Consultor Jurídico

Notícias

Você leu 1 de 5 notícias liberadas no mês.
Faça seu CADASTRO GRATUITO e tenha acesso ilimitado.

Escritórios 007

Advogados se equipam para investigar clientes novos

Por 

Escritórios de advocacia estão adotando para uso próprio instrumentos de trabalho que até agora temiam e combatiam. São os equipamentos eletrônicos de última geração para investigação e espionagem. Algumas sociedades de advogados recorre a estes equipamentos para conhecer melhor clientes novos e desconhecidos.

Trata-se apenas de mais uma precaução que os advogados estão incorporando a seus códigos de comportamento, para evitar sustos e sobressaltos. “Os bancos têm a política do conheça seu cliente, e agora a mais nova, conheça o cliente de seu cliente. Acho normal que eu adote o mesmo procedimento. Quero saber até quem são os clientes que não conheço, dos escritórios de advocacia associados aos meus. Minha saída, para tais garantias, foram esses procedimentos”, disse à revista Consultor Jurídico um criminalista de Brasília.

A coquete desse novo tipo de comportamento é uma empresa do Rio de Janeiro, chamada Ability Br Comércio Importação Exportação Representações Ltda. Fundada em 24 de julho de 1998, funciona na rua Gonçalves Dias, 30 A, sobreloja, na capital fluminense. Seus registros mostram que ela tem “zero empregados”, sua razão social é “comércio e importação e exportação de produtos”, tem um capital social de RS$ 250 mil e a sócia acionista mais recente é Erzilia Maria Moreira Rodrigues. O site da empresa é

www.abilitybr.com.br

A Ability quer competir com a toda-poderosa Dígitro, de Santa Catarina, que produz o aparelho de grampos telefônicos usado pela Polícia Federal em suas operações, o Guardião. Sua arma para enfrentar a concorrência é uma maleta de interceptação de telefones que, segundo a própria empresa, só é vendida para governos e órgãos públicos. “Não posso deixar de dizer que muita gente de governos tem emprestado essa maleta por uns dias para dar uma forcinha para escritórios”, disse um advogado do Rio de Janeiro.

Na página da internet da Ability, a tal maleta-grampeadora é assim anunciada: “Maletas portáteis de interceptação de telefones celulares digitais e analógicos, para uso em investigações e operações de campo, podem ser legalmente adquiridas apenas por Órgãos de Segurança Pública. Estas maletas são ferramentas extremamente eficazes na investigação, permitindo ao operador - seja este um Policial ou membro do Ministério Público - a indispensável agilidade na realização de suas tarefas. O acesso a estes equipamentos de investigação é totalmente restrito aos Órgãos Governamentais investidos dessa atribuição específica.Nossa empresa está apta a fornecer diversos tipos de maletas para a interceptação de comunicações, inclusive para telefones celulares digitais e analógicos que utilizem qualquer tipo de tecnologia: TDMA , CDMA ou GSM”.

A reportagem da revista Consultor Jurídico telefonou para a Ability. Uma pessoa que se identificou como Paulo disse que “três ou quatro.produtos nossos são só para governos, conforme o anunciado, inclusive essa maleta”.

Outros produtos da empresa são muito requisitados entre advogados e sobretudo entre agentes aposentados da PF, mão de obra ociosa que costuma ser contratada para bisbilhotar a vida dos novos clientes dos escritórios. Entre estes equipamentos, o mais procurado é a escuta ambiental assim definida pela Ability: “Esta sofisticada escuta ambiental, é montada com micro componentes de telefones celulares do tipo GSM e cabe dentro de uma carteira de cigarros. Basta ligar para o número do telefone da escuta e esta atenderá sem fazer qualquer ruído, permitindo ao investigador monitorar o áudio do ambiente onde o alvo se encontra (sala, veículo, etc.) sem qualquer limite de distância. Se o investigador não quiser ter o trabalho de ligar, ou não souber o momento certo, basta programar a escuta e esta irá enviar mensagens de texto e ligar para o telefone celular do investigador quando detectar sinal sonoro ou até movimento físico no ambiente alvo!”


Um advogado de São Paulo recebeu oferta de óculos especialmente preparados para servir em operação de espionagem, mas resolver pensar duas vezes antes de aderir. “Achei tudo isso coisa de 007 e acho que pode não ser tão prático”.

Como se pode perceber pela descrição do produto, os óculos são na verdade uma câmara de filmar: “Kit Óculos Ultra - A Câmera Óculos possui uma característica insuperável, pois, está associada ao movimento da cabeça e ao campo de visão do investigador, bastando a este olhar para o alvo para que tudo seja filmado. Simples e rápido de ser operado, o objetivo deste kit é viabilizar a filmagem de reuniões, encontros e ambientes, ou seja, as operações nas quais o investigador precisa portar equipamentos junto ao corpo e filmar tudo o que estiver vendo. Para tal, irá usar a câmera óculos conectada (por um cabo que está oculto na tira de proteção contra queda dos óculos) diretamente ao ultra micro vídeo gravador digital que, por sua vez, poderá ser portado no cinto na parte das costas ou até em outro ponto do vestuário. Lembre-se de que o ultra micro vídeo gravador digital é tão pequeno que cabe perfeitamente em uma carteira de cigarros”.

 é repórter especial da revista Consultor Jurídico

Revista Consultor Jurídico, 11 de agosto de 2007, 0h00

Comentários de leitores

3 comentários

ADVOGADO 007. ORA, É MAIOFR ESPATAFURDIA EM ...

MAFFEI DARDIS (Advogado Sócio de Escritório - Criminal)

ADVOGADO 007. ORA, É MAIOFR ESPATAFURDIA EM ADMITIR. ACREDITO QUE A ÉTICA PROFISSIONAL DO ADVOGADO NÃO VENHA A COMUNGAR COM ESSA ATITUDE, VISTO QUE ADVOGADO É O CONFIDENTE DO CLIENTE,NÃO EXERCE AS FUNÇÕES DE POLÍCIA. OCORRE QUE TEM ADVOGADOS E ADVOGADOS, ÓBVIAMENTE PELA POSTURA DO ADVOGADO, EM SEU MISTER, VISTO SER UM MAGISTÉRIO NÃO HÁVERA PROBLEMAS EM ATENDER OS CLIENTES, MORMENTE AQUELES POR INDICAÇÃO. QUANTO AO FATO DE IR A PROCURA DE "CLIENTES" NO LUGAR QUE O SEJA, CUJO COMPORTAMENTO NÃO É PERMITIDO PELA ÉTICA,COM CERTEZA TERÁ PROBLEMAS, É A TAL HISTÓRIA: ME DIGAS COM QUEM ANDAS QUE DIREI QUEM ÉS. POR MAIS: TODOS TEMOS O DIREITO DE SEPARAR O JOIO DO TRIGO. PORTANTO MÉRITO AQUELES PROFISSIONÁIS QUE NÃO SE SOCORREM DE TAL METODO. FERNANDO MAFFEI DARDIS. MAFFEI DARDIS Advocacia.

É difícil acreditar. Justamente no dia de hoje,...

Orlando Maluf (Advogado Sócio de Escritório)

É difícil acreditar. Justamente no dia de hoje, 11 de Agosto, depararmo-nos com uma notícia dessas. Talvez, por menos que queiramos, esteja na hora de se dividir a Advocacia em : tradicional, em que se manteria o respeito aos reais direitos humanos e se exigiria do advogado profissão de fé que, por natureza, abomina certos expedientes; e "nova advocacia", em que tudo é permitido, em que a ética é "relativa" e que dispõe em abrir mão da sofrida independência moral e cultural, em prol de uma dependência chula e mesquinha que tornaria os optantes absolutamente indignos das prerrogativas tão difícil de serem conquistadas pela primeira, infelizmente em extinção.

Esse reporter é o mesmo que fez uma reportagem ...

Roberval Taylor (Consultor)

Esse reporter é o mesmo que fez uma reportagem na revista Rolling Stones onde confessou que bebeu um chá esquisito e teve visões. Foi ele que promoveu um macumbeiro alemão nessa reportagem, um macumbeiro que tá faturando uma nota preta com ebós em encruzilhadas aqui no Realengo. Sei não, sei não, mas esse cara pelo jeito ainda tá tomando aquele chá...

Comentários encerrados em 19/08/2007.
A seção de comentários de cada texto é encerrada 7 dias após a data da sua publicação.