Consultor Jurídico

Exigências do concurso

Candidato empossado terá de refazer psicotécnico

A 2ª Turma do Superior Tribunal de Justiça reformou decisão do Tribunal Regional Federal da 1ª Região, que que deu a um candidato o direito de tomar posse em cargo de policial, embora tenha sido reprovado em exame psicotécnico. Apesar de haver previsão do exame psicológico em lei e no edital, o TRF-1 considerou que os critérios de avaliação usados eram subjetivos e que isso prejudicou o candidato, pela impossibilidade de conhecer claramente os motivos da sua reprovação e de formular eventual recurso.

O candidato prestou concurso público para o cargo de policial rodoviário federal, na Bahia, e foi reprovado no exame psicotécnico, exigido de todos os aprovados na fase anterior. Insatisfeito com o resultado, entrou na Justiça sem ter impugnado, anteriormente, as cláusulas do edital relacionadas ao exame.

O ministro Castro Meira, relator do recurso interposto pela União no STJ, concordou com o TRF-1 sobre a inadequação dos critérios de avaliação utilizados no exame psicotécnico. Para o TRF-1, a inaptidão e consequente reprovação do candidato no exame não tiveram motivação adequada, transparente e convincente. E a jurisprudência do STJ afirma que o exame psicotécnico deve seguir critérios objetivos que permitam ao candidato a interposição de recurso.

Porém, o relator discordou da decisão tomada pelo TRF-1 no ponto em que possibilitou ao candidato tomar posse sem a necessidade de ser submetido a nova avaliação. Segundo o ministro, essa medida não respeitou a isonomia no concurso, tendo em vista que todos os demais candidatos tiveram que se sujeitar ao exame psicotécnico.

Ao considerar a finalidade do exame psicotécnico e os princípios da legalidade, da isonomia e da proporcionalidade, o ministro afirmou que representaria um privilégio autorizar o provimento do candidato sem que ele participasse de todas as etapas do concurso, exigidas por lei.

O STJ já teve a oportunidade de decidir, por diversas vezes, a respeito da necessidade de objetividade na aplicação de exame psicotécnico, consignando que “a legalidade do exame psicotécnico em provas de concurso público está condicionada à observância de três pressupostos necessários: previsão legal, cientificidade e objetividade dos critérios adotados, e possibilidade de revisão do resultado obtido pelo candidato” (Ag 1.291.819).

Diante disso, a 2ª Turma determinou que o candidato faça novo exame psicotécnico, com obediência a critérios objetivos de avaliação e possibilidade de revisão do resultado obtido. Com informações da Assessoria de Imprensa do STJ.

REsp 1250864
AG 1291819




Topo da página

Revista Consultor Jurídico, 25 de julho de 2011, 11h24

Comentários de leitores

1 comentário

Psicotécnico e psicotrópico...

Deusarino de Melo (Consultor)

Este assunto requer, em verdade e sem embargo, uma atenção das mais refinadas... Há gente que passa no psicotécnico e não tem a mínima condição diante de certas reações ou de quando evitar certos atos, como atirar, por exemplo...
E há pessoas reagem muito bem, mesmo tendo problemas comn disfunções psíquicas. TUDO DEPENDE DA ÍNDOLE da pessoa. E para tal, infelizmente, não há exame que dê resultado válido.
É preciso acompanhar o cidadão desde a infânciaq e é isso que falta no BRASIL e no mundo!!!
Aprendam, meus amigos, com humildaqde e seriedade!

Comentários encerrados em 02/08/2011.
A seção de comentários de cada texto é encerrada 7 dias após a data da sua publicação.