Consultor Jurídico

Notícias

Você leu 1 de 5 notícias liberadas no mês.
Faça seu CADASTRO GRATUITO e tenha acesso ilimitado.

Elos de afetividade

Reconhecimento voluntário de paternidade é irrevogável

Pai verdadeiro é quem cria, pois mero vínculo de sangue não pode apagar anos de afeto e dedicação. Por isso, a 4ª Câmara de Direito Civil do Tribunal de Santa Catarina não aceitou o pedido de uma criança para que no seu registro constasse o nome do pai biológico ao invés do nome do companheiro da mãe, que a reconheceu como filha e a criou. A Câmara ressaltou que o reconhecimento voluntário da filiação está sedimentado por elos de afetividade, ato que é irrevogável pelo Estatuto da Criança e do Adolescente.

Os desembargadores reconheceram a paternidade biológica do autor somente para fins genéticos. E mantiveram a paternidade sócio-afetiva da menor que fora registrada, aos nove meses, pelo companheiro de sua mãe. A decisão foi unânime.

A mãe da criança entrou com ação de investigação de paternidade e alimentos contra o pai biológico. O exame de DNA, solicitado em primeira instância, atestou a probabilidade de 99,9% dele ser o pai biológico. Assim, a 2ª Vara Cível de Araranguá (SC) declarou a paternidade e a mudança no registro civil da menor.

O pai biológico recorreu ao Tribunal de Justiça catarinense para pedir novo exame de DNA, porque não queria reconhecer a filha. O pedido fora negado pelo relator, desembargador Monteiro Rocha. De acordo com ele, o novo exame só deve ser feito quando há erro ou vício no laudo apresentado. O relator, ao reformar decisão de primeira instância, fundamentou sua decisão no que chamou de supremacia da filiação sócio-afetiva sobre a biológica.

Explicou que a paternidade da menor não pode ser desconstituída, nem pelo pai biológico nem pela filha. “Este parentesco, amparado nos princípios do moderno Direito de Família, prepondera sobre os laços biológicos e nem mesmo com o conhecimento da verdade biológica pode levar à desconstituição desta paternidade, posto que o mero vínculo consangüíneo não pode apagar os anos de afeto e dedicação", concluiu o relator.

Apelação Cível 2005.000406-5

Revista Consultor Jurídico, 23 de junho de 2008, 17h49

Comentários de leitores

6 comentários

Porque o pretenso pai afetivo não foi chamado n...

Guilb (Outros)

Porque o pretenso pai afetivo não foi chamado no processo para defender a manutenção do registro em seu nome ou concordar com a alteração da declaração de paternidade neste registro?

Onde se lê: famoso obeteve, leia-se, famoso obt...

Ampueiro Potiguar (Advogado Sócio de Escritório)

Onde se lê: famoso obeteve, leia-se, famoso obteve. Obrigado.

Um psicólogo famoso obeteve esse predicado porq...

Ampueiro Potiguar (Advogado Sócio de Escritório)

Um psicólogo famoso obeteve esse predicado porque criado com um pai afetivo. Sem aspas. Afetividde integral.Quando o pai biológico morreu ele prontamente requereu a anulação do registro. Para adquirir a paternidade bilógica e amealhar bens. O STF (instância da época) não acatou a pretensão do viperino."Pai é quem cria, dar afeto, educação". Entre a lei e a Justiça, que esta prevaleça.Juristas empedernidos,quando neste país crianças são jogadas em lagoas, defestradas por pais biológicos, prostituídas, massacradas, aqueles juristas não se lembram da lei. Ou, no mínimo. acham que as coisas são assim mesmo. Não é. A não ser que se veja o Direito pelo lado exclusivamente econômico. Mas a realidade da vida QUE O DIREITO APENAS GENERALIZA, serve este último, para celeumas bizantinas.No frigir dos ovos, o Direito é apenas o meio de se alcançar a Justiça.

Ver todos comentários

Comentários encerrados em 01/07/2008.
A seção de comentários de cada texto é encerrada 7 dias após a data da sua publicação.