Consultor Jurídico

Reta final

Raul Araújo Filho é indicado para ministro do STJ

O desembargador Raul Araújo Filho é o mais novo indicado para ministro do Superior Tribunal de Justiça. Cearense como o presidente da corte, ministro Cesar Asfor Rocha, Raul Araújo entra para assumir a vaga deixada pelo ministro Paulo Gallotti, que se aposentou no ano passado.

Após a publicação da indicação no Diário Oficial da União, o nome segue para o Senado Federal, onde o indicado será sabatinado pelos componentes na Comissão de Constituição e Justiça. Sendo aprovado, o nome vai para votação em Plenário.

A eleição para a escolha dos nomes dos três integrantes de tribunais de Justiça para ocupar a vaga ocorreu em 11 de novembro do ano passado. O presidente da República, Luiz Inácio Lula da Silva, indicou Raul Araújo para assumir o cargo.

Integrante do Tribunal de Justiça do Ceará, Raul Araújo Filho foi eleito na primeira votação, juntamente com o desembargador Marcus Vinícius de Lacerda Costa, do Tribunal de Justiça do Paraná. Em segunda votação, foi escolhido o desembargador José Antonino Baía Costa, do Tribunal de Justiça de Minas Gerais.

Perfil
Raul Araújo Filho nasceu em Fortaleza, tem 50 anos e fez carreira no Ceará. Graduado pela Faculdade de Direito da Universidade Federal do Ceará e em Economia pela Universidade de Fortaleza, é desembargador do Tribunal de Justiça cearense e professor do curso de Direito da Unifor. Antes de compor o TJ, foi advogado e procurador-geral do Estado. É especialista em Ordem Jurídica Constitucional pelo Curso de Mestrado em Direito Público da Faculdade de Direito da UFC. Com informações da Assessoria de Imprensa do STJ.




Topo da página

Revista Consultor Jurídico, 6 de abril de 2010, 1h11

Comentários de leitores

6 comentários

Ronaldinho Gaúcho

MARCELO-ADV-SE (Advogado Associado a Escritório)

Ah!
Quanto ao fato de o futuro Ministro ser um "ilustre desconhecido", passarei a fazer campanha para Ronaldinho Gaúcho ser Ministro do STJ.

Indicações Políticas

MARCELO-ADV-SE (Advogado Associado a Escritório)

Adiro aos demais quanto à prevalência de Desembargadores oriundos do quinto constitucional na composição do STJ, e que isso é pernicioso, da forma como atualmente está disseminado.
O que não posso concordar é com o fato de que APENAS tais indicações sejam impregnadas de componentes políticos.
Não e não.
Todas as ascensões na magistratura _exceção ao critério de antiguidade_ são carregadas de componentes políticos, seja nos Tribunais de instâncias ordinárias, seja quanto ao acesso ao Superior Tribunal de Justiça, em qualquer das cotas.
Também não penso que o mais votado tenha de ser, necessariamente, o escolhido, pois, se assim o fosse, despicienda seria uma lista com três nomes para a escolha do Presidente da República.

Ministros do STJ: só egressos da Advocacia e MP?

Iorio D'Alessandri (Juiz Federal de 1ª. Instância)

Havia três nomes na lista tríplice: Marcus Vinicius de Lacerda Costa (PR), Raúl Araújo Filho (CE) e José Antonino Baía Costa (BA).
O mais votado na composição da lista foi Marcus, com 20 votos; depois, veio Raúl, com 17 votos; José obteve 14 votos na primeira votação, e 16 em segundo escrutínio.
Dos três, o único que é Juiz de carreira (isto é, o único que não era Advogado que virou Desembargador pela regra do quinto) é José.
Assim - e ressalvando que não conheço (e não torço por) nenhum dos três - o Presidente Lula conseguiu, numa só tacada, desprestigiar a Magistratura de carreira (ao não nomear José) e o STJ (ao não escolher o mais votado, como vinha sendo a prática).
Fato é que o STJ virou uma corte integrada majoritariamente por Advogados que viraram Desembargadores pelo quinto, e por membros do MP... O segundo Tribunal mais importante do País quase não tem Juízes de carreira em sua composição, e parece que todo mundo acha isso normal e bom, porque ninguém se insurge.

Ver todos comentários

Comentários encerrados em 14/04/2010.
A seção de comentários de cada texto é encerrada 7 dias após a data da sua publicação.