Consultor Jurídico

Notícias

Você leu 1 de 5 notícias liberadas no mês.
Faça seu CADASTRO GRATUITO e tenha acesso ilimitado.

Cartel de combustíveis

Conselheiro da OAB denuncia arbitrariedades da Polícia Federal

O conselheiro federal da OAB pela Paraíba, Edísio Simões Souto, denunciou neste sábado (5/5) ao presidente nacional da entidade, Cezar Britto, as arbitrariedades dos delegados da Polícia Federal no estado contra os advogados contratados pelas onze pessoas presas na Operação 274.

Na Operação, realizada nesta sexta-feira (4/5) em João Pessoa, foram presos donos de postos de gasolina acusados de praticar a cartelização dos preços de combustíveis na capital paraibana. “É lamentável que, mais uma vez, os funcionários da Polícia Federal, todos pagos com dinheiro público, desconheçam a lei e impeçam os advogados de terem acesso aos processos de seus clientes presos na Operação”, afirmou Edísio Souto que vai levar a denúncia na reunião da próxima segunda-feira (7/5) do Conselho Federal da OAB.

Segundo ele, “os delegados da Polícia Federal estão mais preocupados com os holofotes da mídia do que cumprirem o que determina a lei em relação às prerrogativas dos advogados”.

Revista Consultor Jurídico, 5 de maio de 2007, 10h07

Comentários de leitores

15 comentários

Otavinho Rossi, você é um diplomata.

Francisco Lobo da Costa Ruiz - advocacia criminal (Advogado Autônomo - Criminal)

Otavinho Rossi, você é um diplomata.

E tem mais. Nada melhor que lei dura, polícia v...

Francisco Lobo da Costa Ruiz - advocacia criminal (Advogado Autônomo - Criminal)

E tem mais. Nada melhor que lei dura, polícia violenta e MP radical, além de juiz de primeira instância arbitrtário.

Boa, Júnior! Logo, logo, os espertinhos estarão...

Francisco Lobo da Costa Ruiz - advocacia criminal (Advogado Autônomo - Criminal)

Boa, Júnior! Logo, logo, os espertinhos estarão batendo às portas dos escritórios de advocacia, daí ser bom que cuidem de deixar uma boa reserva financeira.

Ver todos comentários

Comentários encerrados em 13/05/2007.
A seção de comentários de cada texto é encerrada 7 dias após a data da sua publicação.