Consultor Jurídico

Arrecadação menor

PSS contesta privatização de transmissoras de energia

O PPS recorreu ao Supremo Tribunal Federal para tentar suspender o Decreto presidencial 5.146/04, que determinou a interligação de diversas linhas de transmissão de energia elétrica no país e incluiu esses empreendimentos de transmissão no Programa Nacional de Desestatização. A norma determina ainda que cabe à Aneel (Agência Nacional de Energia Elétrica) a responsabilidade pela licitação para contratar serviços públicos de transmissão de energia e também pela outorga das concessões.

Roberto Freire, presidente do partido, explica que a norma determinou a interligação das linhas de transmissão das regiões Norte e Centro-Oeste, o que causaria imensos transtornos ao estado de Rondônia, por violar a competência estadual de arrecadar o ICMS sobre as operações em seu território. Com a construção das novas linhas de transmissão, o PPS acredita que Rondônia deve perder cerca de R$ 16 milhões por mês na arrecadação do imposto sobre as construções em si e também sobre o consumo de combustíveis, que deve ser reduzido.

O decreto, salienta Freire, desrespeita o artigo 155, II, da Constituição Federal, que afirma ser de competência dos estados instituir, “sem quaisquer interferências federais”, impostos sobre operações relativas à circulação de mercadorias, para prover suas necessidades.

Ao interligar as linhas de transmissão, “o decreto invadiu o rígido esquema de repartição de competências institucionais, porque, nos assuntos em que a Carta da República reservou aos estados nenhuma outra pessoa política de direito público interno pode interferir”, frisou o presidente do PPS.

Para Roberto Freire, o decreto também seria incompatível com o caput do artigo 1º da Constituição Federal, que “consagra o princípio federativo”. Assim, o PPS pede a declaração de inconstitucionalidade do Decreto presidencial 5.146/2004, modificado pelo Decreto 5.198/2004.

Privatização

O DEM também questionou a inclusão de transmissores de energia no Programa Nacional de Desestatização do governo federal. Para o partido, fere o princípio da competência estadual ao arrecadar imposto sobre as operações de circulação de mercadorias. A Ação Direita de Inconstitucionalidade apresentada ao Supremo Tribunal Federal pede a suspensão do Decreto 6.161/07, com redação alterada pelo Decreto 6.267/07.

A norma dispõe sobre a inclusão e exclusão, no Programa Nacional de Desestatização, de empreendimentos de transmissão de energia elétrica integrantes da Rede Básica do Sistema Elétrico Interligado Nacional.

O partido alega que o artigo 1º, inciso IV, a, b, c, do mencionado Decreto, que dispõe sobre a interligação das linhas de transmissão das regiões Norte e Centro-Oeste, violou o artigo 155, II, da Constituição Federal, ao invadir competência tributária dos estados daquelas regiões.

ADI 4.051




Topo da página

Revista Consultor Jurídico, 15 de março de 2008, 0h01

Comentários de leitores

1 comentário

A OAB deveria, urgentemente, tratar da indicaçã...

Embira (Advogado Autônomo - Civil)

A OAB deveria, urgentemente, tratar da indicação do Dr. Roberto Freire para juiz de algum tribunal, mediante a via do “quinto constitucional”. O parlamentar tem pautado seu mandato por reiteradas postulações perante a Suprema Corte, contra o Executivo. Isso evidencia pendor pela atividade judiciária e, ao mesmo tempo, descaso pela legislativa. Acrescente-se a isso o fato do PPS, atualmente, não ter identidade ideológica. Oriundo do antigo PCB, vota sistematicamente com a oposição, mas, estranhamente, insurge-se contra qualquer privatização. O mais grave é que, se continuar assim, a Suprema Corte poderá transformar-se em escritório de despachos do Legislativo.

Comentários encerrados em 23/03/2008.
A seção de comentários de cada texto é encerrada 7 dias após a data da sua publicação.