Consultor Jurídico

Notícias

Você leu 1 de 5 notícias liberadas no mês.
Faça seu CADASTRO GRATUITO e tenha acesso ilimitado.

Vagas do quinto

Novos ministros do STJ tomam posse em Brasília

Tomaram posse na tarde dessa segunda-feira (13/6), em cerimônia na sede do Superior Tribunal de Justiça, em Brasília, os três novos ministros. Eles foram os primeiros nomeados pela presidente Dilma Rousseff. São eles: Antônio Carlos Ferreira, Ricardo Villas Bôas Cueva e Sebastião Alves Júnior

Ao dar posse aos novos ministros, o presidente do STJ, ministro Ari Parglender, destacou que eles chegam ao STJ precedidos de currículos invejáveis. Os três chegam pela vaga destinada à advocacia pelo quinto constitucional.

O vice-presidente da República, Michel Temer, representou a presidente. Também estavam presentes o procurador-geral da República, Roberto Gurgel; o presidente do Senado, José Sarney; e o ministro Carlos Ayres Britto, representando o Supremo Tribunal Federal.

O paulista Antônio Carlos Ferreira, 54 anos, ocupa vaga aberta com a aposentadoria do ministro Antônio de Pádua Ribeiro, ocorrida em setembro de 2007. O também paulista Ricardo Villas Boas Cuêva, 48 anos, ficará com a vaga de Nilson Naves, aposentado em abril de 2010. Sebastião Alves dos Reis Júnior, 46 anos, mineiro, ocupa o assento do ministro Humberto Gomes de Barros, aposentado em julho de 2008.

O presidente do Conselho Federal da Ordem dos Advogados do Brasil, Ophir Cavalcante, disse que a posse “é mais uma contribuição para tornar o Tribunal da Cidadania cada vez mais humano”. Segundo ele, os três ministros chegaram ao STJ após um longo processo de seleção e estão aptos a trazer para a Corte Superior o profundo conhecimento dos dramas humanos que o exercício da profissão proporciona.

Os novos ministros iniciam suas atividades nessa terça-feira (14/6). Antônio Carlos Ferreira e Villas Bôas Cueva vão integrar, respectivamente, a 4ª e 3ª Turmas, especializadas em questões de Direito Privado. O ministro Sebastião Alves Júnior vai compor a 6ª Turma, competente para julgar casos de Direito Penal e Previdenciário. Com informações da Assessoria de Imprensa do Superior Tribunal de Justiça.

Revista Consultor Jurídico, 13 de junho de 2011, 18h24

Comentários de leitores

0 comentários

Comentários encerrados em 21/06/2011.
A seção de comentários de cada texto é encerrada 7 dias após a data da sua publicação.