Consultor Jurídico

Notícias

Você leu 1 de 5 notícias liberadas no mês.
Faça seu CADASTRO GRATUITO e tenha acesso ilimitado.

Contas aprovadas

Conselho Federal aprova prestação de contas de 2004 da OAB-SP

O Conselho Federal da Ordem dos Advogados do Brasil aprovou a prestação de contas referente a 2004 apresentada pela seccional paulista da entidade, presidida por Luiz Flávio Borges D’Urso. Em cumprimento de resoluções e provimentos do Conselho Federal, o balanço foi encaminhado a Brasília no dia 4 de abril de 2005, após fechamento do exercício fiscal de 2004. As contas de 2003, da gestão anterior, ainda não foram aprovadas.

Segundo Marcos da Costa, diretor financeiro da OAB-SP, o ano de 2004 confirmou as ponderações apresentadas desde o início da gestão. Ele afirma que o orçamento aprovado no final de 2003 pela gestão anterior foi estruturado sem qualquer critério e divorciado do princípio de previsibilidade que deve nortear a elaboração orçamentária.

“Encontramos um patrimônio social altamente comprometido por causa de dívidas acumuladas pela gestão anterior com o Conselho Federal e com a Caasp, em razão da falta dos repasses estatuários”, analisa Costa. Ele ressaltou que sem a adoção de medidas drásticas de economia, o déficit orçamentário de 2004 poderia corresponder a R$ 32 milhões.

Costa destacou que o quadro foi agravado quando a Caasp deixou de ter participação sobre a taxa judiciária estadual. O valor, segundo o diretor, girava em torno de R$ 14 milhões e mantinha o funcionamento da Caasp. Ele afirma que, na gestão anterior à de D’Urso, a OAB-SP não fez os repasse obrigatório para a manutenção da Caixa de Assistência e usou esses recursos para financiar o próprio déficit.

Um dos destaques das medidas de economia, segundo Costa, foi a mudança no relacionamento da seccional com as subsecções. Ele afirma que a entidade procurou assegurar um orçamento participativo, com total transparência, inclusive com a abertura, a cada subsecção, de seus números (receitas e despesas), bem como com a introdução da prestação de contas na intranet.

Ele lembra que uma das barreiras enfrentadas no período foi a greve de 90 dias dos servidores do Poder Judiciário paulista. Para ele, o fato minou os esforços até então bem sucedidos, na recuperação das receitas da entidade, pelos efeitos que gerou nas finanças de toda a classe dos advogados. Como resultado do movimento, a arrecadação de 2004 foi menor que a de 2003, em R$ 5 milhões.

“A greve dos servidores também impactou fortemente na receita com prestação de serviços da entidade, com a queda da demanda dos serviços de fotocópias nas salas de advogados dos foros estaduais, embora, por óbvio, seus principais custos, com funcionários e locação de equipamentos, estivessem mantidos no período de greve”, analisa.

Para o diretor-financeiro, os resultados destes esforços foram compensadores. “Após muitos anos, esta seccional cumpriu integralmente com sua obrigação de repasse com a Caasp, transferindo-lhe R$ 20,3 milhões, para quitação total do repasse de 2004”.

Saiba como buscar eficiência e rentabilidade para seu escritório no Seminário Os Rumos da Advocacia para 2007.

Revista Consultor Jurídico, 18 de novembro de 2006, 7h00

Comentários de leitores

2 comentários

OAB-ES marcha com ORDEM E PROGRESSO! 1. NEM ...

Alochio (Advogado Sócio de Escritório - Administrativa)

OAB-ES marcha com ORDEM E PROGRESSO! 1. NEM TODAS AS SECCIONAIS DA OAB SÃO TRANSPARENTES. E mais: a Ordem, no ES, mantém um JORNALZINHO para notícias de sabe-se lá oque. Qual a razão para NAO SER PUBLICADO O BALANÇO DE RECEITAS E DESPESAS?? A demonstração dos gastos, assim, seria MAIS FRANCA, sem que o advogado precise ir até a seccional. 2. Não sei a razão de tanto medo de uma maior abertura destas contas! A OAB, como um todo, deveria dar mais exemplos de transparência: só isso.

Àqueles detratores da OAB, que indevidamente es...

Sérgio Niemeyer (Advogado Sócio de Escritório - Civil)

Àqueles detratores da OAB, que indevidamente estadeiam a necessidade de ela ser fiscalizada ou auditada pelo TCU, eis aí a demonstração cabal do erro em que incorrem. A OAB presta contas e é auditada pelo Conselho, seja o federal, sejam os seccionais. As contas são disponibilizadas para todos os interessados (advogados), que podem impugná-las se tiverem fundamentos para tanto. Não pode haver melhor controle do que este. (a) Sérgio Niemeyer Advogado - Professor de Direito - Palestrante - Parecerista sergioniemeyer@adv.oabsp.org.br

Comentários encerrados em 26/11/2006.
A seção de comentários de cada texto é encerrada 7 dias após a data da sua publicação.