Consultor Jurídico

Notícias

Você leu 1 de 5 notícias liberadas no mês.
Faça seu CADASTRO GRATUITO e tenha acesso ilimitado.

Nova função

Eliana Calmon assume Corregedoria da Justiça

Eliana Calmon Alves - U.Dettmar/STJDepois de 32 anos atuando como juíza, Eliana Calmon se despediu do Superior Tribunal de Justiça para assumir o cargo de corregedora nacional de Justiça. A sessão de julgamentos da 1ª Seção na última quarta-feira (25/8) marcou a despedida da ministra. O presidente da Seção, ministro Teori Albino Zavascki, iniciou o coro de agradecimento e felicitações que se seguiu — além dele e do ministro Castro Meira, o representante do Ministério Público Federal, um membro da advocacia e outro da advocacia pública aderiram às homenagens.

O ministro Teori descreveu como “inestimável” a colaboração e o enriquecimento que as posições da ministra Eliana Calmon sempre trouxeram à 1ª Seção, colegiado que integra desde que chegou ao STJ, em 1999. “Foram marcas importantes e indeléveis”, disse. O ministro também afirmou que os colegas sentirão falta do seu talento, trabalho e garra nas sessões de julgamento. “Desejamos sucesso na missão que Vossa Excelência tem pela frente. Sabemos que está dotada de todas as ferramentas que terá de usar”.

Igualmente, o ministro Castro Meira, representando os ministros da 2ª Turma, órgão em que a ministra Eliana Calmon atua, rendeu homenagens. Revelou sua admiração pela colega e reconhecimento pela independência e bravura com que sempre atuou, mesmo antes de chegar ao STJ.

Com a voz embargada, a ministra disse que sai triste da 1ª Seção porque, em 32 anos de magistratura, nunca deixou de julgar em um só dia, com felicidade e com satisfação. “Assumir o CNJ é, para mim, um desafio. Este é um momento difícil pra mim, mesmo sabendo que fui eu quem escolheu este caminho”.

Ela contou que se sentiu desafiada porque é uma crítica ferrenha do Judiciário. “Eu não poderia deixar a magistratura sem dar uma contribuição na área que mais critico, que é a gestão do Poder Judiciário. Para ter legitimidade tudo o que venho dizendo todo este tempo, tive de assumir o compromisso de dar uma contribuição”, concluiu.

A ministra Eliana Calmon ainda continuará participando da Corte Especial enquanto acumular o cargo de corregedora nacional de Justiça no CNJ. O mandato é de dois anos. Com informações da Assessoria de Imprensa do STJ.

Foto: U.Dettmar/STJ

Revista Consultor Jurídico, 26 de agosto de 2010, 17h49

Comentários de leitores

1 comentário

Sucesso

Carviso. (Advogado Autônomo)

Essa é"porreta". Sai o min. Gilson Dipp que teve uma brilhante atuação e entra a min. Eliana: pulso forte, combativa e sem medo de encarar desafios e desafetos. Sucesso é só o que se pode desejar.

Comentários encerrados em 03/09/2010.
A seção de comentários de cada texto é encerrada 7 dias após a data da sua publicação.