Consultor Jurídico

Carteira de advogados

Assembleia Legislativa de SP mantém conselho gestor

A Assembleia Legislativa de São Paulo aprovou, na quarta-feira (24/3), por 56 a 16 votos, a Emenda Aglutinativa Substitutiva 30 ao Projeto de Lei 1.322, que extingue a Carteira de Previdência da Serventias não Oficializadas da Justiça do Estado e dá outras providências ao Ipesp. E ainda: mantém a competência do Conselho Gestor da Carteira dos Advogados.

Segundo a OAB de São Paulo, o Instituto de Previdência do Estado de São Paulo (Ipesp) passa a ter nova denominação, Instituto de Pagamentos Especiais de São Paulo, mantendo a sigla e suas atribuições de natureza não-previdenciárias.

De acordo com o projeto, o Ipesp atenderá as necessidades da Carteira dos Advogados e Carteira das Serventias. Também cria o quadro de pessoal do Ipesp, composto de subquadro de empregos públicos de confiança.

A OAB-SP, a Associação dos Advogados de São Paulo e o Intituto dos Advogados de São Paulo reuniram-se inúmeras vezes com a presidência e líderes partidários da Assembléia Legislativa buscando alterar o projeto.

“Inicialmente, o PL fazia referências indevidas à Carteira  dos Advogados no Ipesp. Tirava competência do Conselho gestor, entregando-a para o superintendente do Ipesp. As entidades da Advocacia reagiram, objetivando a manutenção da competência do Conselho, o que acabou sendo aprovado pelo plenário, graças à negociação encaminhada”, lembrou o presidente da OAB-SP, Luiz Flávio Borges D´Urso.

Na avaliação de Marcio Kayatt, presidente do Conselho da Carteira dos Advogados do Ipesp, “o grande mérito dessa negociação foi reforçar a competência do Conselho da Carteira dos Advogados, ao mesmo tempo em que criou uma estrutura administrativa para o Ipesp, de forma a permitir o atendimento mais  adequado aos contribuintes da Carteira". Com informações da Assessoria de Imprensa da OAB de São Paulo.




Topo da página

Revista Consultor Jurídico, 25 de março de 2010, 18h56

Comentários de leitores

0 comentários

Comentários encerrados em 02/04/2010.
A seção de comentários de cada texto é encerrada 7 dias após a data da sua publicação.