Consultor Jurídico

Sigilo bancário

OAB contesta quebra de sigilo pelo governo do Ceará

A OAB do Ceará estuda a possibilidade de entrar com ação na Justiça contra lei estadual, promulgada em dezembro do ano passado, que obriga as administradoras de cartão de crédito a repassar à Secretaria da Fazenda do Estado (Sefaz) informações sobre os gastos feitos com o cartão.

A informação foi dada pelo presidente da Comissão de Estudos Tributários da OAB-CE, Erinaldo Dantas Filho. O assunto está sendo tratado por solicitação da Associação Brasileira de Bares e Restaurantes, unidade Ceará, (Abrasel-CE).

De acordo com Dantas Filho, a iniciativa do Fisco estadual é válida pelo lado do esforço arrecadatório, mas, por outro lado, fere a Constituição, desrespeitando o sigilo bancário. Para tanto a Comissão estuda os aspectos legais da lei e elabora minuta da ação que será apresentada na reunião técnica do grupo, marcada para o dia 25 deste mês.

A Comissão estuda se ingressará com uma Ação Direta de Inconstitucionalidade ou um recurso diretamente na Justiça Federal do Ceará ou no Supremo Tribunal Federal. A última possibilidade, segundo a OAB-CE, pode se constituir em um caminho mais demorado, uma vez que tem que ser feito via Conselho Federal da OAB. O Conselho seccional da OAB cearense é quem vai deliberar, em breve, o melhor tipo de ação.




Topo da página

Revista Consultor Jurídico, 10 de janeiro de 2008, 0h01

Comentários de leitores

1 comentário

O Estado Brasileiro (nos três entes federativos...

marcospereira (Professor Universitário - Administrativa)

O Estado Brasileiro (nos três entes federativos) na ânsia de confiscar o que temos nos assalta diariamente através do escochantes tributos. Atualmente vivemos a sensação e o medo diário de sermos assaltados. De um lado o bandido nos aponta uma arma e tira o que ganhamos a duras penas. Do outro lado o Estado nos aponta outra arma industrializado pelos parlamentares com o nome de tributo e nos retira o que ganhamos... que situação a do brasileiro...

Comentários encerrados em 18/01/2008.
A seção de comentários de cada texto é encerrada 7 dias após a data da sua publicação.