Consultor Jurídico

Notícias

Você leu 1 de 5 notícias liberadas no mês.
Faça seu CADASTRO GRATUITO e tenha acesso ilimitado.

Dever de ressarcir

Seguradora deve ressarcir motorista que dirigiu na beira da praia

Dirigir o carro à beira do mar, especialmente fora da época de veraneio, é corriqueiro e não significa atitude imprudente do motorista. Com esse entendimento, a 3ª Turma Recursal Cível rejeitou recurso da seguradora de veículos, Vera Cruz.

Ao procurar a empresa para ser ressarcido por acidente ocorrido na praia, um segurado teve seu pedido negado. A seguradora alegou que o motorista foi imprudente ao trafegar em local impróprio para circulação, o que a eximiria do dever de indenizar.

Segundo o relator, juiz Eugênio Couto Terra, não existe prova de que o local não seja trafegável ou que estava impedido. Também não há evidência de que o acidente ocorreu devido à areia fofa por impedimento no caminho.

Para ele, só é excluída a responsabilidade da seguradora quando provado de modo inequívoco que o motorista se comportou de maneira atípica ou agiu de má-fé.

Leia a decisão

SEGURO. AUTOMÓVEL. CIRCULAÇÃO NA BEIRA DA PRAIA. AUSÊNCIA DE PROVA INEQUÍVOCA DE AGRAVAMENTO DO RISCO. PROVA INDICIÁRIA INSUFICIENTE. RELAÇÃO DE CONSUMO. PRESUNÇÃO DE BOA FÉ DO SEGURADO. RECURSO DESPROVIDO. UNÂNIME.

RECURSO INOMINADO

TERCEIRA TURMA RECURSAL CÍVEL

Nº 71000589309

COMARCA DE CAXIAS DO SUL

RECORRENTE: SICREDI SEGURO AUTO - CORRESCCOP CORRETORA DE SEGUROS LTDA.

RECORRENTE: VERA CRUZ SEGURADORA S.A.

RECORRIDO: MARCIO MANTOVANI

ACÓRDÃO

Vistos, relatados e discutidos os autos.

Acordam os Juízes de Direito integrantes da Terceira Turma Recursal Cível do Juizado Especial, à unanimidade, em NEGAR PROVIMENTO AO RECURSO.

Participaram do julgamento, além do signatário, os eminentes Senhores DRA. MARIA JOSÉ SCHMITT SANT ANNA (PRESIDENTE) E DR. RICARDO TORRES HERMANN.

Porto Alegre, 19 de outubro de 2004.

EUGÊNIO COUTO TERRA,

Relator.

RELATÓRIO

(Oral em Sessão.)

VOTOS

EUGÊNIO COUTO TERRA (RELATOR)

Recorrem as rés, irresignadas com a decisão que acolheu a pretensão do autor, determinando a responsabilidade solidária das mesmas pela indenização com o conserto do veículo.

Sustenta a ré Corsecoop Corretora Segs Ltda. ser parte ilegítima passiva, atuando como mera intermediária entre o segurado e a seguradora, co-ré Vera Cruz Seguradora S/A.

No mérito, aduzem as requeridas que o local do sinistro, nos termos da cláusulas gerais, exclui o direito à indenização, pois o evento aconteceu na beira do mar. Não bastasse isso, haveria a exclusão pelo agravamento do risco, decorrente do agir imprudente do segurado, que optou por trafegar em local impróprio para circulação.

Apresentou contra-razões o demandante-recorrido.

De plano, afasta-se a afirmação de ser intempestivo o recurso da seguradora. Foi apresentado via protocolo integrado, no último dia do prazo recursal, isto é, em 16.04.2004.

No caso em tela, como bem apontado na decisão guerreada, é de ser reconhecida a solidariedade das rés, com a manutenção da Corsecoop no pólo passivo.

Trata-se de seguro efetuado em agência da Cooperativa Sicredi, com expressa referência de ser o produto "SICREDI SEGURO AUTO", com a logomarca do SICREDI na capa do manual. Assim, cabível o reconhecimento da legitimidade da corretora, integrante do grupo de sistema de crédito. Aplica-se, na hipótese, a teoria da aparência.

No mérito, melhor sorte não socorre as demandadas.

O acidente, como é certo, aconteceu na beira da praia, não se podendo presumir, sem uma prova absolutamente segura, que o local não é trafegável.

É da experiência comum que transitar na beira do mar, em especial em época fora do período de veraneio, é algo corriqueiro, não implicando em infração contratual.

Não há nenhuma prova que o acidente aconteceu por causa da existência de areia fofa, movediça, caminho impedido ou não aberto ao tráfego.

O relatório de regulação só prova o que não é negado. Vale dizer, que o evento aconteceu na beira do mar.

Não existe prova de que o local não permitia tráfego ou estava impedido. Aliás, como bem anotado nas contra-razões, as fotos demonstram que o local, por suas condições, não impede o transitar de veículos, tanto que o carro da reguladora do sinistro foi fotografado naquele lugar.

Em suma, não demonstrado que o agir do segurado implicou em agravamento de risco ou que transitava em local impedido para o tráfego, devida é a indenização contratada.

Em sede de relação securitária, como é sabido, a exclusão da responsabilidade da seguradora só é possível quando provado, modo inequívoco, que o segurado agiu de má-fé ou com comportamento em desacordo com a prática normal da vida.

O valor da indenização postulada é amparado por comprovantes de despesas, não podendo ser desconsiderado.

Voto por negar provimento ao recurso.

Honorários, de 20% do valor atualizado da condenação, pelas rés-recorrentes, pro rata.

NEGADO PROVIMENTO. UNÂNIME.

DRA. MARIA JOSÉ SCHMITT SANT ANNA (PRESIDENTE) - De acordo.

DR. RICARDO TORRES HERMANN - De acordo.

Juízo de Origem: JUIZADO ESPECIAL CIVEL CAXIAS DO SUL - Comarca de Caxias do Sul

Revista Consultor Jurídico, 4 de janeiro de 2007, 7h00

Comentários de leitores

5 comentários

DOUTOR BAND, ATÉ PARECE QUE V.SIA. É UM ADVOGAD...

Pirim (Outros)

DOUTOR BAND, ATÉ PARECE QUE V.SIA. É UM ADVOGADO DO "DIABO"! QUE "CALAMIDADE E RISCO" É A SUA VISÃO COMO MÉDICO!!! POIS A GRANDE MAIORIA DOS BRASILEIROS, V.BRASILEIROS, SABEM QUE AS CIA. DE SEGUROS ATUAM E FATURAM ALTO, AS CUSTAS DO "ESBULHO" AOS SEGURADOS ESTE PARA RECEBER A INDENIZAÇÃO DEVIDA, TEM QUE IR EM SOCORRO DO JUDICIÁRIO! QUE ME PERDOE SE O SR. TRABALHA OU PERTENCE PARA ALGUMA(S) SEGURADORA(S)

Ei meus amigos, que história é essa? Vocês...

Richard Smith (Consultor)

Ei meus amigos, que história é essa? Vocês trabalham para seguradoras? Não diz o velho brocardo "o que não é proibido é permitido"? Aonde que está na apólice a proibicção de trafegar em tais e quais lugares, sob pena da exclusão do risco? Mais ainda, no que consistiu o sinistro, que não é explicitado pela notícia? Como saber então da adequada noção de causa e efeito? "tanto se trata de imprudência que o acidente ocorreu". Que falácia absurda. Que existe um legião de safados tentando lograr as seguradoras é um fato. E que estas, na boa e velha corrente bem brasileira do morder e ser mordido (trsite País!) tentam se safar como podem do pagamento das indenizações, também! Afora o fato de que todas as safadezas e os aumentos de determinadas classes de sinistros SÃO REPASSADAS AUTOMATICAMENTE AOS PREÇOS DOS PRÊMIOS! Reclamam de que então? No caso presente, se tivessem aparelhado adequadamente a contestação, talvez não tivessem levado a "sabugada". Estacionar o veículo de atendimento bem ao lado, fotografar e dizer que lá não pode trafegar é ridículo demais! Quá, quá, quá.

Veículos de passeio não foram feitos para andar...

Band (Médico)

Veículos de passeio não foram feitos para andar fora de estrada (off road). Em todo o caso eu já andei. Pior foi a da embriaguez! Até bebado pode e o seguro que pague. Se matar, não estava no seu perfeito juízo....

Ver todos comentários

Comentários encerrados em 12/01/2007.
A seção de comentários de cada texto é encerrada 7 dias após a data da sua publicação.