Consultor Jurídico

Artigos

Você leu 1 de 5 notícias liberadas no mês.
Faça seu CADASTRO GRATUITO e tenha acesso ilimitado.

Rigor do traje

Advogado militante dá valor ao terno e a gravata

Por 

O traje denominado passeio completo, consistente de terno e gravata, para os homens, já, há muito, foi questionado em nome do calor insuportável. A indumentária tradicional foi abolida em alguns segmentos e vejam no que deu. Os estudantes universitários, obrigatoriamente, vestiam-se com terno e gravata. A permissividade extinguiu o paletó, depois a gravata, em seguida, as camisas sociais e hoje frequenta-se as Faculdades de bermuda, saída de praia, camiseta regata e chinelo.

Houve época, também, em que não era permitido nos Fóruns e Tribunais que as mulheres trajassem calça comprida, até que foi liberado seu uso, sendo um passo para os “legings”, moletons, shortinhos, topes e até cangas.

Que os jovens, como eu no início da carreira, se rebelem contra certos hábitos e costumes é plenamente aceitável e previsível. Porém, inconcebível que pessoas amadurecidas não enxerguem a necessidade de preservar tradições, em confronto com experiências anteriores.

A farda, o terno e gravata, o jaleco, o uniforme, em geral, tem a finalidade de padronizar e dar aparência de organização, a fim de que não ocorram os abusos que já se manifestaram outrora e caminham a passos largos. Atendem ao necessário protocolo no desempenho das respectivas funções.

Lembro, ainda, que, tempos idos, era obrigatório, ou pelo menos de boa prática, o traje “passeio completo” para os passageiros de avião. Atualmente vemos homens e mulheres seminus, encostando seus corpos suados nos ocupantes dos minúsculos assentos geminados. Bons tempos quando era politicamente correto ser bem vestido.

A Ordem dos Advogados do Brasil tem plena prerrogativa para estabelecer os trajes dos advogados que circulam nas respectivas seccionais, mas, até onde sei, nas suas sessões exige-se traje passeio completo.

Nos Tribunais Superiores e até no CNJ, departamento do STF, há obrigatoriedade do terno e gravata e as mulheres devem trajar blazer. No Congresso Nacional e Assembléias Legislativas, idem. Tudo para não abrir caminho para trajes extravagantes e inoportunos. Apenas alguns membros do Executivo, dando pouca importância aos cargos que ocupam, insistem em trajarem-se como bêbados em fim de festa.

Os Tribunais e gabinetes dos juízes constituem locais litúrgicos onde são tratados assuntos de relevante seriedade para a população, sendo ambientes que exigem sobriedade. Têm-se, mais uma vez, oportunistas aproveitando-se de factóides para promoverem-se.

Ressalte-se que a obrigatoriedade do terno e gravata no Judiciário é para os profissionais do direito nas salas de audiência, gabinetes e nos Tribunais, sendo que tal “sacrifício” não se exige no acesso aos cartórios e secretarias para acompanhamento dos processos, bem como das partes e testemunhas quando convocadas.

Aliás, nos mais de 30 anos que exerci a advocacia vi os humildes fazerem questão de se apresentar bem trajados, muitos de terno e gravata, mesmo alertados sobre a desnecessidade, pois diziam eles: “A Justiça é um lugar importante”.

Eles têm razão. Quem gosta de excentricidade é rico, que adora brincar de pobre, pois este gosta de vestir-se bem, mas nem sempre pode. Quem defende a irreverência não são os advogados militantes.

Benedicto Abicair é desembargador do Tribunal de Justiça do Rio de Janeiro, oriundo do quinto constitucional da OAB-RJ, da qual foi conselheiro. Exerceu a advocacia, sem outra atividade remunerada, por mais de 30 anos.

Revista Consultor Jurídico, 14 de julho de 2011, 11h28

Comentários de leitores

24 comentários

Farda, não! Elegância e competência, sim!

Deusarino de Melo (Consultor)

O advogado, já tão mal visto e comentado em inúmeras oportunidades, se deixar de apresentar-se sem um mínimo de elgância, acaba largado aos porcos...
Fazem bem e mostram bem seu currículo e manutenção de carreira, aqueles que bem trajados se postam diante das cortes e do próprio povo. Ou não?

Temperança

marcoslawyer (Advogado Sócio de Escritório - Consumidor)

Nada como o equilíbrio e o bom senso. Não deveria haver dúvidas quanto à excepcionalidade de não se usar o dito "traje passeio completo", afinal nos tribunais se espera sobriedade dos seus frequentadores. Afinal, quem quiser assistir a desfiles de modas deve procurar o local apropriado para tal. Nos tribunais, o foco é outro e bem mais sério... Porém, em razão do tema ser polêmico, a sugestão é que fosse realizada uma consulta ampla e democrática aos verdadeiros interessados, os advogados, para que estes se manifestassem sobre o assunto.
Marcos Cruz dos Santos - Advogado - OABRJ 143175

Temperança

marcoslawyer (Advogado Sócio de Escritório - Consumidor)

Nada como o equilíbrio e o bom senso. Não deveria haver dúvidas quanto à excepcionalidade de não se usar o dito "traje passeio completo", afinal nos tribunais se espera sobriedade dos seus frequentadores. Afinal, quem quiser assistir a desfiles de modas deve procurar o local apropriado para tal. Nos tribunais, o foco é outro e bem mais sério... Porém, em razão do tema ser polêmico, a sugestão é que fosse realizada uma consulta ampla e democrática aos verdadeiros interessados, os advogados, para que estes se manifestassem sobre o assunto.
Marcos Cruz dos Santos - Advogado - OABRJ 143175

Ver todos comentários

Comentários encerrados em 22/07/2011.
A seção de comentários de cada texto é encerrada 7 dias após a data da sua publicação.