Com informações da Assessoria de Imprensa do STF.

AC 3.034




Topo da página

Revista Consultor Jurídico, 17 de novembro de 2011, 7h14

Comentários de leitores

0 comentários

Comentários encerrados em 25/11/2011.
A seção de comentários de cada texto é encerrada 7 dias após a data da sua publicação.