Consultor Jurídico

Notícias

Você leu 1 de 5 notícias liberadas no mês.
Faça seu CADASTRO GRATUITO e tenha acesso ilimitado.

Interesses difusos

Defensoria não pode propor Ação Civil Pública

A proposição de Ação Civil Pública é atribuição do Ministério Público. Com esse entendimento, a 6ª Câmara Cível do Tribunal de Justiça do Rio Grande do Sul acatou a tese do procurador de Justiça Roberto Bandeira Pereira de que a Defensoria Pública não tem legitimidade para propor ACP para tutela de interesses difusos. O relator do caso foi o desembargador Sérgio Fernando de Vasconcellos Chaves.

O caso tratava de uma ACP da Defensoria Pública, que cuidava da criação do Conselho Tutelar no município de Bagé. Porém, o Ministério Público recorreu, alegando que não é da competência da Defensoria a medida. A tese estava fundamentada na Ação Direta de Inconstitucionalidade (ADI) 3.943, ajuizada pela Associação Nacional dos Membros do Ministério Público (Conamp) no Supremo Tribunal Federal. Na ADI, é questionada a legitimidade da Defensoria Pública para propor Ação Civil Pública.

Segundo os autos, a Conamp alegou que a possibilidade da Defensoria Pública propor, sem restrição, Ação Civil Pública "afeta diretamente" as atribuições do Ministério Público. Segundo a Conamp, a lei contraria os artigos 5º, LXXIV , e 134, da Constituição Federal, que versam sobre as funções da Defensoria Pública de prestar assistência jurídica integral e gratuita aos que não possuem recursos suficientes.

Por fim, a 6ª Câmara Cível, ao julgar a apelação civil, acolheu parecer do procurador de Justiça Roberto Bandeira Pereira, defendendo a ilegitimidade ativa da Defensoria Pública do estado do Rio Grande do Sul para propor ACP relativa à defesa de interesses difusos, imprecisos e abstratos, como se qualifica o direito tutelado na ação mencionada. Com informações da Assessoria de Imprensa do MP-MG.

Revista Consultor Jurídico, 25 de janeiro de 2011, 10h00

Comentários de leitores

5 comentários

Defensoria não pode propor Ação Civil Pública!

Jorge Cesar (Advogado Autônomo - Internet e Tecnologia)

HEIL HITLER!!

Ora, a defensoria quer monopólio de pobre e não aceita

daniel (Outros - Administrativa)

A Defensoria alega que é privativo o seu atendimento para carentes (monopólio) e não aceita que o MP alegue a defesa dos direitos coletivos. Os abusos da Defensoria são tantos que até tenta impedir que Municípios prestem assistência jurídica, ou seja, o municipio pode ajuizar ação coletiva, mas não pode prestar assistência jurídica. Temos legitimados para ação coletiva e apenas um para assistência jurídica.
Ou seja, a Defensoria alega uma coisa e faz outra.
Se o Estado pode ter duas Instituições para ajuizar ação coletiva, então pode ter outras para prestar assistência jurídica e não apenas a Defensoria.

PARABÉNS MINISTÉRIO PÚBLICO !!! !!!

Jorge Cesar (Advogado Autônomo - Internet e Tecnologia)

PARABÉNS MINISTÉRIO PÚBLICO !!!
GRAÇAS A DEUS AS CRIANÇAS DE BAGÉ (RS) FICARÃO SEM UM CONSELHO TUTELAR !!!
PARABÉNS !!!
VIVA AO BRASIL !!! !!!
VIVA!!! !!!
VIVA...

Ver todos comentários

Comentários encerrados em 02/02/2011.
A seção de comentários de cada texto é encerrada 7 dias após a data da sua publicação.