Consultor Jurídico

Notícias

Você leu 1 de 5 notícias liberadas no mês.
Faça seu CADASTRO GRATUITO e tenha acesso ilimitado.

Única particular

Direito GV conquista nota máxima do MEC

A Escola de Direito de São Paulo da Fundação Getulio Vargas está entre as 25 instituições que receberam nota 5 no Índice Geral de Cursos (IGC), calculado pelo Ministério da Educação (MEC), referente a 2009. É a única unidade privada com foco no ensino de Direito a receber o conceito máximo. Os dados foram divulgados nesta quinta-feira (13/1).

O diretor da Direito GV, Ary Oswaldo Mattos Filho, afirmou que o resultado é importante, pois demonstra o esforço de professores, alunos e funcionários na busca por se ofertar uma maneira alternativa para o ensino do Direito, “tentando adequá-lo ao Brasil atual e ao Brasil que se quer transformar”.

O IGC monitora a qualidade dos cursos de graduação no país e divide as instituições por totais contínuos que vão de 0 a 500 pontos, em faixas que vão de 1 a 5. Avaliações abaixo de três são consideradas insatisfatórias pelo MEC. O cálculo é feito a partir do desempenho dos alunos no Exame Nacional de Desempenho de Estudantes (Enade), da avaliação dos programas de pós-graduação pela Coordenação de Aperfeiçoamento de Pessoal de Nível Superior (Capes) e também considera a titulação do corpo docente, recursos didáticos e pedagógicos, planos de ensino e a percepção dos alunos em relação à infraestrutura.

Das 25 instituições com nota 5, 14 são públicas. Todas estão concentradas em seis estados: Espírito Santo, Minas Gerais, Rio de Janeiro, Rio Grande do Sul, Santa Catarina e São Paulo.

Balanço
De acordo com informações publicadas pelo Portal G1, 33% das 2.137 instituições de ensino superior avaliadas ficaram abaixo da média, com nota 1 e 2. O ministro da Educação, Fernando Haddad, afirmou que as 12 piores serão inspecionadas emergencialmente no início das aulas e poderão ser descredenciadas.

A instituição com maior índice contínuo (487) é a Escola Brasileira de Economia e Finanças (Ebef), do Rio de Janeiro, vinculada à Fundação Getúlio Vargas. A Faculdade de Administração de Empresas (Facamp) foi a segunda colocada, com 474 pontos. Ambas são particulares. A Universidade Federal de São Paulo (Unifesp) manteve a liderança no ranking entre as universidades e instituições públicas, com 440 pontos. A Universidade de São Paulo (USP) e a Universidade Estadual de Campinas (Unicamp) não têm IGC, pois não participavam do Enade. A Unicamp começou a participar do exame em 2010.

Foram avaliadas 2.137 universidades, centros universitários e outras faculdades. Dessas, 344 (16,1%) não tiveram nenhum conceito. Segundo o MEC, elas não tiveram a participação mínima de dois alunos ingressantes e dois alunos concluintes nos cursos avaliados pelo Enade. Assim, não puderam receber o conceito Enade. A maioria das instituições (945, 44,22% do total) recebeu nota três.

Dados do Censo da Educação Superior 2009, divulgados nesta quinta pelo MEC e publicados no jornal O Estado de São Paulo, apontam que os cursos de Administração, Pedagogia, Direito e Engenharia concentram quase metade das matrículas do ensino superior do país. Enfermagem, Ciências Contábeis, Comunicação Social, Letras, Educação Física e Ciências Biológicas completam a lista dos dez cursos mais populares.

Instituições com nota 5
Escola de Direito de São Paulo (SP) – privada
Fundação Universidade Federal de Viçosa (MG) – pública
Universidade Federal de Minas Gerais (MG) – pública
Universidade Federal do Rio Grande do Sul (RS) – pública
Universidade Federal do Rio de Janeiro (RJ) – pública
Universidade Federal de São Paulo (SP) – pública
Universidade Federal de Lavras (MG) – pública
Universidade Federal do Triângulo Mineiro (MG) – pública
Fundação Universidade Federal de Ciências da Saúde de Porto Alegre (RS) - pública
Centro Universitário Municipal de São José (SC) – pública
Faculdade de Medicina de São José do Rio Preto (SP) – pública
Escola de Administração de Empresas de São Paulo (SP) – privada
Instituto Tecnológico de Aeronáutica (SP) – pública
Instituto Militar de Engenharia (RJ) – pública
Faculdade Jesuíta de Filosofia e Teologia (MG) – privada
Escola de Governo Professor Paulo Neves de Carvalho (MG) – pública
Faculdade de Economia e Finanças IBMEC (RJ) – privada
Instituto de Ensino e Pesquisa (SP) – privada
Faculdade de Administração de Empresas (SP) – privada
Escola Brasileira de Administração Pública d De Empresas (RJ) – privada
Escola de Economia de São Paulo (SP) – privada
Faculdade de Odontologia São Leopoldo (SP) – privada
Faculdade Fucape (ES) – privada
Escola Brasileira de Economia e Finanças (RJ) – privada
Universidade Federal de São Carlos (SP) – pública

Revista Consultor Jurídico, 14 de janeiro de 2011, 9h19

Comentários de leitores

2 comentários

VER-GO-NHA ! ! !!

Richard Smith (Consultor)

Que vergonha para uma meia dúzia de cursos por aí, geralmente de universidades federais e estaduais que pretendem "conscientizar!", "formar o homem novo!", achar uma alternativa ao "mercado explorador" e outras babaquices esquerdopatas! A facosa surgiu ainda ontem e disse a que veio. No final das contas, quanto valerá um "canudo" da GV ante ao de tantas e tantas outras por aí, inclusive aquelas do PROUNI, alimentadas a lei de pata com os nossos impostos (privatização?!!!) e que fingem que ensinam? Para pensarmos um pouquinho (putz, esqueci, esquerdopatas não pensam, senão o que o diretório permite "pensar")...

Direito GV obtém conceito máximo no IGC do Ministério da Edu

gontran silveira (Advogado Assalariado - Tributária)

Realmente a Direito GV (GVlaw) é uma Instituição diferenciada. Seus cursos (Pós-graduação, Graduação, Especialização e Educação Continuada) são de uma excelência ímpar. Suas instalações são diferenciadas e seu Corpo Docente altamente qualificado. Quem já teve a oportunidade de realizar qualquer dos cursos citados, concordará com meu comentário.
Agradeço a Direção dessa conceituada Instituição pelos conhecimentos adquiridos nos Módulos que cursei.
Gontran Silveira.

Comentários encerrados em 22/01/2011.
A seção de comentários de cada texto é encerrada 7 dias após a data da sua publicação.