Consultor Jurídico

Caminho do desafogamento

Peluso defende redução de custas em conciliação

Peluso - cnj.jus.br

O presidente do Conselho Nacional de Justiça, ministro Cezar Peluso, defendeu, nesta segunda-feira (2/5), em São Paulo, medidas para prevenir a entrada de novas ações na Justiça. Entre elas, isentar das custas processuais os litigantes que consigam solucionar seus processos por meio da conciliação. O presidente do CNJ também sugeriu o aumento progressivo das custas na fase recursal.

“À medida em que se usa recursos, muitas vezes de caráter protelatório, as custas vão sendo elevadas”, explicou o ministro, ao abrir o seminário dos 100 maiores litigantes, promovido pelo CNJ, em São Paulo. Peluso citou como exemplo a medida tomada recentemente pelo Judiciário de Portugal, que multiplicou o valor das custas processuais para órgãos, entidades e pessoas que recorrem com mais freqüência à Justiça. “Esse não é um problema exclusivo do Brasil. Portugal editou um decreto há cerca de duas semanas para combater esse sintoma e os que estão mais acostumados a recorrer à Justiça, agora, têm que pagar mais”, completou.

Na abertura do seminário, o presidente do CNJ destacou que o Judiciário brasileiro gasta um quarto do tempo de trabalho no atendimento às ações envolvendo os 100 órgãos e entidades que mais recorrem à Justiça. “Em relação às tarefas jurisdicionais desempenhadas nos dias úteis, toda segunda e grande parte da terça-feira são dedicadas exclusivamente a esse grupo de órgãos e entidades, o que demonstra que a Justiça exaure suas forças para atender a poucas pessoas”, afirmou.

O evento, que vai até terça-feira (3/5) em São Paulo, reúne os órgãos e entidades que mais recorrem à Justiça, no intuito de reduzir o elevado número de processos em tramitação e prevenir a entrada de novas ações. Estima-se que os litígios envolvendo os cem maiores litigantes correspondam a 25% dos processos em tramitação no país. “As discussões do seminário vão dar suporte a políticas que contribuam para corrigir as distorções no funcionamento da Justiça e garantir maior eficiência e celeridade ao atendimento ao cidadão”, afirmou Peluso.

Segundo o ministro, é preciso identificar os motivos que levam os litigantes e consumidores a procurar a Justiça, para, em conjunto com todos os segmentos, trabalhar na redução desses fatores. O combate às práticas abusivas, a melhoria do sistema de concessão de créditos, o acompanhamento de projetos de lei, o incentivo às práticas consensuais e às ações coletivas são alguns dos temas que serão debatidos durante o seminário.

Em nota, o presidente da Ordem dos Advogados do Brasil, Ophir Cavalcante, considerou a ideia de aumentar as custas equivocada. Para ele, não se combate a morosidade do Judiciário com aumento de custos ou diminuição da possibilidade de recursos, mas com a melhora da gestão do Judiciário. Cavalcanti lembrou que o setor público só paga as custas no final do processo, diferentemente do cidadão comum. "É necessário se manter o amplo acesso à Justiça, e que o Judiciário faça sua parte, com melhor gestão, maior compromisso, e que acabe com juízes trabalhando de terça a quinta-feira, como acontece em muitas partes deste país."

Participaram da abertura do evento o presidente do Banco Central, Alexandre Tombini, a corregedora nacional de Justiça, ministra Eliana Calmon, os conselheiros do CNJ Milton Nobre, Nelson Thomaz Braga, Paulo de Tarso Tamburini, Walter Nunes, Morgana Richa, Felipe Locke Cavalcanti, Jorge Hélio, Jefferson Kravchychyn e Marcelo Nobre e o presidente do Tribunal de Justiça de São Paulo, José Roberto Bedran, entre outras autoridades. Com informações da Agência CNJ de Notícias

[Notícia alterada em 2 de maio de 2011, às 21h59, para acréscimo de informações.]




Topo da página

Revista Consultor Jurídico, 2 de maio de 2011, 17h54

Comentários de leitores

5 comentários

PELUSO E SUAS INVENÇÕES

Jose Antonio Dias (Advogado Sócio de Escritório - Civil)

Acredito que o ministro Peluso gosta de aparecer na mídia. Suas invenções jurídicas (sic)para mostrar serviço são geniais. Após o besteirol de declarar que todas as ações deveriam terminar na 1ª Instância, inventou que aumentar as custas dos recursos seria uma alternativa (e os pobres e remediados que não conseguirem isenção?) para acelerar o andamento dos processos, inventa esta de isentar os litigantes que optarem pela conciliação positiva. Peluso está gagá. Muitos anos como magistrado o levou a demência. Como dizia Chico Anisio, "quem inventa é um inventor". Ministro!!! Suas idéias são invenções. O nosso Poder Judiciário FALIU. Há de refazê-lo. Não adianta emendas superfluas como as que V.Exa. inventa. Para cada medida inventada por V.Exa., inúmeros recursos, em face delas, surgirão. Isto acarretará mais procrastinação nos andamentos processuais.

DAQUI A POUCO, PELUSO VAI ACABAR COM O JUDICIÁRIO

Fernando José Gonçalves (Advogado Sócio de Escritório)

Essa idéia penalizará , se aprovada, o litigante eventual, já que aos grandes pouco afetará o aumento das custas, em confronto com as vantagens da procrastinação (CUSTO X BENEFÍCIO). Não concordo com a idéia. Sou favorável a supressão das duas instâncias constitucionais, (como por ele sugerido), em prol da coisa julgada, a partir das decisões dos Tribunais de Justiça. Nada além disso.

Dr. Marcos

MSM74 (Advogado Sócio de Escritório - Civil)

Concordo plenamente com o Dr. Marcos. Realmente os artigos 17 e 18, do CPC, constituem importante instrumento para coibir as práticas protelatórias. O problema é que raríssimas vezes são aplicados pelos julgadores, tanto em primeira quanto em segunda instância. Cientes dessa rara aplicação de sanção, as empresas (Bancos, Seguradoras, companhias de telefonia, etc) recorrem injustificadamente, com propósito exclusivamente procrastinatório. Por isso costumo dizer que os Juízes têm grande parcela de culpa na situação em que se encontra o Judiciário. Não empregam o devido peso em suas canetas...

Ver todos comentários

Comentários encerrados em 10/05/2011.
A seção de comentários de cada texto é encerrada 7 dias após a data da sua publicação.