Consultor Jurídico

Notícias

Você leu 1 de 5 notícias liberadas no mês.
Faça seu CADASTRO GRATUITO e tenha acesso ilimitado.

Litigância de má-fé

Advogado de órgão público não pode ser multado

A Justiça não pode aplicar multa por litigância de má-fé contra advogado de órgão público. A sanção deve ser direcionada à instituição. A conclusão, desta quarta-feira (20/5), é do Supremo Tribunal Federal.

A decisão foi tomada no julgamento de duas Reclamações, relatadas pela ministra Cármen Lúcia e julgadas procedentes pela corte, com voto divergente do ministro Marco Aurélio. A primeira delas, proposta pelo INSS e pelo procurador federal Mateus Gonçalves Louzada, lotado naquele órgão, questionava decisão da juíza federal da 32ª Vara do Juizado Especial Federal Cível de Belo Horizonte, que impôs multa pessoal ao procurador.

O instituto e o procurador alegavam que a aplicação de multa pessoal a advogado público sob o argumento de litigância de má-fé nada mais é do que um subterfúgio para se desrespeitar o conteúdo essencial da decisão proferida pelo STF na Ação Direta de Inconstitucionalidade 2.652, que tratou de multa por descumprimento de determinação judicial.

No julgamento da ADI, o Supremo reconheceu ser inviável a aplicação da multa pessoal, prevista no artigo 14, parágrafo único, do Código de Processo Civil, aos advogados privados ou públicos. O dispositivo do CPC trata da aplicação de multa a advogados que criarem embaraços à efetivação de decisões judiciais.

A Reclamação foi proposta em abril de 2007 e, no dia 9 de maio daquele ano, a ministra Cármen Lúcia concedeu liminar, suspendendo o pagamento da multa. Naquela ocasião, assim como em seus votos desta quarta-feira (20/5), ela se reportou a diversos precedentes do STF sobre o assunto. Entre eles, relacionou a RCL 5.865, relatada por ela própria; 5.941, relatada pelo ministro Eros Grau; 5.746, relatada pelo ministro Menezes Direito; e 4.656, relatada pelo ministro Joaquim Barbosa.

Na Reclamação 7.181, o INSS questiona decisão semelhante do juiz federal da 16ª Vara Federal da Subseção de Juazeiro do Norte (CE). Também nesta causa, ajuizada em novembro passado, a ministra Cármen Lúcia concedeu liminar suspendendo o pagamento da multa. Com informações da Assessoria de Imprensa do Supremo Tribunal Federal.

Rcl 5.133 e Rcl 7.181

Revista Consultor Jurídico, 21 de maio de 2009, 5h52

Comentários de leitores

4 comentários

Erga omnes - Assessor de Ministro do STF (Assessor Técnico)

Sérgio Niemeyer (Advogado Sócio de Escritório - Civil)

O senhor deveria fazer um cursinho de interpretação de texto para aprender a entender a língua portuguesa.
.
O parágrafo único do art. 32 do EAOAB diz que o advogado responde solidariamente com o cliente por lide temerária desde que haja entre eles um conluio adrede perpetrado para lesar a parte contrária. Evidentemente que o comando legal refere-se ao dolo lesivo. E mais, essa solidariedade, para produzir os efeitos previstos na lei, depende ainda da apuração daquele “animus nocendi”, que por sua vez deve realizar-se em ação autônoma.
.
Conclusão: na própria ação em que o advogado atuou, ele jamais poderá ser condenado por litigância de má-fé, a menos, é claro, da vontade arbitrária de algum magistrado mal-assessorado por um assessor que não entende o que lê. Quando muito, a parte, em favor de quem deve reverter a multa por litigância de má-fé, se não tiver êxito em executar o patrimônio do seu antagonista em busca da satisfação do crédito, poderá propor ação de conhecimento contra o advogado sob a alegação da solidariedade, mas par que esta seja declarada, será necessário provar o conluio entre o advogado e a parte condenada como “improbus litigator”, o dolo que os junge numa comunhão de propósito, o que convenhamos, é diabólico.
.
Mudando de assunto, o epíteto escolhido pelo senhor parece sugerir que não gosta de ser contraditado, que se pensa acima de todos. Será isso correto? Se for, far-lhe-ia bem menos megalomania e mais estudo da língua portuguesa.
(a) Sérgio Niemeyer
Advogado – Mestre em Direito e doutorando pela USP – Professor de Direito – Palestrante – Parecerista – sergioniemeyer@adv.oabsp.org.br

Advogado responde por litigância de má fé...

Erga omnes - Assessor de Ministro do STF (Assessor Técnico)

Parágrafo único, do art. 32, do Estatuto da Advocacia.

É um tema árido

omartini (Outros - Civil)

Litigância de má fé sequer submeteu advogado à condenação por Conselho de Ética da OAB, por sabido.
E ética é uma questão de atitude!

Ver todos comentários

Comentários encerrados em 29/05/2009.
A seção de comentários de cada texto é encerrada 7 dias após a data da sua publicação.