Consultor Jurídico

Notícias

Você leu 1 de 5 notícias liberadas no mês.
Faça seu CADASTRO GRATUITO e tenha acesso ilimitado.

Família forense

Supremo volta a julgar nepotismo nesta quarta-feira

O Supremo Tribunal Federal volta a julgar o nepotismo do Judiciário e na administração pública. Está na pauta de julgamentos desta quarta-feira (20/8) do tribunal a ação que pede que seja declarada a constitucionalidade da Resolução 7 do Conselho Nacional de Justiça, que proíbe o nepotismo no Judiciário. O STF já concedeu liminar mantendo a validade da resolução. Agora, vai julgar o mérito.

A corte vai julgar também se a probição do nepotismo vale para os Poderes Executivo e Legislativo. Em um Recurso Extraordinário, o Ministério Público do Rio Grande do Norte contesta a decisão do Tribunal de Justiça potigüar, que entendeu que a proibição do nepotismo só para o Judiciário. Em março de 2007, ao julgar outro recurso, o ministro Joaquim Barbosa também considerou que a resolução do CNJ vale só para o Judiciário.

A Ação Declaratória de Constitucionalidade a favor da proibição do nepotismo foi proposta pela Associação dos Magistrados Brasileiros (AMB). A resolução do CNJ proibiu a nomeação de parentes até o terceiro grau, cônjuges e companheiros de juízes e de servidores para cargos de direção e assessoramento do Poder Judiciário. Ela foi declarada constitucional por uma liminar do Supremo concedida, por nove votos a um, em fevereiro de 2006.

Na ação, a AMB pede ao Supremo que pacifique definitivamente a questão, uma vez que em vários estados, os tribunais estavam contrariando a decisão do CNJ, ao concederem liminares que permitiam aos parentes não concursados de juízes a permanência em cargo comissionado.

No julgamento da liminar, o Plenário do STF reconheceu o poder normativo do Conselho Nacional de Justiça e conseqüentemente a validade da resolução, determinando que os tribunais cumpram a norma do CNJ de afastar de seus respectivos cargos os parentes de até terceiro grau que não tenham sido aprovados em concurso público.

ADC 12 e RE 579.851

Revista Consultor Jurídico, 19 de agosto de 2008, 20h53

Comentários de leitores

2 comentários

Duvido que o STF tenha coragem para por fim ao ...

Fantasma (Outros)

Duvido que o STF tenha coragem para por fim ao nepotimso no EXECUTIVO E NO LEGISLATIVO. QUERO VER SE TERÃO A MESMA CORAGEM QUE TIVERAM PARA ELABORAR A SÚMULA CACCIOLA-DANTAS.

Grande besteira. A única coisa que o CNJ fez a...

MARCELO-ADV-SE (Advogado Associado a Escritório)

Grande besteira. A única coisa que o CNJ fez até agora. E fê-lo muito mal, a fórceps.

Comentários encerrados em 27/08/2008.
A seção de comentários de cada texto é encerrada 7 dias após a data da sua publicação.